Parâmetros genéticos da germinação de sementes e emergência de plântulas em girassol

Leandro Gonçalves dos Santos, Ariana Lisboa Meira, Ana Paula Prado Barreto Públio, Hellen Thallyta Alves e Mendes, Ubiratan Oliveira Souza, Claudio Lúcio Fernandes Amaral

Resumo


O girassol (Helianthus annuus L.) é a quarta oleaginosa mais consumida em nível mundial. A hipótese foi comprovar diferença dos parâmetros genéticos entre os genótipos em estudo, objetivando estima-los na germinação de sementes e em emergência de plântulas de girassol quando submetidas ao teste de germinação e analisar os genótipos mais indicados para cultivos comerciais. O delineamento experimental adotado foi o inteiramente casualizado, com 12 tratamentos (M734(T), BRSG28, BRSG30, SYN034, SYN039, SYN042, SYN045, SY4065, V60415, V70153, HLA06270 e SEM822) e quatro repetições. Para comparação de médias, utilizou-se o teste Skott-Knot, a 5% de probabilidade. Os parâmetros avaliados foram: peso de 100 sementes (P100), umidade (UMID), percentual de germinação (PG), índice de velocidade de germinação (IVG), condutividade elétrica (CE), percentual de emergência (PE) e índice de velocidade de emergência (IVE). Exceto para umidade, foram analisadas os parâmetros genéticos. Sendo estimados, coeficiente de variação fenotípica (CVP), coeficiente de variação genotípica (CVG), coeficiente de variação ambiental (CVE), relação entre CVG e CVE (b), herdabilidade (h2) e ganho genético (GA). Os coeficientes de variação fenotípica e genotípica foram altos. O valor de b foi superior a um, inferindo que o fator genético destaca em relação ao ambiental. A herdabilidade oscilou de 84% (PG) a 99% (P100). Foi possível estimar ganhos genéticos de 28,77% para IVG; 26,40 para PG; 52,47% para IVE; 43,66% para PE; 31,78% para P100 e 35,73% para CE. Os genótipos M734(T), BRSG28 e BRS G30, são os indicados para cultivos comerciais.

 

Palavras chave: Variâncias, Seleção, Helianthus annuus.


Texto completo:

PDF

Referências


Amorim, E. P., Ramos, N. P., Ungaro, M. R. G., & Kiihl, T. A. M. (2008). Correlações e análise de trilha em girassol. Bragantia, Campinas, 67 (2), 307-316.

Aruah, B. C., Uguru, M. I., & Oyiga, B. C. (2012). Genetic variability and inter-relationship among some Nigerian Pumpkin accessions (Curcubita spp.). International Journal of Plant Breeding, 6 (1), 34-41.

Bacaxixi, P., Rodrigues, L.R., Bueno, C.E.M.S., Ricardo, H.A., Epiphanio, P.D., Silva, D.P., Barros, B.M.C., & Silva, T.F. (2011). Teste de germinação de girassol (Helianthus annuus L.) Revista Científica Eletrônica de Agronomia, 10 (20), 1-5.

Barbieri, A. P. P., Menezes, N. L., Conceição ,G. M., & Tunes, L. M. de. (2012). Teste de lixiviação de potássio para a avaliação do vigor de sementes de arroz. Revista Brasileira de Sementes, Londrina, 34 (1), 117-124.

Brasil. Ministério da Agricultura (2009). Regras para análises de aquênios. Brasília: Mapa/ACS.

Brasil. Ministério da Agricultura. (2005). Padrões para produção e comercialização de sementes de girassol: cultivares não híbridas (variedades). Brasília: Mapa/ACS.

Braz, M. R. S., Barros, C. S., & Rossetto, C. A. V. (2008). Teste de envelhecimento acelerado e deterioração controlada na avaliação do vigor de aquênios de girassol. Ciência Rural, Santa Maria, 38 (7), 1857-1863.

Caldeira, C. M., Carvalho, M. L. M., Oliveira, J. A., Coelho, S. V. B., & Kataoka, V. Y. (2014). Vigor de sementes de girassol pela análise computadorizada de plântulas. Científica, Jaboticabal, 42 (4), 346–353.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Centro Nacional de Pesquisa de Soja. (2010). Girassol. Londrina: Embrapa.

Lira, M. A., Chagas, M. C. M., Bristot, G., Dantas, J. A., & Lima, J. M. P. (2011). Avaliação das potencialidades da cultura do girassol, como alternativa de cultivo no semiárido Nordestino. Natal, RN: Emparn.

Fernández-Martinez, J. M., Velasco, L., & Pérezvich, B. (2008). Progress in the genetic modification of sunflower oil quality. Proceedings of the International Sunflower Conference, Cordoba,1-14, 17.

Machado, J. C. (2000). Patologia de sementes: significado e atribuições. In: N. M. Carvalho, & J. Nakagawa, Sementes: ciência, tecnologia e produção (p. 588). Jaboticabal: FUNEP.

