Biomonitoramento de um riacho na Serra da Jiboia (Bahia, Brasil) através de macroinvertebrados bentônicos

Jayane de Lima Santos, Adreani Araújo da Conceição, Carla Fernandes Macedo, Sergio Schwarz da Rocha

Resumo


Resumo: A saúde ecológica dos ecossistemas aquáticos continentais é um assunto em evidência em todo o mundo, devido à série de impactos antrópicos que estes ecossistemas vêm sofrendo. Os macroinverebrados bentônicos são bons bioindicadores de qualidade ambiental, pois expressam claramente as condições ecológicas dos ecossistemas aquáticos que habitam, podendo refletir seu estado de conservação ou degradação. O presente trabalho objetivou realizar a avaliação da qualidade do ambiente aquático de um riacho da Serra da Jibóia, localizado no município de Varzedo, Estado da Bahia. As coletas foram realizadas mensalmente, no período de dezembro de 2011 a novembro de 2012, em três pontos do riacho, nos quais se amostrou a macrofauna bentônica com o auxílio de uma rede D. A partir da identificação e contagem dos organismos amostrados foram calculados os índices bióticos BMWP’, ASPT, Riqueza e Diversidade de Shannon-Wiener. Ao todo foram amostrados 1.068 indivíduos, sendo 641 coletados no ponto 1, 291 no ponto 2 e 136 no ponto 3. Chironomidae foi o táxon mais abundante na amostra como um todo e a maior riqueza de famílias foi registrada no ponto 2. Os valores calculados para os índices de diversidade de Shannon-Wiener refletiram uma alta diversidade. O índice BMWP’ classificou o trecho estudado do riacho das Palmeiras como bom, com águas limpas, enquanto o ASPT considerou a água como de “qualidade duvidosa”. Os resultados obtidos pelas diferentes métricas demonstram que o trecho estudado do riacho das Palmeiras se encontra em bom estado de conservação.

Palavras chave: BMWP, ASPT, RPPN Guariru.


Texto completo:

PDF

Referências


Alba-Tercedor, J., & Sánchez-Ortega, A. (1988). Un método rápido y simple para evaluar la calidad biológica de las aguas corrientes basado en el de Hellawell (1978). Limnética, 4, 51-56.

Amorim, A. C. F., & Castillo, A. R. (2009). Macroinvertebrados bentônicos como bioindicadores da qualidade da água do baixo rio Perequê, Cubatão, São Paulo, Brasil. Biodiversidade Pampeana, 7 (1), 16-22.

Arango et al., (2008). Calidad del agua de las quebradas La Cristalina y La Risaralda, San Luis, Antioquia. Revista EIA - Escuela de Ingeniería de Antioquia, s/v (9), 121-141.

Bieger et al., (2010). Are the streams of the Sinos River basin of good water quality? Aquatic macroinvertebrates may answer the question. Brazilian Journal of Biology, 70 (4 suppl.), 1207-1215.

Blengini, I. A. D., Cintra, M. A. M. U., & Cunha, R. P. P. (Eds.). (2015). Proposta de Unidade de Conservação da Serra da Jiboia. Salvador, BA: Gambá.

Brigante et al., (2003). Comunidade de macroinvertebrados bentônicos no rio Mogi-Guaçu. In J. Brigante & E. L. G. Espíndola (Eds.), Limnologia fluvial: um estudo no rio Mogi-Guaçu (pp. 182-187). São Carlos: RIMA.

Carvalho, E. M., & Uieda, V. S., (2004). Colonização por macroinvertebrados bentônicos em substrato artificial e natural em um riacho de serra em Itatinga, São Paulo, Brasil. Revista Brasileira de Zoologia, 21 (2), 287-293.

Copatti, C. E et al., (2013). Bioassessment using benthic macroinvertebrates of the water quality in the Tigreiro river, Jacuí Basin. Acta Scientiarum, 35 (4), 521-529.

Cota et al., (2002). Rapid assessment of river water quality using an adapted BMWP index: a practical tool to evaluate ecosystem health. Verhandlungen des Internationalen Verein Limnologie, 28, 1-4.

Cortes, R., et al., (2002). Qualidade biológica dos ecossistemas fluviais. In: Moreira, I. et al., (Eds.), Ecossistemas Aquáticos e Ribeirinhos (pp. 3-26) Lisboa: Instituto da Água, Ministério das Cidades, Ordenamento do Território e Ambiente.

Costa, C., Ide, S., & Simonka, C. E. (Eds.). (2006). Insetos imaturos metamorfose e identificação. Ribeirão Preto, SP: Holos.

