Avaliação de técnicas agrícolas e do uso sustentável do solo em assentamentos estaduais no município de Iguatu-CE

Francisco Éder Rodrigues de Oliveira, Ana Lúcia Monteiro de Sousa, Naiara Sâmia de Caldas Izídio, Monikuelly Mourato Pereira, Cícera Talline Lopes de Holanda

Resumo


Resumo: A sustentabilidade agrícola é de grande importância para fixar os camponeses em suas áreas e
valorizar a agricultura familiar, com isso o objetivo desse trabalho foi avaliar o uso de técnicas no manejo do
solo e a sustentabilidade agrícola em assentamentos estaduais Aracaju e Barra no município de Iguatu-CE.
O levantamento dos dados foi realizado através de questionários semiestruturados de caráter qualitativo e
quantitativo realizados junto aos assentados. Entre as variáveis analisadas esta à utilização da prática de
análise de solo pelos assentados, onde 25% dos entrevistados declaram realizar esta prática
periodicamente, outro foi o uso de agroquímicos e utilização dos Equipamentos de Proteção Individual
(EPI’s) pelos assentados, tendo somente 25% dos entrevistados relatado não fazerem uso de agroquímicos
na lavoura, e 100% dos assentados declaram fazer uso parcial ou não fazerem uso de nenhum EPI. Os
moradores dos dois assentamentos analisados não fazem uso sustentável do solo em suas áreas. A análise
química do solo é uma técnica agrícola pouco difundida nos dois assentamentos. O uso total dos
equipamentos de proteção individual (EPI’s) não é feito por nenhum dos assentados. Somente 25% dos
assentados do Barra não fazem práticas conservacionistas do solo em suas áreas.


Palavra chave: Manejo, Sustentabilidade, Agroquímicos.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, R.A.C.S.; VEIGA, M.M. Processo de

trabalho rural e EPI’s: discussão sobre

termorregulação corporal. Revista P&D em

Engenharia de Produção, v. 8, n. 2, p. 29-39,

ARRAES, F.D.D. et al. Estimativa do balanço

hídrico para as condições climáticas Iguatu,

Ceará, usando modelo estocástico. Revista

Brasileira de Agricultura Irrigada v. 3, n. 2, p.

–87, 2009.

ERASMO, E.A.L. et al. Avaliação de cultivares de

amaranto (Amaranthus spp.) em sistema plantio

direto no sul de Tocantins. Bioscience Journal,

Uberlândia, v. 20, n. 1, p. 171-176, 2004.

FREITAS, J.P. et al. Análise do uso e ocupação

do solo no assentamento Santo Antônio no

município de Cajazeiras-PB. Revista Eletrônica

do curso de Geografia – campus Jataí – UFG.

Jataí, v. 4, n.18, p.100-117, 2012.

GOMES, E.G. et al. Análise de envoltória de

dados para avaliação de eficiência e

caracterização de tipologias em agricultura: um

estudo de caso. Revista de Economia

e Sociologia Rural, v. 43, n. 4, p. 607-631. 2005.

GREGOLIS, T.B.L.; et al. Percepção de riscos do

uso de agrotóxicos por trabalhadores da

agricultura familiar do município de Rio Branco,

AC. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional,

v. 37, n.125, p. 99-113, 2012.

LOPES, F.B. et al. Indicadores de

sustentabilidade da bacia hidrográfica do riacho

Faé, Ceará, a partir de análise multivariada.

Revista Caatinga, Mossoró, v. 23, n. 3, p. 84-92,

LUTZENBERGER, J.A.: O absurdo da

agricultura moderna, Porto Alegre, 2002.

MAGALHÃES. W. O grau de conhecimento dos

trabalhadores sobre os riscos na agricultura.

Thesis, São Paulo, v. 3, n. 15, p. 93-105, 2011.

MEIRELES, A.C.M. et al. Sustentabilidade do

modelo agrícola da bacia do riacho Faé. Revista

Ciência Agronômica, v.42, n.1, p. 84-91, 2011.

MONQUERO, P.A. et al. Levantamento de

agrotóxicos e utilização de equipamento de

proteção individual entre os agricultores da região

de Araras. Arq. Instituto. Biologia. São Paulo,

v.76, n.1, p.135-139, 2009.

PERES, F.; MOREIRA, J.C. Saúde e ambiente

em sua relação com o consumo de agrotóxicos

em um pólo agrícola do Estado do Rio de Janeiro,

Brasil. Caderno Saúde Pública, Rio de Janeiro,

v. 23, n. 4, p. 612-621, 2007.

RAIJ, B. et al. Recomendações de adubação e

calagem para o Estado de São Paulo.

Campinas: Instituto Agronômico, 1985, 107p.

RODRIGUES, J.F.; SOUSA, A.C. O problema da

sustentabilidade da agricultura em assentamentos

de reforma agrária da região de Mossoró-RN.

Revista Expressão. Mossoró, v. 32, n. 1 e 2, p

–73, 2002.

SECRETARIA DOS RECURSOS HÍDRICOS.

Práticas de manejo e conservação de solo e água

no semiárido do Ceará. Cartilhas temáticas

tecnologias e práticas hidroambientais para

convivência com o Semiárido, 2010, 37 p.

SILVA, B.C.D. et al. Diagnóstico sócio-produtivo

dos agricultores familiares cooperados à

cooperativa da agricultora familiar do território do

recôncavo da Bahia – COOAFATRE. Magistra,

Cruz das Almas-BA, v. 24, n. 2, p. 151-159, 2012.

Disponível em:

http://www.magistraonline.ufrb.edu.br/index.php/m

agistra/index>

SILVA, M.N.C.; JESUS, P. Influência do cognitivo

na produção de competências em processo de

desenvolvimento local sustentável – o caso de

Granjeiro, CE. Magistra, Cruz das Almas-BA, v.

, n. 1, p. 56-67, 2008.

SOUZA, P.M.; Lima, J. E. A Distribuição da Terra

no Brasil e nas Unidades da Federação,

95/96. Revista Econômica do Nordeste,

Fortaleza, v. 34, n. 1, p. 113-132, 2003.

VICENTE, M.C.M. et al. Perfil do aplicador de

agrotóxicos na agricultura paulista. Informações

Econômicas, São Paulo, v.28, n.11, p. 35- 61,


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Magistra

ISSN 2236-4420 - versão on line