Germinação de sementes de Mimosa flocculosa

Marilia Shibata, Luiz Gustavo Pavelski, Leticia Miranda, Luciana Magda de Oliveira

Resumo


A principal forma de avaliar a qualidade fisiológica das sementes é pelo teste de germinação,
porém é necessário o conhecimento das condições de temperatura e substrato ideais para cada espécie.
Objetivou-se avaliar o efeito da temperatura e do substrato sobre a germinação de sementes de Mimosa
flocculosa. As sementes foram previamente imersas em ácido sulfúrico por um minuto e desinfestadas em
hipoclorito de sódio (2%) por três minutos. Posteriormente, as sementes foram colocadas em câmaras de
germinação nos substratos papel ou areia na temperatura alternada 20-30 °C e nas temperaturas
constantes 20, 25, 30 e 35 °C. Avaliou-se a germinação diariamente até o 15° dia e, posteriormente,
calculou-se a porcentagem de germinação e o índice de velocidade de germinação (IVG). Não foram
observadas interações entre substrato e temperatura para a porcentagem de germinação e IVG. A
porcentagem de germinação foi semelhante em ambos os substratos testados e nas temperaturas 20-30,
20, 25 e 30 °C. A germinação foi mais rápida, quando as sementes foram postas no substrato areia e em
todas as temperaturas, exceto a 35 °C. Com isso, conclui-se que as temperaturas de 20, 25, 30 e 20-30 °C
e o substrato areia proporcionam melhores condições para a avaliação da qualidade fisiológica de sementes
de Mimosa flocculosa


Texto completo:

PDF

Referências


Alves, E. U. et al. (2002). Germinação de

sementes de Mimosa caesalpiniaefolia Benth. em

diferentes substratos e temperaturas. Revista

Brasileira de Sementes, 24 (1), 169-178.

Andrade, A. C. S. et al. (2000). Germinação de

sementes de jenipapo: temperatura, substrato e

morfologia do desenvolvimento pós-seminal.

Pesquisa Agropecuária Brasileira, 15 (3), 609-

Bewley, J. D., Bradford, K., Hilhorst, H., &

Nonogaki, H. (2013). Seeds: Physiology of

Development, Germination and Dormancy (392p).

New York: Springer.

Bita, C. E., & Gerats, T. (2013). Plant tolerance to

high temperature in a changing environment:

scientific fundamentals and production of heat

stress-tolerant crops. Frontiers in plant science, 4,

Brancalion, P. H. S., Novembre, A. D. L. C., &

Rodrigues, R. R. (2010). Temperatura ótima de

germinação de sementes de espécies arbóreas

brasileiras. Revista Brasileira de Sementes, 32

(4), 15-21.

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e

Abastecimento. (2009). Regras para análise de

sementes. Brasília: MAPA/ACS.

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e

Abastecimento. (2013). Instruções para análise

de sementes de espécies florestais. Brasília:

MAPA/ACS.

Carvalho, M. N., & Nakagawa, J. (2000).

Sementes: ciência, tecnologia e produção (4 ed.,

p). Jaboticabal: FUNEP.

Carvalho, P. E. R.(2002). Bracatinga de Campo

Mourão (Circular Técnica, n.61, 5p). Colombo:

Embrapa - CNPF.

Carvalho, P. E. R. (1994). Espécies florestais

brasileiras: recomendações silviculturais e uso da

madeira (639p). Colombo: Embrapa – CNPF.

Figliolia, M. B. (2015). Teste de germinação. In:

Piña-Rodrigues, F. C. M., Figliolia, M. B., & Silva,

A. Sementes Florestais Tropicais: da ecologia à

produção (pp. 325-343). Londrina: ABRATES. .

Fowler, J. A. P., & Carpanezzi, A. A. (1997).

Influência do tipo de substratos e de temperaturas

na germinação de sementes de juquiri (Mimosa

regnelii Benthan) (Comunicado Técnico, n.16, pp.

-2). Colombo: Embrapa - CNPF.

Fowler, J. A. P., & Carpanezzi, A. A. (1998).

Tecnologia de sementes de maricá Mimosa

bimucronata (DC) O. KTZE. Boletim de Pesquisa

Florestal, Curitiba, 36, 47-56.

Holanda, A. E. R., Medeiros Filho, S., & Diogo, I.

J. S. (2015). Influência da luz e temperatura na

germinação de sementes de sabiá (Mimosa

caesalpiniifolia Benth. - Fabaceae). Gaia Scientia,

(1), 22–27.

Marcos Filho, J. (2015). Fisiologia de sementes

de plantas cultivadas (659p). Londrina:

ABRATES.

Mondo, V. H. V. et al. (2008). Teste de

germinação de sementes de Parapiptadenia

rigida (Benth.) Brenan (Fabaceae). Revista

Brasileira de Sementes. 30 (2), 177-183.

Nogueira, N. W. et al. (2013). Diferentes

temperaturas e substratos para a germinação de

sementes de Mimosa caesalpiniifolia Benth.

Revista de Ciências Agrárias, (56) (2), 95-98.

Novembre, A. D. L. C. et al. (2007). Teste de

germinação de sementes de sansão-do-campo

(Mimosa caesalpiniaefolia Benth. – Fabaceae-

Mimosoideae) Revista Brasileira de Sementes. 29

(3), 47-51.

Oliveira, S. S. C. et al. (2012). Caracterização

morfométrica de sementes e plântulas e

germinação de Anadenanthera macrocarpa

(Benth.) Brenan. Ciência Florestal, Santa Maria,

(3), 643-653.

Passos, M. A., Tavares, K. M., & Alves, A.

R. (2007). Germinação de sementes de sabiá

(Mimosa caesalpiniifolia Benth.). Revista

Brasileira de Ciências Agrárias, Recife, 2 (1), 51-

Rocha, C. R. M. et al. (2014). Morfobiometria e

germinação de sementes de Parkia multijuga

Benth. Nativa: pesquisas agrárias e ambientais, 2

(1), 42-47.

Shibata, M., Pavelski, L. G., & Oliveira, L. M.

(2014). Avaliação da qualidade fisiológica de

sementes de Mimosa flocculosa de diferentes

colorações submetidas a tratamentos prégerminativos.

Revista de Ciências

Agroveterinárias, 12 (1), 40-46.

Silva, F. A. S., & Azevedo, C. A. V. (2002).

Versão do programa computacional Assistat para

o sistema operacional Windows. Revista

Brasileira de Produtos Agroindustriais, Campina

Grande, 4 (1), 71-78.

Stockman, A. L. et al. (2007). Sementes de ipêbranco

(Tabebuia roseo-alba (Ridl.) Sand. -

Bignoniaceae): temperatura e substrato para o

teste de germinação. Revista Brasileira de

Sementes. 29 (3), 139-143.

Zanon, A. (1992). Efeito da temperatura da água

na quebra de dormência de sementes de Mimosa

flocculosa Burkart. Boletim de Pesquisa Florestal,

(24/25), 67–70.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Magistra

ISSN 2236-4420 - versão on line