Caracterização morfológica de clones elite de mandioca de mesa amarelos biofortificados

Elisiane Fuhrmann, Eduardo Alano Vieira, Fábio Gelape Faleiro, Josefino de Freitas Fialho, Luiz Joaquim Castelo Branco Carvalho

Resumo


O estudo teve como objetivo caracterizar por meio de descritores morfológicos clones elite de mandioca de mesa com coloração da polpa das raízes amarelas biofortificados. Foram  caracterizados 13 clones de mandioca, em comparação com a variedade testemunha IAC 576-70, avaliados em experimentos conduzidos na Embrapa Cerrados por duas safras. Foram obtidos 40 descritores morfológicos qualitativos para cada clone. Com base na distribuição de frequência dos genótipos nas diferentes classes fenotípicas foi calculado o coeficiente de entropia para cada descritor. A matriz de dissimilaridade genética entre os clones foi calculada com base no coeficiente de coincidência simples das classes fenotípicas e a partir dessa matriz foi realizada a análise de agrupamento via dendrograma. Os resultados evidenciaram as diferenças morfológicas entre os clones, demostrando que nenhum par de genótipos apresentou 100% de similaridade. O fator ano/safra não influenciou a expressão fenotípica dos caracteres aferidos. Dentre os caracteres aferidos, os que apresentaram maior entropia foram coloração da epiderme externa, forma do lóbulo central da folha e cor do córtex da raiz. Entre os clones avaliados, verificou-se clones com potencial para recomendação para cultivo comercial com base nos caracteres morfológicos desejáveis do ponto de vista agronômico.


Texto completo:

PDF

Referências


Albuqerque, J. A. A., Sediyama, T., Silva, A. A. da, Sediyama, C. S., Alves, J. M. A., & Neto, F. A. (2009). Caracterização morfológica e agronomiva de clones de mandioca cultivados no Estado de Roraima. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, 4 (4), 388-394.

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. (2010). Proteção de cultivares.

Brasília, DF. Recuperado em 16 fevereiro, 2010, de http://www.agricultura.gov.br/vegetal/registros-autorizacoes/protecao-cultivares/formularios-protecao-cultivares.

Carvalho, L. J. C. B., Lipolis, J., Chen, S., Souza, C. R. B., Vieira, E. A., & James, V. A. (2012). Characterization of carotenoid-protein complexes and gene expression analysis associated with carotenoid sequestration in pigmented cassava (Manihot Esculenta Crantz) Storage Root. The Open Biochemistry Journal, 6 (1), 116-130.

Ceballos, H., Iglesias, C. A., Pérez, J. C., & Dixon, A. G. O. (2004). Cassava breeding: opportunities and challenges. Plant Molecular Biology, 56 (4), 503-516.

Cardoso, A. D., Viana, A. E. S., Muniz, W. F., Andrade, J. S., Moreira, G. L. P., & Cardoso Jr., N. S. (2014). Avaliação de variedades de mandioca tipo indústria. Magistra, 26 (4), 461-470.

Cruz, C. D. (2001). Programa genes: aplicativo computacional em genética e estatística [Programa de computador]. Viçosa: UFV.

Duputié, A., Massol, F., David, P., Haxaire, C., & Mckey, D. (2009). Traditional ameridian cultivators combine directional and ideotypic selection for sustainable management of cassava genetic diversity. Journal of Evolutionary Biology, 22 (6), 1317-1325.

Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (2011). Maiores produtores mundiais de mandioca. Recuperado em 15 janeiro, 2011, de http:// apps.fao.org/egibin/nphdb.pl2005.

Fialho, J. F., Vieira, E. A., Silva, M. S., Paula-Moraes, S. V., Fukuda, W. M. G., Santos Filho, M. O. S., & Silva, K. N. (2009). Desempenho de variedades de mandioca de mesa no Distrito Federal. Revista Brasileira de Agrociência, 15 (1-4), 31-35.

Fialho, J. F., Sousa, D. M. G., & Vieira, E. A. (2013). Manejo do solo no cultivo de mandioca. In: Fialho, J. F., & Vieira, E. A. (Ed.). Mandioca no Cerrado: orientações técnicas (2 ed., pp.39-60). Planaltina: Embrapa Cerrados.

