Características agronômicas da planta e produtividade da silagem de milho submetido a diferentes arranjos populacionais

Lucas Braido Pereira, Diego Soares Machado, Dari Celestino Alves Filho, Ivan Luiz Brondani, Viviane Santos da Silva, Flânia Mônego Argenta, Amanda Farias de Moura, Daniele Borchate

Resumo


Objetivou-se com este estudo avaliar o efeito de diferentes arranjos populacionais da planta de milho sobre as características agronômicas e a produtividade de silagem e grãos. O ensaio foi conduzido no Departamento de Zootecnia da UFSM, localizado no município de Santa Maria – RS. O delineamento experimental foi de blocos ao acaso, com quatro repetições, num esquema fatorial 3 x 3. Os tratamentos consistiram em três densidades de semeadura: 49.500; 66.000 e 82.500 plantas ha-1, e três espaçamentos entre linhas: 0,5; 0,7 e 0,9 m. Foram avaliadas as seguintes características: número de folhas por planta; número de folhas senescentes; número de espigas por planta; altura da planta; altura de inserção da espiga; diâmetro da espiga; comprimento da espiga; diâmetro de colmo; produtividade de silagem, expressa na matéria verde e seca, e rendimento de grãos. As médias foram comparadas pelo teste de Tukey a 5% de significância. Não houve interação entre espaçamento e densidade para nenhuma das variáveis testadas. Os espaçamentos entre linhas não afetaram nenhuma das variáveis. A densidade de 82,5 mil plantas ha-1 foi superior para produção de silagem e de grãos que as demais. O melhor arranjo de plantas para o híbrido AS1551 PRO é com 82,5 mil plantas ha-1, independentemente do espaçamento entre linhas.

 

Palavras chave: Zea mays, Espaçamento, Forragem


Texto completo:

PDF

Referências


Aférri, F. S. et al. (2008). Espaçamento e densidade de semeadura para a cultura do milho em plantio tardio no estado do Tocantins. Pesquisa Agropecuária Tropical, 38 (2), 128-133.

Argenta, G. et al. (2001). Arranjo de plantas em milho: análise do estado-da-arte. Ciência Rural, 31 (6).

Bergamaschi, H. et al. (2004). Distribuição hídrica no período crítico do milho e produção de grãos. Pesquisa Agropecuária Brasileira, 39, 831-839.

Borgui, E. et al. (2007). Produtividade e qualidade de forragem de milho em função da população de plantas, do sistema de preparo do solo e da adubação. Revista Brasileira de Agrociência, 13 (4), 465-471.

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. (2017). Projeções do agronegócio Brasil 2016/17 a 2026/27. Projeções de longo prazo (8 ed.). Brasília: MAPA.

Calonego, J. C. et al. (2011). Produtividade e crescimento de milho em diferentes arranjos de plantas. Revista Agrarian, 4 (12), 84-90.

Comissão Sul-Brasileira de Química E Fertilidade do Solo. (2004). Manual de adubação e calagem para os estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina (10 ed., 400p). Porto Alegre.

Companhia Nacional de Abastecimento. (2017). Acompanhamento da safra brasileira de grãos. Recuperado em 25 outubro, 2017, de http://www.conab.gov.br/OlalaCMS/uploads/arquivos/17_10_16_16_34_39_graos_outubro_2017.pdf.

Demétrio, C. S. et al. (2008). Desempenho de híbridos de milho submetidos a diferentes espaçamentos e densidades populacionais. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, 43 (12), 1691-1697.

Evans, L. T. (1993). Processes, genes, and yield potential. In: Buxton, D.R., Shibles, R., & Forsberg, R.A., et al. (Editores). International Crop Science I (p. 895). Madison: Crop Science Society os America.

Fancelli, A. L., & Dourado Neto, Durval. (2004). Produção de milho (2 ed., 362p). Guaíba: Agropecuária.

Instituto Nacional de Meteorologia. (2014). Normais Climatológicas do Brasil 1961-1990. Recuperado em 10 março, 2014, de http://www.inmet.gov.br/portal/index.php?r=clima/normaisClimatologicas.

Mendes, M. C. et al. (2013). Adubação nitrogenada em cobertura associada com densidades populacionais de híbridos de milho em espaçamento reduzido. Revista Brasileira de Milho e Sorgo, 12 (2), 92-101.

Modolo, A. J. et al. (2010). Desempenho de híbridos de milho na Região Sudoeste do Paraná sob diferentes espaçamentos entre linhas. Revista Ciência Agronômica, 41 (3), 435-441.

Paziani, S. F. et al. (2009). Características agronômicas e bromatológicas de híbridos de milho para produção de silagem. Revista Brasileira de Zootecnia, 38 (3), 411-417.

Ritchie, S. W., Hanway, J. J., & Benson, G. O. (1993). How a corn plant develops (Special Report, 48, 26p). Ames: Iowa State University of Science and Technology.

Sangoi, L. et al. (2011). Perfilhamento, área foliar e produtividade do milho sob diferentes arranjos espaciais. Pesquisa Agropecuária Brasileira, 46 (6), 609-616, 2011.

Sangoi, L. et al. (2013). Senescência foliar e resposta de híbridos de milho liberados comercialmente para cultivo em diferentes épocas ao adensamento. Revista Brasileira de Milho e Sorgo, 12 (1), 21-32.

Sangoi, L. (2000). Understanding plant density effects on maize growth and development: an important issue to maximize grain yield. Ciência Rural, 31 (1), 159-168.

Schmitt, A. (2014). Arranjo de plantas para maximizar o desempenho agronômico do milho em ambientes de alto manejo (226f). Tese de Doutorado, Universidade do Estado de Santa Catarina, SC, Brasil.

Skonieski, F. R. et al. (2014). Corn plant arrangement and its effect on silage quality. Revista Brasileira de Zootecnia, 43 (3), 114-119.

Stacciarini, T. C. V. et al. (2010). Avaliação de caracteres agronômicos da cultura do milho mediante a redução do espaçamento entre linhas e aumento da densidade populacional. Revista Ceres, 57 (4), 516-519.

Statistical Analysis System. (2010). SAS Language reference. (version 9.2.) [Software]. Cary: SAS Institute.

Streck, E. D. et al. (2002). Solos do Rio Grande do Sul (126p). Rio Grande do Sul: EMATER.

Takasu, A. T. et al. (2014). Desempenho agronômico do milho sob diferentes arranjos populacionais e espaçamento entrelinhas. Revista Agrarian, 7 (23), 34-41.

Turco, G. M. S.(2011). Produção física de plantas de milho para silagem, cultivado em dois níveis de adubação, dois espaçamento entre linhas e duas densidades de plantio. Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual do Centro-Oeste, Guarapuava, PR, Brasil.

Wagner, M. V. et al. (2013). Estimativa da produtividade de milho em função da disponibilidade hídrica em Guarapuava-PR. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 17 (2), 170-179.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Magistra

ISSN 2236-4420 - versão on line