Avaliação da qualidade fisiológica e sanitária das sementes de girassol após o armazenamento

Jamille Ferreira dos Santos, Clovis Pereira Peixoto, Luciano Soares de Vasconcelos Sampaio, Katia Cristina Leão de Magalhães Abreu, Ana Maria Pereira Bispo dos Santos, Antonio Messias Lopes Cruz

Resumo


Resumo: A determinação do potencial fisiológico das sementes é de grande relevância para os programas
de controle da qualidade. Além da qualidade fisiológica, a avaliação sanitária das sementes constitui um
fator importante, uma vez que inúmeros microrganismos a elas associados estão relacionados com a
transmissão de doenças que comprometem o rendimento e a qualidade. O objetivo desta pesquisa foi
avaliar a qualidade fisiológica e sanitária das sementes de duas cultivares de girassol, 180 dias após a
colheita e determinar se estas podem ser recomendadas para o plantio. O delineamento utilizado foi o
inteiramente casualizado com dois tratamentos, representados pelas cultivares de girassol (Catissol e
Embrapa 122) e oito repetições. As variáveis analisadas foram: teor de água, germinação, condutividade
elétrica, teste de frio, envelhecimento acelerado, tetrazólio, emergência de plântulas em casa de vegetação,
emergência de plântulas em campo, índice de velocidade de emergência (IVE) e sanidade. As sementes
dacultivar Embrapa 122 mantiveram elevada qualidade fisiológica e sanitária e podem ser recomendadas
para o plantio aos 180 dias após a colheita. A cultivar Catissol apresentou alta infestação por fungos, o que
comprometeu a qualidade fisiológica das suas sementes, não sendo estas recomendadas para o plantio aos
180 dias após a colheita.
Palavras chave: Potencial fisiológico, Vigor, Helianthus annus L.


Referências


Araujo, A.V., Ferreira, I.C.P.V., Brandão Jr, D.S.,

Brandão, A.A., Almeida, M.N.F., Sales, N.L.P.,

Aquino, C.F., Costa, C.A (2010) Qualidade das

sementes de diferentes genótipos de grão-de-bico

produzidas no Norte de Minas Gerais. Ciência

Rural, Santa Maria, 40 (5), 1031-1036.

Barnett, H. L. & Hunter, B. B. (1998). Illustrated

genera of imperfect fungi (4.ed.,218p.) St. Paul:

APS.

Barreto, A.F et al. (2004). Qualidade fisiológica e

a incidência de fungos em sementes de

algodoeiro herbáceo tratadas com estratos de

agave. Revista Brasileira de Oleaginosas e

Fibrosas, 8 (2/3), 839-849.

Barros, D.I., Nunes, H.V., Dias, D.C.F.S. &

Bhering, M.C (2002). Comparação entre testes de

vigor para avaliação da qualidade fisiológica de

sementes de tomate. Revista Brasileira de

Sementes, 24 (2), 12-16.

Barros, A.S.R. et al. Teste de frio . In:

Krzyzanowski, F.C. et al. (1999). Vigor de

sementes: conceitos e testes (p.5). Londrina:

ABRATES.

Brasil (2005). Instrução Normativa n.25, de 16 de

dezembro de 2005. Brasília: Diário Oficial da

República Federativa do Brasil.

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e

Abastecimento (2009a). Regras para análise de

sementes (339p). Brasília: SDA/ACS.

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e

Abastecimento (2009b). Manual de Análise

Sanitárias de Sementes (200p). Brasília, DF:

Secretaria de Defesa Agropecuária, MAPA/ACS,

Braz, M.R.S. et al. (2008). Testes de

envelhecimento acelerado e deterioração

controlada na avaliação do vigor de aquênios de

girassol. Ciência Rural, Santa Maria, 38 (7), 1857-

Carvalho, N. M. & Nakagawa, J. (2000)

Sementes: ciência, tecnologia e produção (4.ed.,

p.), Jaboticabal: FUNEP.

Carvalho, N. M. & Nakagawa, J. (1988).

Sementes: ciência, tecnologia e produção (424p),

Campinas: Cargill.

Dias, D.C.F.S., Bhering, M.C., Tokuhisa, D. &

Hilst, P.C. (2006). Teste de condutividade elétrica

para avaliação do vigor de sementes de cebola.

Revista Brasileira de Sementes, Brasília, 28 (1),

-162.