Fialho, J. F., & Vieira, E. A. (2013) Manejo e tratos culturais da mandioca. In: Fialho, J. F., & Vieira, E. A. (Ed.). Mandioca no Cerrado: orientações técnicas (2 ed., pp.61-88). Planaltina: Embrapa Cerrados.

Fukuda, W. M. G., & Guevara, C. L. (1998). Descritores morfológicos e agronômicos para a caracterização de mandioca (Manihot esculenta Crantz). Cruz das Almas: CNPMF.

Iglesias, C., Mayer, J., Chavéz, L., & Calle, F. (1997). Genetic potential and stability of carotene content in cassava roots. Euphytica. 94 (3), 363-373.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2013). Sistema IBGE de recuperação automática – SIDRA (Versão 2011). [Programa de computador]. Recuperado em 15 outubro, 2013, de http://www.sidra.ibge.gov.br/.

Klink, C. A., & Machado, R. B. (2005). Conservation of the Brazilian Cerrado. Conservation Biology, 19 (3), 707-713.

Mezette, T. F., Carvalho, C. R. L., Morgano, M. A. Silva, M. G., Parra, E. S. B., Galera, J. M. S. V., & Valle, T. L. (2009). Seleção de clones-elite de mandioca de mesa visando a características agronômicas, tecnológicas e químicas. Bragantia, 68 (3), 601-609.

Mkumbira, J., Chiwona-Karltun, L., Langercrantz, U., Mahungu, N.M., Saka, J., Mhone, A., Bokanga, M., Brimer, L., Gullberg, U., & Rosling, H. (2003). Classification of cassava into ‘bitter’ and ‘cool’ in Malawi: From farmers perception characterisation by molecular markers. Euphytica, 132 (1), 7-22.

Nick, C., Carvalho, M., Assis, L. H. B., & Carvalho, S. P. (2008). Genetic dissimilarity in cassava clones determined by multivariate techniques. Crop Breeding and Applied Biotechnology, 8 (2), p.104-110.

Pillar, V. P. (1997) Multivariate exploratory analysis and randomization testing using Multiv. Coenoses, 12 (2-3), 145-148.

Ratter, J. J., Ribeiro, J. F., & Bridgewater, S. (1997). The Brazilian cerrado vegetation and threats to its biodiversity. Annals of Botany, 80 (3), 223-230.

Rohlf, F. J. (2000). NTSYS-pc: numerical taxonomy and multivariate analysis system (Version 2.1.) [Software]. New York: Exeter Softwamos.

Sokal, R. R., & Rohlf, F. J. (1962). The comparison of dendrograms by objective methods. Taxon, 11 (2), 30-40.

Vieira, E. A., Fialho, J. F., Faleiro, F. G., Bellon, G., Fonseca, K. G., Carvalho. L. J. C. B., Silva, M.

S., Paula-Moraes, S. V., Oliveira, C. M., & Denke, M. L. (2011). Characterization of sweet cassava acessions based on molecular, quantitative and qualitative data. Crop Breeding and Applied Biotechnology, 11 (3), 232-240.

Vieira, E. A., Fialho, J. F., Silva, M. S., Fukuda, W. M. G., & Faleiro, F. G. (2008). Variabilidade genética do banco de germoplasma de mandioca da Embrapa Cerrados acessada por meio de descritores morfológicos. Científica, 36 (1), 56-67.

Vieira, E. A., Fialho, J. F., Faleiro, F. G., Bellon, G., Fonseca, K. G., Silva, M. S., Paula-Moraes, S. V., & Carvalho, L. J. C. B. (2013). Caracterização fenotípica e molecular de acessos de mandioca de indústria com potencial de adaptação às condições do cerrado do Brasil Central. Semina: Ciências Agrárias, 34 (2), 567-582.

Welch, R. M. & Grahan, R. D. (2002). Breeding crops for enhanced micronutrient content. Plant and Soil, 245 (01), 205-214.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Magistra

ISSN 2236-4420 - versão on line