Apifauna (Hymenoptera, Apoidea) em uma área de restinga arbórea-mata atlântica na costa atlântica do Nordeste do Brasil

Maise Silva, Mauro Ramalho, Cândida M. L. Aguiar, Marília Dantas e Silva

Resumo


Resumo: O trabalho apresenta resultados sobre riqueza e abundância de Apoidea em ambiente de
transição restinga-mata atlântica e compara as afinidades da apifauna entre habitats contíguos na faixa
litorânea no Nordeste do Brasil. As coletas foram realizadas no Parque Metropolitano de Pituaçu, Salvador-
Bahia (S12º59’52.7” W38º27’05.4”) e as abelhas foram capturadas em visita as flores em intervalos
semanais de outubro de 1997 a dezembro de 1998. Foram capturados 4700 indivíduos separados em 80
espécies e 35 gêneros. Foi observada maior abundância de abelhas nos meses de outubro e novembro de
1997 e entre fevereiro e abril de 1998. A família Apidae apresentou maior número de indivíduos (78,5%),
gêneros (78,9%) e espécies (80%). A família Halictidae foi a segunda mais abundante com 191 indivíduos
capturados (2,3%). As tribos com maior representatividade de indivíduos foram Meliponini (67,9%),
Centridini (11,3%), Euglossini (5%) e Xylocopini (3,6%). Aquelas com maior riqueza foram Centridini (17
spp; 21,2%), Meliponini (14 spp; 17,5%) e Euglossini (11 spp; 13,4%). A maior representatividade de Apidae
pode ser explicada pelo número de indivíduos de espécies eussociais, como Scaptotrigona tubiba (Smith,
1863) e Trigona spinipes (Fabricius, 1793). A alta riqueza de Centridini se relaciona com a qualidade do
habitat quanto a abundância de oferta de óleos florais. Onze espécies foram classificadas como dominante
e representaram 83% do total dos indivíduos: Trigona spinipes (32,7%), Scaptotrigona tubiba (29,2%),
Centris (Centris) aenea (4,4%), Xylocopa (Neoxylocopa) frontalis (2,9%), Apis mellifera (2,8%), Hylaeus sp.1
(2,4%), Euglossa (Euglossa) cordata Linnaeus, 1758 (2%), Eulaema (Apeulaema) nigrita (1,9%),
Nannotrigona punctata (1,9%), Centris (Centris) spilopoda (1,7%) e Centris (Trachina) fuscata (1,6%).
Doze espécies foram consideradas raras e o total de indivíduos amostrados variou de um a dois,
representando 15% das abelhas coletadas no Parque de Pituaçu e de uma forma geral a análise
comparativa sugere gradiente decrescente de diversidade da restinga arbórea para as dunas costeiras.
Palavras chave: Abelhas, Riqueza, Abundância.


Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, C. M. L. ; MARTINS, C. F. Abundância

relativa, diversidade e fenologia de abelhas

(Hymenoptera, Apoidea) na Caatinga, São João

do Cariri, Paraíba, Brasil. Iheringia. Serie

Zoologia v. 83, p. 151-163. 1997.

ALBUQUERQUE, P. M. C. de. Abelhas

silvestres (Hymenoptera, Apoidea) e suas

fontes de alimento do ecossistema de dunas,

da ilha do Maranhão. 1998. 208 f. Tese

(Doutorado) - Faculdade de Filosofia, Ciências e

letras de Ribeirão Preto, São Paulo. 1998.

______. CAMARGO, J. M. F., MENDONÇA, J. A.

C. Bee Community of a Beach Dune Ecosystem

on Maranhão Island, Brazil. Brazilian Archives

of Biology and Technology. v. 50, n.6 ,p.1005-

2007.

BATISTA, M.A., RAMALHO, M. & SOARES,

A.E.E. Nesting sites and abundance of Meliponini

(HYmenopetra: Apidae) in heterogeneous habitats

of Atlantic Rain Forest, Bahia, Brazil. Lundiana,

v. 4, n.1, p.19-23. 2003.

CARR, M.R. PRIMER user manual (Plymouth

Routines in Multivariate Ecological Research

(software). Plymouth, UK. p. 30. 1996.

CHAO, A. Species estimation and applications. In:

Kotz S, Balakrishnan N, Read CB, Vidakovic B

(eds). Encyclopedia of Statistical Sciences,

nd edn. New York: Wiley, p.7907-16. 2005.

