Desempenho do girassol submetido a um bioestimulante vegetal em duas épocas de semeadura e dois arranjos espaciais

Carlos Alan Couto dos Santos, Clovis Pereira Peixoto, Elvis Lima Vieira, Marcos Roberto da Silva, Igor Santos Bulhões, Everton Vieira de Carvalho, Maxuel Silva de Souza

Resumo


Resumo: Os reguladores de crescimento presentes no bioestimulante vegetal podem atuar como mediadores de processos fisiológicos e incrementar o crescimento e desenvolvimento vegetal. O objetivo deste trabalho foi avaliar através dos índices biométricos, Taxa de crescimento da cultura e Índice de área foliar, o desempenho de plantas de girassol sob a ação de um bioestimulantevegetal em duas épocas de semeadura e dois arranjos espaciais, em sistema de plantio direto.  Para realização do experimento foi utilizado um bioestimulante vegetal e o híbrido de girassol Hélio 250. As fontes de variação foram: T1 = plantas tratadas com o bioestimulante (pré-embebição de sementes + pulverização foliar), além do controle. T2 = duas épocas de semeadura e T3 = dois arranjos espaciais diferentes, em blocos casualizados com seis repetições.  Com base na massa seca e área foliar, foram determinadas as seguintes variáveis: índice de área foliar e taxa de crescimento da cultura.  A aplicação do bioestimulante vegetal em interação com a época e o arranjo espacial 1, promovem maior índice de área foliar e incrementa a taxa de crescimento da cultura em plantas de girassol.

Palavras chave: Helianthus annuus L., Reguladores de crescimento, Sistema Plantio Direto.


Texto completo:

PDF

Referências


Albrecht, L. P., Braccini, A. L., Ávila, M. R., Barbosa, M. C., RICCI, T. T., & Albrecht, A. J. P. (2009). Aplicação de biorregulador na produtividade do algodoeiro e qualidade de fibra. Scientia Agraria, Curitiba, 10 (3), 191-198.

Anzanello, R., Souza, P.V.D., & Coelho, P. F. (2012). Fenologia, exigência térmica e produtividade de videiras “niagra branca”, “niagra rosada” e concord” submetidas a duas safras por ciclo vegetativo. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, 34 (2), 366-376.

Anastasia E., Giannakoula, A. E., Ilias, I. F., Maksimovic, J. J. D., Maksimovic, V. M., & Zivanovi, B. D. (2012). The effects of plant growth regulators on growth, yield, and phenolic profile of lentil plants. Journal of Food Composition and Analysis, Amsterdam, 28 (1), 46-53.

Ashah, S. H., Ahmad, I., & Samiullah. (2007). Responses of Nigella sativa to foliar application of gibberellic acid and kinetin. Biologia Plantarum, Praha, 51 (3), 563-566.

Assis, R. L., & Lanças, K. P. (2005). Avaliação dos atributos físicos de um Nitossolo Vermelho distroférrico sob sistema plantio direto, preparo convencional e mata nativa. Revista Brasileira de Ciência de Solo, Campinas, 29, 515-522.

Banzatto, D. A., & Kronka, S. N. (2006). Experimentação agrícola (4 ed., 237p). Jaboticabal: FUNEP.

Benincasa, M. M. P. (2004). Análise de crescimento de plantas: noções básicas (41p). Jaboticabal: UNESP.

Braz, M. R. S., & Rossetto, C. A. V. (2009). Crescimento de plantas de girassol em função do vigor de aquênios e da densidade de semeadura. Ciência Rural, Santa Maria, 39 (7), 1989-1996.

Capone, A., Barros, H. B., Santos, E. R., Castro, E. F., Santos, A. F., & Fidelis, R. R. (2012). Efeito de épocas de semeadura de girassol na safrinha, em sucessão à soja no Cerrado Tocantinense. Revista Ceres, Viçosa, 59 (1), 102-109.

Castro, C., & Farias, J. R. B. (2005). Ecofisiologia do girassol. In: Campos Leite, R. V. et al. Girassol no Brasil (pp. 163-218). Londrina: CNPSo.

Castro, P. R. C., & Vieira, E. L. (2003). Ação de bioestimulante na cultura do feijoeiro. In: Fancelli, A. L., Dourado Neto, D. Feijão irrigado: tecnologia e produtividade (pp. 73-100). Piracicaba: ESALQ.

