Avaliação atmosférica de cádmio no distrito industrial da cidade de Rio grande através do Sphagnum recurvum P. Beauv.

Ariadne Ribeiro Henriques, Pedro José Sanches-Filho

Resumo


Resumo: A cidade de Rio Grande RS - Brasil possui uma região portuária fortemente industrializada
composta principalmente por indústrias de fertilizantes e uma refinaria de petróleo. Consequentemente
desde a última década o nível de poluição do município vem sendo classificado como crítico. Cádmio é um
metal pesado prejudicial ao ambiente e a saúde humana que possui como fonte de contaminação
antropogênica indireta as indústrias petroquímicas, portanto a investigação dos níveis de cádmio no
município é de extrema importância. Este experimento consiste na avaliação das condições aéreas do
distrito industrial do município de Rio Grande, utilizando o musgo Sphagnum recurvum P. Beauv. como
bioindicador de cádmio no meio ambiente. Conforme o método “moss-bag”, saquinhos de nylon contendo
30g de musg foram tratados e distribuídos em três pontos de monitoramentos na zona industrial. A
contaminação aérea por cádmio bem como fatores climáticos tais como, temperatura, precipitação, direção
e velocidade dos ventos, que apresentam relação direta com a dispersão e deposição do poluente, foram
avaliados durante trinta dias. Após o período de exposição, o material vegetal foi digerido em solução ácida
e os níveis de cádmio no musgo medidos através do Espectrômetro de Absorção Atômica de Chama. Este
estudo confirmou a presença elevada de cádmio em duas estações de monitoramento que acumularam,
respectivamente, 4,16 e 1,47 mg Cd/Kg, valores considerados prejudiciais para o meio ambiente e para
saúde humana.
Palavras chave: Biomonitor, Metal pesado, Qualidade do ar.


Texto completo:

PDF

Referências


Alloway, B. J. (1990). Cadmium. In: B.J. Alloway,

(Ed.) Heavy metals in soils (pp.100-150).

Chapman & Hall, London.

Anicić M., Tasić M., Frontasyeva M.V., Tomasević

M., Rajsić S., Mijić Z ., & Popović A. (2009).

Active moss biomonitoring of trace elements with

Sphagnum girgensohnii moss bags in relation to

atmospheric bulk deposition in Belgrade, Serbia,

Environmental Pollution, 157, 673-679.

Astel, A., Astel, K., & Biziuk, M. (2008). PCA and

multidimensional visualization techniques united

to aid in the bioindication of elements from

transplanted Sphagnum palustre moss exposed in

Gdan´ sk City Area. Environmental Science and

Pollution Research, 15, 41–50.

Aquino, S. M. F., Almeida, J. R., Cunha, R. R., &

Lins, G. A. (2011). Bioindicadores vegetais uma

alternativa para monitorar a poluição atmosférica.

Revista Internacional de Ciências, 1, 77-94.

Azevedo, F.A., & Chasin, A. A. M. (Eds). (2003)

Metais: Gerenciamento da toxicidade (554p.). São

Paulo: Editora Atheneu.

Ayoede, J. (1991). Introdução a Climatologia para

os Trópicos (332p.). Rio de Janeiro: Bertrand

Brasil.

Baird, C. (2002). Environmental Chemistry. (2.ed.,

p.) New York: Bookman.

Bollmann, H. Indicadores Ambientais. In: Maia,

N., Martos, H., & Barrella. W (org.) (2001).

Indicadores Ambientais: Conceitos e aplicações

(285p.). São Paulo: EDUC/COMPED/INEP.

Boquete, M. T., Fernández, J. A., Carballeira, A.,

& Aboal, J. R. (2013). Assessing the tolerance of

the terrestrial moss Pseudoscleropodium purum

to high levels of atmospheric heavy metals: a

reciprocal transplant study. Science of the Total

Environment, 461, 552-559.

