Principais inadequações de supermercados verificadas nas notificações emitidas pela Vigilância Sanitária e Ambiental.

Lívia Souza Guimarães Rocha e Silva, Isabella de Matos Mendes da Silva, Ricardo Mendes da Silva

Resumo


Objetivou-se avaliar as principais inadequações de supermercados verificadas nas notificações da Vigilância Sanitária e Ambiental (VISA) de Santo Antônio de Jesus-Bahia. Realizou-se a análise e tabulação de dados secundários oriundos das notificações dos arquivos da VISA em 34 supermercados do município em 2011 e a avaliação da variação dos percentuais de adequação no ano de 2011 comparados às notificações do ano de 2010. Utilizou-se com base para tabulação o roteiro de inspeção de estabelecimentos da área de alimentos da VISA. Os resultados demonstraram que as inadequações referentes a estrutura física e instalações (60,72%); a identificação do estabelecimento (26,78%); a produção e transporte dos alimentos (8,93%); e ao manipulador (3,57%). Analisando os itens notificados mais frequentes, observou-se que: 94% dos estabelecimentos não dispunham de Responsável Técnico; 85,29% não possuíam o certificado de controle de pragas; em 64,70% dos supermercados foi constatada a ausência de lixeira com tampa acionada por pedal nos lavatórios, 67,64% revelaram a inexistência da cópia do alvará de funcionamento; 50% revelaram ausência do Atestado de Saúde Ocupacional dos manipuladores de alimentos. Ao comparar as notificações emitidas em 2011 com 2010, verificou-se que os estabelecimentos obtiveram uma elevação dos percentuais de adequação que variou de até 50% (seis supermercados), entre 50 e 80% (três supermercados) e acima de 80% (um supermercado). De modo geral, os resultados enfatizam a importância da atuação da VISA, por meio de postura educativa, construtiva e se necessário, punitiva, de forma continuada e uniforme, reduzindo riscos decorrentes das inconformidades, garantindo a segurança dos alimentos.


Texto completo:

PDF

Referências


Alcântara, M. A.,Gatto, I. R.H., & Kozusny, D. I. A. (2012). Avaliação do perfil microbiológico de salsichas tipo “hot dog” comercializadas em embalagens a vácuo e a granel. Veterinária em Foco, 10 (1), 68-79.

Alves, E. M P., Silva, S., Sousa, C. L., Figueiredo, H. M., & Neves, E. A. (2017). Aspectos higiênicos–sanitários das instalações do mercado ver-o-peso e avaliação da temperatura dos peixes comercializados. Revista Ciência e Desenvolvimento, 10 (2).

Assis, F. S. et al. (2011). Avaliação das condições higiênico-sanitárias dos quiosques instalados na Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais do Estado de São Paulo (CEAGESP). Revista de Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, 18 (2), 33-52. Recuperado em 15 abril, 2017, de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/issue/view/262.

Associação Brasileira de Supermercados (2017). Recuperado em 7 outubro ,2017, de http://www.abrasnet.com.br/clipping.php?area=20&clipping=62121.

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2010). Recuperado em 29 agosto, 2017, de http://portal.anvisa.gov.br/wps/content/Anvisa+Portal/Anvisa/Inicio/Sangue+Tecidos+e+Orgaos/Assunto+de+Interesse/Inspecao/Banco+de+Tecidos+Oculares.

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2002). Resolução RDC n° 275 de 21 de outubro de 2002. Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos e a Lista de Verificação das Boas Práticas de Fabricação em Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos. Diário Oficial da União (Seção 1). Brasília, DF: Ministério da Saúde. Recuperado em 4 agosto, 2017, de http://www.anvisa.gov.br/legis/resol/2002/275_02rdc.htm.

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2004). Resolução RDC n°216 de 15 de setembro de 2004. Regulamento técnico de boas práticas para serviços de alimentação. Diário Oficial da União. Brasília, DF: Ministério da Saúde. Recuperado em 2 junho, 2017, de http://www.anvisa.gov.br/legis/resol/2004/rdc/216_04rdc.htm.

Instituto Brasileiro de geografia e Estatística. (2017). Recuperado de https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ba/santo-antonio-de-jesus/panorama

Brasil. Ministério do Trabalho e Emprego. (1978). Norma Regulamentadora NR - Equipamentos de Proteção Individual (EPI). Portaria GM nº 3.214 , 08 de Junho de 1978. Brasília, DF: Ministério do Trabalho e Emprego.