Cairo, P. A. R., Oliveira, L. E. M., & Mesquita, A. C. (2008). Análise de crescimento de plantas (72p). Vitória da Conquista: Edições UESB.

Correia, N. M., Durigan, J. C., & Klink, U. P. (2006). Influência do tipo e da quantidade de resíduos vegetais na emergência de plantas daninhas. Planta Daninha, Viçosa, 24 (2), 245-253.

Cruz, T. V., Peixoto, C. P., & Martins, M. C. (2010). Crescimento e produtividade de soja em diferentes épocas de semeadura no Oeste da Bahia. Scientia Agraria, Paraná, 11 (1), 33-42.

Leite, R. M. V. C., Brighenti, A. M., & Castro, C. (2005). Girassol no Brasil (609 p). Londrina: Embrapa Soja.

Lima, J. F., Peixoto. C. P., & Ledo, C. A. S. (2007). Índices fisiológicos e crescimento inicial de mamoeiro (Carica papaya L.) em casa de vegetação. Ciência e Agrotecnologia, Lavras, 31 (5), 1358-1363.

Machado, G. S., Peixoto, C. P., Silva, M. R., Cruz, T. V., & Passos, A. R. (2011). Crescimento de híbridos de girassol em sistema plantio direto no Recôncavo da Bahia. Enciclopédia Biosfera (vol.7, n. 13, pp. 276-28). Goiânia: Centro Científico Conhecer.

Magalhães, A. C. N. (1985). Análise quantitativa do crescimento. In: Ferri, M. G. Fisiologia vegetal (vol. 1, pp. 333-350). São Paulo: EPU.

Moterle, L. M., Santos, R. F., Braccini, A. L., Scapim, C. A., & Barbosa, M. C. (2008). Efeito da aplicação de biorregulador no desempenho agronômico e produtividade da soja. Acta Scientiarum Agronomy, Maringá, 30 (5), 701-709.

Peixoto, C. P., Cruz, T. V., & Peixoto, M. F. S. P. (2011). Análise quantitativa do crescimento de plantas: conceitos e prática. Enciclopédia Biosfera (vol.7, n.13, pp. 51-76). Goiânia: Centro Científico Conhecer.

Porto, W. S., Carvalho, C. G. P., & Pinto, R. J. B. (2007). Adaptabilidade e estabilidade como critérios para seleção de genótipos de girassol. Pesquisa Agropecuária Brasileira, 42 (4), 491-499.

Ramos, N. P., Galli, J. A., Amorim. E. P., Silva, M. R., & Martins, A. L. M. (2008). Semeadura do híbrido Lyra de mamona (Ricinus communis L.) sob plantio direto. Ciência e Agrotecnologia, Lavras, 32 (2), 481-486.

Santos, C. A. C., Vieira, E. L., Peixoto, C. P, Benjamim, D. A., & Santos, C. R. S. (2010). Crescimento inicial de maracujazeiro amarelo submetidas à giberelina. Comunicata Scientia, Bom Jesus, 1 (1), 29-34, 2010.

Santos, C. M. G., & Vieira, E. L. (2005). Efeito de bioestimulante na germinação de sementes, vigor de plântulas e crescimento inicial do algodoeiro. Magistra, Cruz das Almas, 17 (3), 124-130.

Silva, A. G., Pires, R., Morães, E. B., Oliveira, A. C. B., & Carvalho, C. G. P. (2009). Desempenho de híbridos de girassol em espaçamentos reduzidos. Semina: Ciências Agrárias, Londrina, 30 (1), 31-38, 2009.

Silveira, J. M., Castro, C., Mesquita, C. M., & Portugal, F. A. F. (2005). Semeadura e manejo da cultura do girassol. In: Leite, R. M. V. B. C., Brighenti, A. M., & Castro, C. Girassol no Brasil (pp. 375-409). Londrina: Embrapa Soja.

Ungaro, M. R. G. (2006). Potencial da cultura do girassol como fonte de matéria-prima para o programa nacional de produção e uso de biodiesel. In: Camara, G. M., Heiffig, L. S. (Ed.). Agronegócio de plantas oleaginosas: matérias-primas para o biodiesel (pp. 57-80). Piracicaba: ESALQ.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Magistra

ISSN 2236-4420 - versão on line