Marcos Filho, J. (2005). Fisiologia de plantas cultivadas (495p). Piracicaba: FEALQ.

Moraes, M. T., Migliorini, P., Silva, V. R., Arnuti, F., & Zwirtes, A. (2012) Qualidade fisiológica de aquênios cultivado no norte do Rio Grande do Sul. Enciclopédia Biosfera (Vol.8, N. 14, pp.798-806). Goiânia.

Natikar, P., Kadurappa M., Kage U., & Motagi, B. N. (2013). Genetic variability studies in induced mutants of sunflower (Helianthus annuus L.). Plant Gene and Trait, 4 (16), 86-89.

Nawab, N. N., Subhani, G. M., Mahmood, K.,Shakil, Q., & Saeed, A. (2008). Genetic variability, correlation, path analysis studies in garden pea (Pisum sativum L.). Journal of Agricultural Research, 46 (4), 34-36.

Nobre, D. A. C., Costa, C. A. , Brandão Jr., D. S., Resende, J. C. F., & Silva Flávio, N. S. D. (2015). Qualidade das sementes de girassol de diferentes genótipos. Ciência Rural, Santa Maria, 45 (10), 1729-1735.

Oliveira, M. F., & Vieira, V. (2004). Extração de óleo de girassol utilizando miniprensa (Documentos, n.237, 30p). Londrina: Embrapa Soja.

Ramos, N. P., Novo, M. C. S. S., Lago, A. A., & Ungaro, M. R. G. (2009). Girassol: emergência e crescimento inicial de plantas sob resíduos de cana de açúcar. Ciência Rural, Santa Maria, 39 (1), 45-51.

Santos, C. A. C., Peixoto, C. P., Vieira, E. L., Carvalho, E. V., & Peixoto, V. A. B.(2013). Stimulate ® na germinação de sementes, emergência e vigor de plântulas de girassol. Bioscience Journal, 29 (3), 605-616.

Santos, R., Barros, H. B., Capone, A., Melo, A. V., Silva Cella, A. J., & Santos, W. R. (2012) Divergência genética entre genótipos de soja com base na qualidade de sementes. Revista Brasileira de Ciência Agrária, 7 (2), 247-254.

Santos, J. F., Peixoto, C. P., Almeida, J. A. R., Ribeiro L. O., & Santos, A. M. P. B. (2011). Qualidade Fisiológica de Sementes de Girassol (Helianthus annuus L). Enciclopédia Biosfera (Vol. 7, N.13, pp.910-915). Goiânia

Santos, G. A. & Zonetti, P. C. (2009) Influência da temperatura na germinação e desenvolvimento do girassol (Helianthus annuus L.). Inciação Científica CESUMAR, 11 (1), 23-27.

Safavi, S. A., Pourdad, S. S., Mohmmad Taeb, M., & Khosroshahli, M. (2010). Assessment of Genetic Variation among Safflower (Carthamus tinctorius L.) Accessions using Agro-morphological Traits and Molecular markers. Journal of Food Agriculture and Environment, Helsinki, 8 (3), 616-620.

Scheeren, B. R., Peske, S. T., Schuch, L. O. B., & Barros, A. C. A. (2010). Qualidade fisiológica e produtividade de sementes de soja. Revista Brasileira de Sementes, 32 (1), 35-41.

Silva, J. A. G., Schwertner, D. V., Kruger C. A. M. B., Carbonera, R., Maixner, A. R., Garcia, D. C., Crestani, M., Gaviraghi, F., Martins, J. A. K., & Matter E. (2011). Estimativas de herdabilidade e correlações para caracteres agronômicos em girassol. Revista Brasileira de Agrociência, Pelotas, 17 (1), 51-59.

Silveira, G., Carvalho, F. I., Oliveira, A. C., Valério, I. P., Benin, G., Ribeiro, G., Crestani, M., Luche, H. S., & Silva, J. A. G. (2010). Efeito da densidade de semeadura e potencial de afilhamento sobre a adaptabilidade e estabilidade de trigo. Bragantia, Campinas, 69 (1), 63-70.

Talamini, V., Almeida, N. Á., Lima, N. R. S., Silva. A. M. F., Carvalho, H. W. L., & Sousa, R. C. (2011). Avaliação da qualidade física, fisiológica e sanitária de sementes de girassol introduzidas para cultivo em Sergipe (Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento, n. 67, 20p).

Thomazin, A., & Martins, L. D. (2011). Qualidade física e fisiológica de sementes de girassol (Helianthus annuus L.) cultivar MG2 em condições de casa de vegetação e laboratório. Enciclopédia Biosfera, Goiânia, 7 (13), 1-9.

Vasconcelos, E. S., Reis, M. S., Sediyama, T., & Cruz, C. D. (2012). Estimativas de parâmetros genéticos da qualidade fisiológica de sementes de genótipos de soja produzidas em diferentes regiões de Minas Gerais. Semina: Ciências Agrárias, Londrina, 33 (1), 65-76.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Magistra

ISSN 2236-4420 - versão on line