Brunekreef, B., Beelen, R., Hoek, G., Schouten,

L., Bausch-Goldbohm, S., Fischer, P., Armstrong,

B., Jerret, M., & Brandt, P. (2009). Effects of

long-term exposure to traffic-related air pollution

on respiratory and cardiovascular mortality in the

Netherlands: the NLCS-AIR study. Res Rep

Health Eff Inst, 139, 5-71.

Cao,T., Min, W., Yinghao, Y., Yuxia, L., Shuiliang,

G., Benrong, Z., Yan, L., Jiming, W., Yang, C., &

Zhirui, Z. (2009). Air quality for metals and sulfur

in Shanghai, China, determined with moss bags.

Environmental Pollution, 157, 1270–1278.

Carneiro, R. (2004). Bioindicadores Vegetais de

poluição atmosférica: uma contribuição para a

saúde da comunidade. Dissertação de Mestrado,

Universidade de São Paulo, Escola de

Enfermagem de Ribeirão, Preto Ribeirão Preto,

MG, Brasil.

Clymo, R. S. (1963). Ion exchange in Sphagnum

and its relation to bog ecology. Annals of Botany,

, 309–324.

Conselho Nacional do Meio Ambiente. (1990).

Resolução n. 003 de 28 de junho de 1990. In:

Controle da poluição do ar. Recuperado em 04

setembro ,2011, de

http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm

?codlegi=100.

Culicov, O. A., Mocanu, R., Frontasyeva, M. V.,

Yurukova, L., & Steinnes, E. (2005). Active moss

biomonitoring applied to an industrial site in

Romania: relative accumulation of 36 elements in

moss-bags. Environmental monitoring and

assessment, 108, 229-240.

Danni-Oliveira, I. M. (2008). Poluição do ar como

causa de morbidade e mortalidade da população

urbana. RAEGA - O Espaço Geográfico em

Análise, 15,113-126.

De Medeiros, A. P. P., Gouveia, N., Machado, P.,

De Souza, M., Alencar, G., Novaes, H. (2009).

Traffic-related air pollution and perinatal mortality:

A case-control study. Environ Health Perspect,

, 127-32.

DmuchowskI, W. & Bytnerowicz, A. (2009). Longterm

(1992–2004) record of lead, cadmium, and

zinc air contamination in Warsaw, Poland:

Determination by chemical analysis of moss bags

and leaves of Crimean linden. Environmental

Pollution, 157, 3413-21.

Dmuchowski, W., Gozdowski, D., & Baczewska,

A. H. (2011). Comparison of four bioindication

methods for assessing the degree of

environmental lead and cadmium pollution.

Journal of hazardous materials, 197, 109 -118.

Gutberlet, J. (1989). Uso de Sphagnum recurvum

P. Beauv. como biofiltro no monitoramento de

poluição aérea industrial de metais pesados. Acta

Botanica Brasilica, 2, 103-114.

Hartwig, A. (2010). Mechanisms in cadmiuminduced

carcinogenicity: recent insights.

Biometals, 23, 951- 960.

Käffer, M., Lemos, A., Apel, M., Rocha, J.,

MArtins, S., & Vargas, V. (2012). Use of

bioindicators to evaluate air quality and genotoxic

compounds in an urban environment in Southern

Brazil. Environmental Pollution, 163, 24-31.

Malavolta, E. (1980). Elementos de nutrição

mineral em plantas. São Paulo: Agronômica

Ceres.

Markert, B., Breure, A., & Zechmeister, H. (2003)

Definitions,strategies and principles for

bioindication/ biomonitoring of the environment.

In: Markert, B.A., Breure, A.M., Zechmeister, H.G.

(Eds.), Bioindicators and Biomonitors (pp. 3-39).

Amsterdam: Elsevier Science.

Matović, V., Buha, A., Bulat, Z., & Đukić-Ćosić, D.

(2011). Cadmium Toxicity Revisited: Focus on

Oxidative Stress Induction and Interactions with

Zinc and Magnesium. Archives of Industrial

Hygiene and Toxicology, 62, 65–76.