Ferreira, D.F. (2008). SISVAR: um programa para

análises e ensino de estatística. Revista

Symposium, Lavras, 6, 36-41.

Freitas, R.A., Dias, D.C.F.S., Cecon, P.R. & Reis,

M.S. (2000). Qualidade fisiológica e sanitária de

sementes de algodão durante o armazenamento.

Revista Brasileira de Sementes, Brasília, 22, 94-

Henning, F.A., Mertz, L.M., JUNIOR, E.A.J.,

Machado, R.D., Fiss, G. & Zimmer, P.D. (2010).

Composição química e mobilização de reservas

em sementes de soja de alto e baixo vigor.

Bragantia, Campinas, 69 (3), 727-734.

Kikuti, A.L.P., Vasconcelos, R.C.D., Marincek, A.

& Fonseca, A.H. (2003). Desempenho de

sementes de milho em relação à sua posição na

espiga. Ciência e Agrotecnologia, Lavras, 27 (4),

-770.

Lira, M.A., Carvalho, H.W.L, Mendonça, M.C.,

Bristot, G., Dantas, J.A & Lima, J . M. P. (2011).

Avaliação das potencialidades da cultura do

girassol, como alternativa de cultivo no Semiárido,

Nordestino (N. 40, Documentos, 7p). Natal,

RN: EMPARN.

Lucca Filho, O. A. (1995). Curso de tecnologia de

sementes (53p). Brasília: ABEAS.

Machado, J.C. (1988). Patologia de sementes:

fundamentos e aplicações (106p). Brasília:

MEC/ESAL/FAEPE.

Maguire, J.D. (1962). Speed of germination aid in

selection and evaluation for seedling emergence

and vigor. Crop Science, Madison, 2, 176-177.

Marcos Filho, J. (2005). Fisiologia de sementes

de plantas cultivadas (345p). Piracicaba: FEALQ.

Marcos Filho, J. Teste de envelhecimento

acelerado. . In: Krzyzanowski, F.C., Vieira, R.D. &

França-Neto, J.B. (Eds.) (1999). Vigor de

sementes: conceitos e testes (Cap. 3, pp.1-24)

Londrina: Abrates.

Nakagawa, J. Testes de vigor baseados no

desempenho das plântulas. In: Krzyzanowski,

F.C. et. al. (Eds.) (1999). Vigor de sementes:

conceitos e testes (Cap. 2, pp.1-24). Londrina,

Abrates.

Panobianco, M. & Marcos Filho, J. (2001).

Envelhecimento acelerado e deterioração

controlada em sementes de tomate. Scientia

Agrícola, Piracicaba, 58 (3), 525-531.

Rezende, J. de O. (2000). Solos coesos de

tabuleiros costeiros: limitações agrícolas e

manejo (Série Estudos Agrícolas, 117p).

Salvador: SEAGRI-SPA.

Santos, J.F. (2013). Potencial fisiológico de

sementes de Helianthus annuus L. em função do

acondicionamento (76f). Dissertação de

Mestrado, Universidade Federal do Recôncavo da

Bahia, Cruz das Almas.

Schuch, L.O.B., Nedel, J.L., Assis, F.N., Maia,

M.S. & Rosental, M.D. (2000). Emergência no

campo e crescimento inicial de aveia preta em

resposta ao vigor das sementes. Revista

Brasileira de Agrociência, Pelotas, 6 (2), 97-101.

Silva, A. R. A., Bezerra, F. M. L., Sousa, C. C. M.,

Pereira Filho, J. V. & Freitas, C. A. S. (2011).

Desempenho de cultivares de girassol sob

diferentes lâminas de irrigação no Vale do Curu,

CE. Revista Ciência Agronômica, 42 (1), 57-64.

Vieira, M.G.G.C. & Von Pinho, E.V.R.

Metodologia do teste de tetrazólio em sementes

de algodão. In: Krzyzanowski, F.C., Vieira, R.D.,

França Neto, J.B. (Ed.) (1999). Vigor de

sementes: conceitos e testes (Cap.8, pp.1-13).

Londrina: Abrates.

Villiers, T.A. Ageing and longevity of seeds in field

conditions. In: Heydecker, W. (Ed.) (1973). Seed

ecology (pp.265-288). London: The Pennsylvania

State University Press.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Magistra

ISSN 2236-4420 - versão on line