Propriedades da madeira e do carvão vegetal de Eucalyptus sp. cultivados na região do Recôncavo da Bahia

Clair Rogério da Cruz, Renan Silva Ferreira, José Mauro Almeida

Resumo


Resumo: Uma das opções disponíveis para atender a demanda de matéria-prima para o consumo
doméstico e para as indústrias de madeira serrada e de energia de algumas regiões do estado da Bahia é a
utilização da madeira e do carvão vegetal de Eucalyptus sp. Dessa forma, o presente trabalho teve como
objetivo avaliar a qualidade da madeira e do carvão vegetal de Eucalyptus sp. plantados em 1964 e
cultivado no campus da UFRB no município de Cruz das Almas – BA. Para isso, utilizaram-se cinco árvores
que foram amostradas em cinco pontos distribuídos sistematicamente no tronco para a determinação da
densidade básica, contrações tangencial, radial e coeficiente de anisotropia. Para a produção do carvão
foram retiradas toras de 50 cm próximas à base das árvores. O processo de pirólise foi conduzido na
temperatura máxima de 450O C. Foram determinados o rendimento gravimétrico, densidade relativa
aparente e análise química imediata do carvão. A madeira possui densidade básica média de 0,750 g/cm³, a
média das contrações tangenciais foi de 8,87% e a média das contrações radiais foi de 8,40%, resultando
em um coeficiente de anisotropia médio de 1,06. O rendimento gravimétrico da produção do carvão foi de
29%, a densidade relativa aparente foi de 0,470 g/cm3, o rendimento de licor pirolenhoso foi de 45% e o de
alcatrão foi de 7%. O teor de cinzas foi de 1,33%, o teor de materiais voláteis foi de 20,54% e o carbono fixo
médio foi de 78,13%. Existe uma forte correlação entre o rendimento em alcatrão e a umidade da madeira.
Teores de cinzas e de materiais voláteis exibiram correlações inversas com o teor de carbono fixo.
Correlação inversa foi observada entre as contrações na madeira e o rendimento gravimétrico. A densidade
básica da madeira possui correlações intermediárias com rendimento gravimétrico. Tanto a madeira quanto
o carvão produzido possuem boas características para utilização como energia e/ou madeira serrada.


Palavras chave: Carvão vegetal, Eucalipto, Propriedades da madeira.


Texto completo:

PDF

Referências


Associação Brasileira d Normas Técnicas

(1997). NBR 7190 Projeto de Estruturas de

Madeiras. Comissão de Estudo de Estruturas

de Madeiras. Rio de Janeiro, Brasil.107.

Associação Brasileira de Normas Técnicas

(1983). NBR 8112/83 – Carvão vegetal– análise

imediata (6p.).

American Society For Testing and Materials.

(1997). Annual book of ASTM). Denvers,

p. D 143 – 94. Standards methods of

testing small, clear specimens of timber,

(pp.23-53).

Batista, D. C., klitzke, R. J. & Santos, C. V. T.

(2010). Densidade básica e retratibilidade da

madeira de clones de três espécies de

Eucalyptus. Ciência Florestal, Santa Maria, 20 (4),

-674.

Botrel, M.C.G., Trugilho, P.F., Rosado, S.C.S. &

Silva, J.R.M. (2007). Melhoramento genético das

propriedades do carvão vegetal de Eucalyptus.

Revista Árvore, 31 (3), 391-398.

Brito, J O. & Barrichelo, L E. (1977). Correlações

entre características físicas e químicas da

madeira e a produção do carvão vegetal: I.

densidade e teor de lignina da madeira de

Eucalipto (n.14, pp. 09-20). IPEF.

Carmo, J. S. (1988) Propriedades Físicas e

Químicas do Carvão Vegetal Destinado a

Siderurgia e Metalurgia. Monografia de

Graduação, Universidade Federal de Viçosa,

Viçosa, MG, Brasil.

Chaves, M. D. (2007). Gaseificação de materiais

lignocelulósicos para geração de energia elétrica

(51f). Dissertação de Mestrado, Universidade

Federal de Lavras, Lavras, MG, Brasil.

Cotta, A. M. G. (1996) Qualidade do carvão

vegetal para siderurgia. Monografia de

Graduação, Universidade Federal de Viçosa,

Viçosa, MG, Brasil.

Ferreira, D. F. (2011). Sisvar: a computer

statistical analysis system. Ciência e

Agrotecnologia, 35 (6), 1039-1042.

Lemos A. L. F., Garcia R. A., Lopes J. O.

Carvalho A. M. & Latorraca J. V. F. (2012).

Madeira de Corymbia citriodora (Hook.) K.D. Hill

& L.A.S. Johnson sob aspectos físicos e anatômicos como fatores qualitativos. Floresta e

Ambiente, 19 (1), 1-8.

Oliveira, J. T. S. Tomazello Filho, M. E & Fiedler,

N. C. (2010). Avaliação da retratibilidade da

madeira de sete espécies de Eucalyptus. Revista

Árvore, Viçosa, Minas Gerais, 34 (5), 929-936.

Oliveira, E. de (1988). Correlação entre

parâmetros de qualidade da madeira e do carvão

de Eucalyptus grandis (W. Hill ex- Maiden (47f.)

Dissertação de Mestrado, Universidade Federal

de Viçosa, Viçosa, MG, Brasil.

Santos, R. C., Carneiro, A. C. O. Castro, A. F. M.

Castro, R. V. O. Bianche, J. J. Souza, M. M. &

Cardoso, M. T. (2011). Correlações entre os

parâmetros de qualidade da madeira e do carvão

vegetal de clones de eucalipto. Scientia

Forestalis, Piracicaba, 39 (90), 221-230.

Santos, R. C., Carneiro, A. C. O., Trugilho, P. F.

,Mendes, L. M. & Carvalho, A. M. M. L. (2012)

Análise termogravimétrica em clones de

eucalipto como subsídio para a produção de

carvão vegetal. Cerne, Lavras, Minas Gerais,18

(1), 143-151.

Silva, J. R. M. (2002). Relações da usinabilidade

e aderência do verniz com as propriedades

fundamentais do Eucalyptus grandis Hill ex.

Maiden (179f.). Tese de Doutorado, Universidade

Federal do Paraná, Curitiba, PR, Brasil.

Thibau, C.E. (2000). Produção sustentada em

florestas: Conceitos e tecnologias biomassa

energética pesquisas e constatações (511p.).

Belo Horizonte: Escriba Editora Gráfica.

Vital, B.R. (1984). Métodos de determinação

da densidade da madeira. (Boletim técnico,

p). Viçosa, SIF.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Magistra

ISSN 2236-4420 - versão on line