Levantamento da vegetação arbórea em praças no município de Itapuranga-GO

Andréia Oliveira da Silva, Milena Lemos Alves, Sabrina do Couto de Miranda

Resumo


Resumo: Este trabalho objetivou analisar a composição florística da vegetação lenhosa presente em dez
praças do município de Itapuranga-GO. Foram amostrados indivíduos lenhosos com diâmetro da base ≥ 5
cm. A altura foi considerada da base do tronco até o ramo mais alto ou folhagem. Foram catalogados 298
indivíduos, 29 espécies e 13 famílias. As famílias Fabaceae, Myrtaceae e Bignoniaceae se destacaram em
número de indivíduos com, respectivamente, 38%, 30% e 12% do total. A espécie mais frequente foi
Caesalpinia pluviosa que ocorreu em seis das dez praças, com 99 indivíduos. De modo geral, as árvores
foram classificadas como de grande porte, altura média de 10,5 m. Das espécies amostradas 62% são
exóticas e 38% nativas. O levantamento florístico revelou alta representatividade de apenas uma espécie na
arborização das praças da cidade, o que sugere melhor planejamento para futuros manejos.


Palavras chave: Vegetação urbana, Planejamento, Diversidade


Texto completo:

PDF

Referências


The Angiosperm Phylogeny Group III (2009). An

update of the Angiosperm Phylogeny Group

classification for the orders and families of

flowering plants: APG III. Botanical Journal of the

Linnean Society, 161 (2), 105-121.

Carneiro, A. R. S.; Silva, A. F. & Girão, P. A.

(2004). Os espaços verdes na História do Recife.

Paisagem Ambiente: ensaios, (19), 67-82.

Companhia Energética de Minas Gerais. (2011).

Manual de arborização. Belo Horizonte: Fundação

Biodiversitas.

Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia.

(2002). Guia de arborização urbana. Salvador-

Bahia.

Costa Jr., C. L. & Figueiredo, E. (2003). A

emigração em Itapuranga nas décadas de 1980 e

Monografia de Graduação, Universidade

Estadual de Goiás, Itapuranga, Goiás, Brasil..

Costa e Lima, R. M. & Silva Jr., M. C. (2010).

Inventário da arborização urbana implantada na

década de 60 no Plano Piloto, Brasília, DF.

Revista Brasileira de Arborização Urbana,

Piracicaba, SP, 5 (4), 110-127.

Felfili, J. M. & R. P. Rezende. (2003). Conceitos e

métodos em fitossociologia. Universidade de

Brasília, Departamento de Engenharia Florestal.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

Cidades @. Recuperado em 16 de outubro de

de http:

//http://www.ibge.gov.br/cidadesat/topwindow.htm

?1so.

Kent, M. & P. Coker. (1992). Vegetation

description and analysis: a practical approach.

Belhaven Press: London. 363.

Kovach, W. L. (1993). MVSP – Multivariate

Statistical Package, version 3.1. Kovach

Computing Services, Pentraeth.

Kuhlmann, M. (2012). Frutos e sementes do

Cerrado atrativos para a fauna: guia de campo.

Rede de Sementes do Cerrado.

Lorenzi, H. (2008). Árvores brasileiras: manual de

identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas

do Brasil. (5.ed.) Nova Odessa: Instituto

Plantarum.

Lorenzi, H. & H. M. Souza. (2008). Plantas

Ornamentais no Brasil: arbustivas, herbáceas e

trepadeiras. (4.ed.), Nova Odessa, SP: Instituto

Plantarum.

Magurran, A. E. & B. J. Mcgill. (2011). Biological

Diversity: frontiers in measurement and

assessment (345p.). Oxford University Press.

Matos, E. & L. P. de Queiroz. (2009). Árvores

para cidades. Salvador: Solisluna.

Mendonça, R. C., J. M. Felfili, B. M. T. Walter, M.

C. Silva Jr, A. V. Rezende, T. S. Filgueira, & P. E.

Nogueira. Flora vascular do Cerrado. In: Sano, S.

M., S. P. Almeida, & J. F. Ribeiro (Eds.). (2008).

Cerrado: ecologia e flora. Embrapa Cerrados.

Brasília-DF.

Milano, M. S. & Dalcin, E. C. (2000). Arborização

de vias públicas. (226p.). Rio de Janeiro, RJ:

Light.

Miranda, S. C., Silva Jr., M. C. & De-Carvalho, P.

S. (2010). A vegetação lenhosa de cerrado típico

sobre Cambissolo na Serra Dourada, Goiás.

Heringeriana, 4 (1), 65-77.

Pivetta, K. F. L. & Silva-Filho, D. F. (2002).

Arborização urbana. Boletim Acadêmico. (Série

Arborização Urbana). Jaboticabal:

UNESP/FCAV/FUNEP.

Salomão, A. N., Sousa-Silva, J. C., Davide, A. C.,

Gonzáles, S., Torres, R. A. A., Wetzel, M. M. V.

S., Firetti, F. & Caldas, L. S. (2003). Germinação

de Sementes e Produção de Mudas de Plantas

do Cerrado. Rede de Sementes do Cerrado,

Brasília, 96.

Shams, J. C. A., Giacomeli D. C., & Sucomine, N.

M. (2009). Emprego da arborização na melhoria

do conforto térmico nos espaços livres públicos.

Revista da Sociedade Brasileira de Arborização

Urbana, Piracicaba, SP, 4 (4), 1-16.

Silva, G. C., Lopes, W. G. R & Lopes, J. B.

(2011). Evolução, mudanças de uso e

apropriação de espaços públicos em áreas

centrais urbanas. Ambiente Construído, Porto

Alegre.

SIlva, N. C. (2010, setembro). Diagnóstico da

Arborização de Praças Município de Anápolis,

GO. Anais do Simpósio Nacional de Ciência e

Meio Ambiente, Anápolis, GO, 1.

Silva Jr., M. C. & Costa e Lima R. M. (2010). 100

Árvores Urbanas Brasília: Guia de campo.

Brasília: Rede de Sementes do Cerrado.

Silva Jr., M. C. & Silva, A. F. (1988). Distribuição

dos diâmetros dos troncos das espécies mais

importantes do cerrado na Estação Florestal de

Experimentação de Paraopeba (EFLEX)-MG.

Acta Botânica Brasílica, 2 (1-2), 107-126.

Silva Jr., M. C., Soares-Silva, L. H., Cordeiro, A.

O. O. & Munhoz, C. B. R. (2014). Guia do

observador de árvores: tronco, copa e folha.

Brasília: Rede de Sementes do Cerrado.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Magistra

ISSN 2236-4420 - versão on line