CONDER. Avaliação dos Impactos Ambientais

Decorrentes da Implantação do Plano Diretor

do Campus Pituaçu. Salvador-Ba. p. 205. 1992.

CEI. Centro de Estatística e

informação/Companhia de Desenvolvimento da

Região Metropolitana do Salvador. Informação

básica sobre os municípios baianos: Região

Metropolitana de Salvador. p.267. 1994.

COSTA, C.B.N., COSTA, J.A.S & RAMALHO, M.

Biologia reprodutiva de espéceis simpátricas de

Malpighiaceae em dunas costeiras da Bahia,

Brasil. Revista Brasileira de Botanica, v. 29,

n.1, p.103-114. 2006.

GAGLIANONE, M.C. Abelhas da tribo Centridini

na Estação Ecológica de Jataí (Luís Antônio, SP):

composição de espécies e interações com flores

de Malpighiaceae. In: G.A.R.Melo & I.Alves-dos-

Santos, Apoidea Neotropica: Homenagem aos

anos de Jesus Santiago Moure. Editora

UNESC. p. 279-284. 2003.

GOTTESBERGER, G., CAMARGO, J. M.F. &

SILBERBAUER-GOTTSBERGER, I. A beepollinated

tropical community: The beach dune

vegetation of ilha de São Luís, Maranhão, Brazil.

Botanische Jahrbücher fur Systematik,

Pflanzengeschichte und Pflanzengeographie,,

v.109, n.4, p.469-500. 1988.

KATO, M. M. T. & YAMASHITA, Z. Associative

ecology of insects found in the paddy field

cultivated by various planting forms. The

Sciences Reports of the Tohoku University,

th Series (Biology), v.19, p. 291-301. 1952.

KLEINERT, A. M. P., RAMALHO, M., LAURINO,

M. C., M.F.R., FONSECA, V. L. I. . Social bees

(Bombini, Apini, Meliponini). In: Panizzi, A.R. &

Parra, J.R.P. (eds).. (Org.). Bioecology and

Insect Nutrition for Integrated Pest

Management.. 1. ed. Boca Raton, Florida: CRC

Press/Taylor & Francis Group LLC, p. 237-271.

MADEIRA-DA-SILVA, M. C. & MARTINS, C.F.Abelhas (Hymenoptera, Apoidea, Apiformes) de

uma área de restinga, Paraíba, nordeste do

Brasil: Abundância, diversidade e sazonalidade.

Revista Nordestina de Biologia, v.17, n.1/2, p.

-90. 2003.

MARTINS, C. F. Comunidade de abelhas (Hym.,

Apoidea) da Caatinga e do Cerrado com

elementos de campos rupestres do estado da

Bahia, Brasil. Revista Nordestina de Biologia,

v.9, n.2, p.225-257. 1994.

MEDEIROS, P.C.R. & SCHLINDWEIN, C.

Territórios de machos, acasalamento, distribuição

e relação com plantas em Protomeliturga turnerae

(Ducke, 1907) (Hymenoptera, Andrenidae).

Revista Brasileira De Entomologia, v.47, n.4,

p.589-596. 2003.

MONTEIRO, D. ; RAMALHO, M. Abelhas

Generalistas (Meliponini) e o Sucesso

Reprodutivo de Stryphnodendron pulcherrimum

(Fabales: Mimosaceae) com Florada em Massa

na Mata Atlântica, BA. Neotropical Entomology,

v.39,n. 4, p.519-526, 2010.

NOGUEIRA NETO, P. Vida e criação de

abelhas indígenas sem ferrão. São Paulo:

Nogueirapis, p.445, 1997.

OLIVEIRA, F..S., MENDONÇA, M. W. A.,

VIDIGAL, M.C. S., RÊGO, M.M. C. &

ALBUQUERQUE, P. M. C. 2010. Comunidade de

abelhas (Hymenoptera, Apoidea) em ecossistema

de dunas na Praia de Panaquatira, São José de

Ribamar, Maranhão, Brasil. Revista Brasileira de

Entomologia, v.54,n.1, p. 82–90.

PEDRO, S.R. M. ; CAMARGO, J.M.F. Interaction

on floral resources between the Africanized honey

bee Apis mellifera L. and the native bee

community (Hymenoptera:Apoidea) in: Natural

“cerrado” ecosysrem in southeast Brazil.

Apidologie, v.22, p.397-415. 1991.