Costa, F. L. M., et al., (2006). Inventário da diversidade de macroinvertebrados bentônico no reservatório da estação ambiental de Peti, MG, Brasil. Neotropical Biology and Conservation, 1 (1), 17-23.

Costa Neto, E. (2007). O caranguejo-de-água-doce, Trichodactylus fluviatilis (Latreille, 1828) (Crustacea, Decapoda, Trichodactylidae), na concepção dos moradores do povoado de Pedra Branca, Bahia, Brasil. Biotemas, 20 (1), 59-68.

Czerniawska-Kusza, I. (2005). Comparing modified biological monitoring working party score system and several biological indices based on macroinvertebrates for water-quality assessment. Limnologica, 35, 169–176.

Ferreira, V., et al., (2004). Water quality in the Mondego river basin: pollution and habitat heterogeneity. Limnetica, 23 (3-4), 295-306.

Franchi, M., et al., (2011). Bioconcentration of Cd and Pb by the river crab Trichodactylus fluviatilis (Crustacea: Decapoda). Journal of the Brazilian Chemestry Society, 22 (2), 230-238.

Froehlich, C. G. (2007, Nov. 15). Guia on-line: Identificação de larvas de Insetos Aquáticos do Estado de São Paulo. Recuperado de http://sites.ffclrp.usp.br/aguadoce/guiaonline

Giuliatti, T. L., & Carvalho, E. M. (2009). Distribuição das assembleias de macroinvertebrados bentônicos em dois trechos do córrego Laranja Doce, Dourados/MS. Interbio, 3 (1), 4-14.

Goulart, M. D. C., & Callisto, M. (2003). Bioindicadores de qualidade de água como ferramenta em estudos de impacto ambiental. Revista da FAPAM, 2 (1), 78-85.

Hammer, O et al., (2001). Past: Palaeontological Statistics Software Package for Education and Data Analysis. Palaeontological Electronica, 4 (1), 1-9. Recuperado de http://palaeo-electronica.org/2001_1/past/past.pdf

Hepp, L. U., & Restello, R. M. (2007). Macroinvertebrados bentônicos como bioindicadores da qualidade das águas do Alto Uruguai Gaúcho. In: Zakrzevsi, S. B. B. (Ed.). Conservação e uso sustentável da água: múltiplos olhares (pp. 75-85). Erechim: Edifapes.

Instituto Ambiental do Paraná. (2007). Avaliação da qualidade da água através dos macroinvertebrados bentônicos – índice BMWP. Retrieved from http://www.meioambiente.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=91

Junqueira, M. V. et al., (2000). Biomonitoramento da qualidade das águas da Bacia do Alto Rio das Velhas. (MG/Brazil) através de macroinvertebrados. Acta Limnologica Brasiliensis, 12 (1), 73-87.

Junqueira, V. M., & Campos, S. C. M. (1998). Adaptation of the “BMWP” method for water quality evaluation to Rio das Velhas watershed (Minas Gerais, Brasil). Acta Limnologica Brasiliensis, 10 (2), 125-135.

Marques, M. G. S. M. et al., (1999). A comunidade de macroinvertebrados aquáticos e características limnológicas das lagoas cariocas e da Barra, Parque Estadual do Rio Doce, MG. Revista Brasileira de Biologia, 59 (2), 203-210.

Medina-Tafur, C. et al., (2010). El índice Biological Monitoring Working Party (BMWP), modificado y adaptado a tres microcuencas del Alto Chicama. Sciéndo, 13 (2), 1-15.

Melo, G. A. S. (Ed.). (2003). Manual de Identificação dos Crustacea Decapoda de água doce do Brasil. São Paulo, SP: Edições Loyola.

Monteiro, T. R. et al., (2008). Biomonitoramento da qualidade de água utilizando macroinvertebrados bentônicos: adaptação do

índice biótico BMWP’ à bacia do Rio Meia Ponte - GO. Oecologia Brasliensis, 12 (3), 553-563.

Moretti, M. S. (2004). Atlas de Identificação Rápida dos Principais Grupos de Macroinvertebrados Bentônicos Belo Horizonte: ICB/UFMG. Recuperado de http://labs.icb.ufmg.br/benthos/index_arquivos/pdfs_pagina/Curso%20Biomonitoramento/Arquivos/Atlas.pdf

Mugnai, R., et al., (Eds.). (2010). Manual de identificação de macroinvertebrados aquáticos do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, RJ: Technical Books.

Paisley, M. F., et al., (2013). Revision of the Biological Monitoring Working Party (BMWP) score system: derivation of present-only and abundance-related scores from field data. River Research and Applications, 30 (7), 887-904.