Mirlean, N., Casartelli, M. R., & Garcia, M. R.

(2002). Propagação da poluição atmosférica por

flúor nas águas subterrâneas e solos de regiões

próximas às indústrias de fertilizantes. Química

Nova, Rio Grande, RS, 25, 191-195.

Nóbrega, M. R., & Krusche, N. (2010).

Diagnóstico qualitativo da poluição atmosférica

em Rio Grande-RS, 2000 a 2002. Geosul, 25,

-150.

O'neill, M. S., Bell, M., Ranjit, N., Cifuentes, L.,

Loomis, D., & Gouveia, N. (2008) Air pollution

and mortality in Latin America: the role of

education. Epidemiology, 19, 810-819.

Pratte-Santos, R., Terra, V. R., & Barbiéri, R. S.

(2008). Perspectivas da avaliação da qualidade

da água em rios por intermédio de parâmetros

físicos, químicos e biológicos. Natureza online, 6,

-65.

Saitanis, C. J., Frontasyeva, M. V., Steinnes, E.,

Palmer, M. W., Ostrovnaya, T. M., & Gundorina,

S. F. (2013). Spatiotemporal Distribution of

Airborne Elements Monitored with the Moss Bags

Technique in the Greater Thriasion Plain, Attica,

Greece. Environ. Monit. Assess.,185, 955-968.

Salo, H., Bucko`, M., Vaahtovuo, L., Limo, J.,

Makinen, J., & Pesonen, L. (2012). Biomonitoring

of air pollution in SW Finland by magnetic and

chemical measurements of moss bags and

lichens. Journal of Geochemical Exploration, 115,

-81.

Satarug, S, Garrett, S, Sens, M & Sens, D.

(2010). Cadmium, environmental exposure, and

health outcomes. Environ Health Perspect., 118,

–190.

Silva, J. M., Gurgel, A. M., Gurgel, I. D. G., &

Augusto, L. G. S. (2009). A inter-relação saúde,

trabalho e ambiente no licenciamento da refinaria

do nordeste. Tempus: actas em saúde coletiva, 4,

-83.

Thomasi, C., Nunes, G., Toledo, R., Jungueiro,

M., Teixeira, P., Adamatti D., & Tagliani, C. (2011,

julho). “Um sistema para previsão de impactos

gerados pela instalação de indústrias e sua

influência sobre ecossistemas costeiros no

extremo sul do Brasil”, (pp.1455-1464). Anais do

Workshop de Computação Aplicada à Gestão do

Meio Ambiente e Recursos Naturais, Natal, RN,Toledo, G. I. F. M., & Nardoccii, A. (2011).

Poluição veicular e saúde da população: uma

revisão sobre o município de São Paulo (SP),

Brasil. Revista brasileira epidemiologia, 14, 445-

Vanz, A., Mirlean, N., & Baisch, P. (2003).

Avaliação de poluição do ar por chumbo

particulado: uma abordagem

geoquímica. Química Nova, 26, 24-29.

Vasconcelos, M., & Tavares, H. (1998).

Atmospheric metal pollution (Cr, Cu, Fe, Mn, Ni,

Pb and Zn) in Oporto city derived from results for

low-volume aerosol samplers and for the moss

Sphagnum auriculatum bioindicator. Science of

the Total Environment, 212, 11–20.

Vianna, N., Andrade, L., Souza-Machado, A., &

Saldiva, P. (2008). Uma proposta de

intersetorialidade para investigar poluição

atmosférica e alergias respiratórias. Gazeta

Médica Bahia, 78, 86-92.

Vuković, G., Urošević, M., Razumenić, I.,

Kuzmanoski, M., Pergal, M., Škrivanj, S., &

Popović, A. (2014). Air quality in urban parking

garages (PM10, major and trace elements, PAHs):

Instrumental measurements vs. active moss

biomonitoring. Atmospheric Environment, 85, 31-


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Magistra

ISSN 2236-4420 - versão on line