PIELOU, E.C. Ecological diversity. New York:

John Wiley and Sons. p.165, 1975.

PINHEIRO-MACHADO,C., ALVES-DOSSANTOS,

I., IMPERATRIZ-FONSECA,V.L.,

KLEINERT, A.M.P. & SILVEIRA, F.A. Brazilian

bees surveys: state of knowledge, conservation

and sustainable use. In: Peter G. Kevan & Vera L.

Imperatriz-Fonseca, eds. Pollinating bees: The

conservation link between agriculture and

nature. Ministério da Agricultura. Brasília. p.115-

, 2002.

RAMALHO, M. The stingless bees and the massflowering

trees in the canopy of Atlantic rainforest:

a tight relationship?. Acta Botanica Brasilica,

v.18, n.1, p.37-47, 2004.

RAMALHO, M. & SILVA, M. Flora oleífera e sua

guilda de abelhas em uma comunidade de

restinga tropical. Sitientibus, v.2, p.130-138,

REBÊLO, J. M. M. Espécies de Anthophoridae

(Hymenoptera, Apoidea) e sua associação com

flores, numa área da ilha de São Luís do

Maranhão-Brasil. Boletim do Museu

Paraense Emílio Goeldi, Série Zoologia, v.11,

n.2, p. 105-124, 1995.

ROSA, J. F. ; RAMALHO, M. 2011. The spatial

dynamics of diversity in Centridini bees: the

abundance of oil-producing flowers as a measure

of habitat quality. Apidologie, v.42, n.5, p.669-

ROULSTON, T. H. ; GOODELL, K. The Role of

Resources and Risks in Regulating Wild Bee

Populations. Annual Review of Entomology,

v.56, p.293–312, 2011.

SAKAGAMI, S. F., ; MATASUMURA, T. Relative

abundance, phenology and flower preference of

andrenid bees in Sapporo, north Japan

(Hymenoptera, Apoidea). Japanese Journal of

Ecology,v.6, n.17, p. 237-250, 1967.

______;LAROCA, S. & MOURE, J.S. Wild bee

Biocoenotics in São José dos Pinhais (PR) South

Brazil. Preliminary Report. Journal of

the Faculty of Science, Hokkaido University,

v.16, p. 253-291, 1967.

SEMA. Parque Metropolitano de Pituaçu-

Histórico. Disponível em:

px?s=PMPHISTO&p=PITUACU>. Acesso em: 24

maio 2012.

SILVEIRA, F. A.; CAMPOS, M.S. O. A

Melissofauna de Corumbataí (SP) e Paraopeba

(MG) e uma análise da biogeografia das abelhas

do cerrado brasileiro (Hymenoptera, Apoidea).

Revista Brasileira de Entomologia, v. 39, n.2,

p.371-401, 1995.

SIQUEIRA, K.M.M., Kiill, L.H.P., Martins, C.F. &

Silva, L.T.. Ecologia da polinização de Psidium

guajava L. (Myrtaceae): riqueza, frequência e

horário de atividades de visitante sflorais em um

sistema agrícola. Magistra, v. 24, p.150-157,

VIANA, B.F. & ALVES-DOS-SANTOS, I. Bees

diversity of the Coastal sand dunes of Brazil. In:

Peter G. Kevan & Vera L. Imperatriz-Fonseca,

eds. Pollinating bees: The conservation link

between agriculture and nature. Ministério da

Agricultura. Brasília. p.135-153, 2002.

VIANA, B.F. & KLEINERT, A.M.P. A community of

flower-visiting bees (Hymenoptera:Apoidea) in the

coastal sand dunes of northeastern Brazil. Biota

Neotropical, v.5, n.2, p.1-13, 2005.

VIANA, B.F., MELO, A.M.C & DRUMMOND, P.D.

Variação na estrutura do habitat afetando a

composição de abelhas e vespas solitárias em

remanescentes florestais urbanos de Mata

Atlântica no nordeste do Brasil. Sitientibus, v. 6,

n.4, p. 282-295, 2006.

WILMS, W. IMPERATRIZ-FONSECA, V.L. &

ENGELS, W. Resource partitioning between

highly eusocial bees and possible impact of the

introduced africanized honey bee on native

stingless bees in the brazilian Atlantic Rainforest.

Studies on Neotropical Fauna

and Environment, v.31, p.137-151, 1996.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Magistra

ISSN 2236-4420 - versão on line