Bueno, C. M., Pombal, S. S., Passoni, C. R. M. S., & Peres, A. P. (2013). Promoção de segurança alimentar em um colégio estadual do município de almirante Tamandaré/PR. Cadernos da Escola de Saúde, 1 (9), 168-187.

CN3 Consultoria em Nutrição. (2016). Auditoria, Campinas. Recuperado em 12 maio, 2017, de http://www.cn3.com.br/auditoria.php.

Costa, E. A. (Org.) (2009). Vigilância sanitária: temas para debate. Salvador: EDUFBA.

Genta, T. M. S., Maurício, A. A., & Matioli, G. (2005). Avaliação das Boas Práticas através de check-list aplicado em restaurantes self-service da região central de Maringá, Estado do Paraná. Acta Science Health Science, Maringá, 27 (2), 151-156. Recuperado em 16 abril, 2017, de file:///C:/Users/L%C3%ADvia/Downloads/1415-3715-1-PB.pdf .

Martins, E. A., et al. (2013). Análise de perigos e pontos críticos de controle (APPCC). In: Germano, P. M. L., & Germano, M. I. S. Sistema de gestão – qualidade e segurança dos alimentos (578p). Barueri, SP: Manole.

Matos, V. S. R., et al., (2012). Perfil sanitário da carne bovina in natura comercializada em supermercados. Revista do Instituto Adolfo Lutz. 71 (1), 187-92.

Medeiros, L. B., et al., (2012). Diagnóstico das condições higiênicas de serviços de alimentação de acordo com a NBR 15635:2008. Brazilian Journal Food Technology, 15 (nesp.), 47-52.

Mendes, A. C. R., et al., (2001). Condições de comercialização de cortes cárneos em supermercados da cidade do Salvador, BA. Revista de Higiene Alimentar, São Paulo, 15 ( 83), 58-62. Recuperado em 9 junho, 2017, de http://bases.bireme.br/cgi-bin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=LILACS〈=p&nextAction=lnk&exprSearch=285739&indexSearch=ID.

Nunes, A. T. S., Rodrigues, Z. M. R., & Freitas Jr., L. M. (2017). Vigilância sanitária no setor de alimentos em São Luís/MA. Brasil revista Espacios, 38 (31), 31. Recuperado de http://www.revistaespacios.com/a17v38n31/in173831.html

Paim, J. S. (2006). Atenção à saúde no Brasil. In: Paim, J. S. Desafios da saúde coletiva no século XXI. Salvador, EDUFBA.

Possamai, M. H. P., et al. (2010). A fiscalização da ilegalidade do comércio de produtos de origem animal e derivados. Recuperado em 15 setembro, 2017, de http://www.sovergs.com.br/site/higienistas/trabalhos/10568.pdf.

Reis, C. M. D. et al. (2012). Principais inadequações de estabelecimentos produtores de alimentos observadas nas notificações emitidas pela Vigilância Sanitária de um município do recôncavo sul da Bahia. Anais do Simpósio de Segurança Alimentar. Gramado: Fundação de Apoio da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 4.

Rodrigues, et al. (2017). Aspectos higiênico-sanitários de estabelecimentos comercializadores de carnes no município de Bom Jesus-PI. Revista Brasileira de Higiene e Sanidade Animal, 11 (1), 94-103.

Scheidt Jr., A. S., et al. (2012). Caracterização da compra de produtos lácteos pelos supermercados em Porto Velho. Anais do Congresso de Excelência em Gestão. Rio de Janeiro: Escola de Engenharia da Universidade Federal Fluminense, 8. Recuperado em 12 abril, 2017, de http://www.excelenciaemgestao.org/portals/2/documents/cneg8/anais/t12_0517_2656.pdf.

Soto, F. R. M., et al. (2006). Proposta e análise crítica de um protocolo de inspeção e de condições sanitárias em supermercados do município de Ibiúna- SP. Revista Brasileira de Epidemiologia, São Paulo, 9 (2,) 235-241. Recuperado em 25 abril, 2017. doi: 10.1590/S1415-790X2006000200010

Valente, D., & Passos, A. D. C. (2004). Avaliação higiênico-sanitária e físico-estrutural dos supermercados de uma cidade do Sudeste do Brasil. Revista Brasileira de Epidemiologia, São Paulo, 7 (1), 80-87. doi: 10.1590/S1415-790X2004000100010.

Vidal-Martins, A. M. C., et al. (2014). Implantação e avaliação do programa de boas práticas de manipulação em açougues do Município de São José do Rio Preto – SP. Revista Brasileira de Higiene e Sanidade Animal, 8 (2), 73-86.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Magistra

ISSN 2236-4420 - versão on line