Caracterização fisiológica de sementes de melão durante o armazenamento

Pedro Ramon Manhone, José Carlos Lopes, Joyce de Almeida, Luan Peroni Venancio, Allan Rocha de Freitas

Resumo


Resumo: Objetivou-se com esse trabalho avaliar o potencial fisiológico de um lote de sementes de melão
em função de diferentes períodos de embebição e armazenamento. Os ensaios foram conduzidos no
Laboratório de Sementes do Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal do Espírito Santo – CCA
UFES. O lote de sementes foi dividido em quatro sublotes e armazenados durante 0, 15, 30 e 45 dias em
ambiente controlado a 30 °C. As sementes foram avaliadas quanto ao teor de umidade, massa de mil
sementes, germinação, índice de velocidade de germinação, primeira contagem de germinação, massa
fresca e seca da parte aérea e raiz. O grau de umidade das sementes foi semelhante para todos os
sublotes.O processo de embebição aumentou o potencial fisiológico das sementes de melão e o
armazenamento por 15 dias aumentou o potencial de germinação e a capacidade das sementes de externar
o vigor.
Palavras chave: Cucumis melo, Germinação, Vigor


Texto completo:

PDF

Referências


Alvarenga, E.M. et al. (1991). Maturação

fisiológica de sementes de abóbora italiana.

Revista Brasileira de Sementes, Brasília, DF, 13

(2)147-150.

Araújo, E.F., Mantovani, E.C. & Silva, R. (1982).

Influência da idade e armazenamento dos frutos

na qualidade de sementes de abóbora. Revista

Brasileira de Sementes, Brasília, DF, 4 (1), 77-87.

Bhering, M.C. et al. (2004). Avaliação do vigor de

sementes de melão pelo teste de deterioração

controlada. Revista Brasileira de Sementes,

Pelotas, RS, 26 (1), 125-129.

Bhering, M.C. et al. (2000). Métodos para

avaliação do vigor de sementes de pepino.

Revista Brasileira de Sementes, Campinas, SP,

(2), 171-175.

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e

Abastecimento. Secretaria de Defesa

Agropecuária. (2009). Regras para análise de

sementes. Brasília, DF: MAPA/ ACS.

Broglio S. M. F. et al. (2010). Ocorrência de

Diaphaniahyalinata L. (Lepidoptera: Crambidae)

em cultura de melão (Cucumis melo L.) em

Alagoas, Brasil. Magistra, Cruz das Almas, BA, 22

(3,4), 202- 204.

Comissão Estadual de Sementes de Mudas.

(2000). Normas e padrões de produção de

sementes para o estado do Rio Grande do Sul.

Porto Alegre: DPV, 107.

Ferreira, A.G. & Borghetti, F. (2004).

Germinação: do básico ao aplicado. Porto Alegre:

Artmed, 209.

Loeffler, T.M., Tekrony, D.M.& Egli, D.B. (1988).

The bulk conductivity test as an indicator of

soybean seed quality.Journal of Seed

Technology, Springfield, 12 (1), 37-53.

Maguire, J.D. (1962). Speed of germination aid in

selection and evaluation for seedling emergence

and vigor. Crop Science, New York, 2 (1), 176-

Marcos Filho, J. (2005). Fisiologia de sementes

de plantas cultivadas (495p.). Piracicaba: FEALQ.

Marcos Filho, J. (1999). Testes de vigor:

importância e utilização. In: Krzyzanowski, FC,

Vieira, R. D & França Neto, J. B (Ed.). (1999).

Vigor de sementes: conceitos e testes. (pp.1.1-

21), Londrina: ABRATES.

McDonald, M.B. (1998). Improving our

understanding of vegetable and flower seed

quality. Seed Technology, Zürich, 20 (2), 121-124.

Medeiros, J.F., Dias, N.S. & Barros, A.D. (2008).

Manejo da irrigação e tolerância do meloeiro a

salinidade da água de irrigação. Revista Brasileira

de Ciências Agrárias, Recife, PE, 3 (3), 242-247.

Mello, S.C., Spinola, M.C.M. & Minami, K. (1999).

Métodos de avaliação da qualidade fisiológica de

sementes de brócolos. Scientia Agricola,

Piracicaba, SP, 56 (4), 1151-1155.

Muniz, M.F.B.et al. (2004). Comparação entre

métodos para avaliação da qualidade fisiológica e

sanitária de sementes de melão. Revista

Brasileira de Sementes, Pelotas, RS, 26 (2), 144-

Nakagawa J. Testes de vigor baseados no

desempenho das plântulas. In: Krzyzanowski, FC,

Vieira, R. D & França Neto, J. B (Ed.). (1999).

Vigor de sementes: conceitos e testes. (pp.1.1-

21.) Londrina: ABRATES.

Rabelo Filho, F.A.C. et al. (2010). Fontes de

resistência em melancia e meloeiro a vírus do

gênero Potyvirus. Revista Brasileira de Ciências

Agrárias, Recife, PE, 5 (2), 187-191.

Ribeiro, M.C.C. et al. (2007). Influência da idade

dos frutos e do armazenamento na germinação

de sementes de melão (Cucumis melo L.).

Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre,

RS, v (supl.2), 1113-1115.

Sistema para Análise Estatística UFV [Versão 9.1]

(2007). Viçosa: Fundação Arthur Bernardes.

Secco, L. B. et al. (2009). Germinação de

sementes de melão (Cucumis melo L.) em

condições de estresse salino. Revista Brasileira

de Sementes, Petrolina, PE, 26 (2), 144-149.

Silva Jr., J. et al. (2010). Desenvolvimento do

meloeiro associado a fungos micorrízicos

arbusculares e cultivado em substrato pó de coco.

Revista Brasileira de Ciências Agrárias,

Pernambuco, 5 (1), 54-59.

Tunes L. M. et al. (2009). Alterações fisiológicas e

enzimáticas em sementes de cevada sob

diferentes condições de armazenamento.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Magistra

ISSN 2236-4420 - versão on line