Payakka, A., & Prommi, T. (2013). The use of BMWP and ASPT biotic score as biological monitoring of streams in northern Thailand. Journal of Applied Sciences in Environmental Sanitation, 9 (1), 7-16.

Payakka, A., & Prommi, T. (2013). The use of BMWP and ASPT biotic score as biological monitoring of streams in northern Thailand. Journal of Applied Sciences in Environmental Sanitation, 9 (1), 7-16.

Paz, A., et al., (2008). Efetividade de áreas protegidas (APs) na conservação da qualidade das águas e biodiversidade aquática em sub-bacias de referência no rio das Velhas (MG). Neotropical Biology and Conservation, 3 (3), 149-158.

Remor, M. B., et al., (2014). Qualidade da água do rio das Pedras, oeste do Paraná, utilizando macroinvertebrados bentônicos como bioindicadores. Arquivos de Ciências Veterinárias e Zoologia da UNIPAR, 17(2), 121-129.

Ruaro, R., et al., (2010). Avaliação da qualidade da água do rio Clarito no município de Cascavel (PR), através do índice BMWP adaptado. SaBios: Revista de Saúde e Biologia, 5 (1), 5-12.

Silva, F. H., et al., (2011). Índices bióticos para avaliação da qualidade ambiental em trechos do rio Correntoso, Pantanal do Negro, Estado do Mato Grosso do Sul, Brasil. Acta Scientiarum, Biological Sciences, 33 (3), 289-299.

Silva, F. L., et al., (2009). Macroinvertebrados aquáticos do reservatório do rio Batalha para a captação das águas e abastecimento do município de Bauru, SP, Brasil. Ambiente & Água - An Interdisciplinary Journal of Applied Science, 4 (2), 66-74.

Silva, K. W. S., et al., (2016). Aplicação dos índices biológicos Biological Monitoring Working Party e Average Score per Taxon para avaliar a qualidade de água do rio Ouricuri no Município de Capanema, Estado do Pará, Brasil. Revista Pan-Amazônica de Saúde, 7 (3), 13-22.

Silva, T. R., et al., (2014a). Etnobiologia do caranguejo de água doce Trichodactylus fluviatilis Latreille, 1828 no povoado de Pedra Branca, Santa Teresinha, Bahia. Gaia Scientia, 8 (1), 51-64.

Silva, T. R. et al., (2014b). Relative growth, sexual dimorphism and morphometric maturity of Trichodactylus fluviatilis (Decapoda: Brachyura: Trichodactylidae) from Santa Terezinha, Bahia, Brazil. Zoologia, 31(1), 20–27.

Silveira, M. P., & Queiroz, J. F. (2006). Uso de Coletores com Substrato Artificial para Monitoramento Biológico de Qualidade de Água (Comunicado Técnico, n.39). Jaguariúna, SP: Embrapa Meio Ambiente. Recuperado de https://www.embrapa.br/busca-de-publicacoes/-/publicacao/15134/uso-de-coletores-com-substrato-artificial-para-monitoramento-biologico-de-qualidade-de-agua

Sterz, C., et al., (2011). Análise microbiológica e avaliação de macroinvertebrados bentônicos como bioindicadores da qualidade da água do Riacho Capivara, município de Mondaí, SC. Unoesc & Ciência-ACBS, 2 (1), 7-16.

Strahler, A. N. (1957). Quantitative analysis of watershed geomorphology. Transactions American Geophysical Union, 38(6), 913-920.

Strieder, M. N., et al., (2006). Medidas biológicas e índices de qualidade da água de uma microbacia com poluição urbana e de curtumes no Sul do Brasil. Acta Biologica Leopoldensia, 28 (1), 17-24.

Suriano, M. T., & Fonseca-Gessner, A. A. (2004). Chironomidae (Diptera) larvae in streams of Parque Estadual de Campos do Jordão, São Paulo state, Brazil. Acta Limnologica Brasiliensia, 16 (2), 129-136.

Thomazi, R. D., et al., (2008). A sucessão ecológica sazonal de macroinvertebrados bentônicos em diferentes tipos de atratores artificiais no rio Bubu, Cariacica, ES. Natureza online, 6 (1), 1-8.

Walley, W. J., & Hawkes, H. A. (1996). A computer-based reappraisal of the biological monitoring working party scores using data from the 1990 river quality survey of England and Wales. Water Research, 30 (9), 2086-2094.

Walley, W. J., & Hawkes, H. A. (1997). A computer-based development of the biological monitoring working party score system incorporating abundance rating, site type and indicator value. Water Research, 31 (2), 201-210.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Magistra

ISSN 2236-4420 - versão on line