Estrutura de um fragmento florestal na microbacia do córrego Fundo, em região de ecótono Cerrado-Pantanal

Gustavo Mattos Abreu, Gabrielle Regina Miguel Barbosa, Bruna Duque Guiraundi, Uilhiam Cherri, Norton Hayd Rego

Resumo


Resumo: O Cerrado é o segundo maior bioma brasileiro em termos de extensão, compreendendo 22% do
território brasileiro. O reconhecimento da flora, estrutura e características físicas destes locais tem grande
aplicação na definição de ecossistemas de referência em projetos de restauração florestal. Com isso, o
levantamento fitossociológico assume elevada importância para descrever as estruturas, composição e
dinâmica das espécies. O objetivo desse trabalho foi avaliar fitossociologicamente e estruturalmente um
fragmento de uma floresta estacional semidecidual na microbacia do Córrego Fundo, em Aquidauana, MS,
Brasil. Foram alocadas 8 parcelas de modo sistemático, em padrão regular, ao longo de 2 transectos. As
espécies encontradas foram identificadas de acordo com seus aspectos botânicos. A análise da estrutura
horizontal da vegetação foi baseada em parâmetros fitossociológicos, como Densidades Absoluta e
Relativa, Frequências Absolutas e Relativas, Dominância Relativa, Índice de Valor de Importância e Índice
de Diversidade de Shannon – Weaver. A espécie Magonia pubescens apresentou maior Índice de Valor de
Importância (64,52). As espécies Magonia pubescens, Miracrodruom urundeuva e Lueheae paniculata
apresentaram altos valores de densidade relativa, frequência relativa e dominância relativa. Esses
parâmetros observados são devido ao grande número de indivíduos encontrados destas espécies na área,
o que representa 57,9% do total das árvores presentes no fragmento estudado. Em relação à estrutura
vertical, o estrato superior (III) correspondeu a 50,8% das amostras, indicando uma área com grande
número de indivíduos de grande porte. O índice de diversidade de Shannon - Weaver total (H’) foi de 2,2,
caracterizando a área como de média diversidade.


Palavras chave: Fitossociologia, Floresta, Silvicultura


Texto completo:

PDF

Referências


Alvares, C. A., Stape, J. L., Sentelhas, P. C.,

Gonçalves, J. L. M., & Sparovek, G. (2014).

Köppen’s climate classification map for Brazil.

Meteorologische Zeitschrift, 22 (6), 711–728.

Brasil. Ministério do Meio Ambiente. (2014). O

Bioma Cerrado, 2014. Recuperado em 24

outubro, 2014, de

http://www.mma.gov.br/biomas/cerrado.

Dias, A. C (2005). Composição florística,

fitossociologia, diversidade de espécies arbóreas

e comparação de métodos de amostragem na

floresta ombrófila densa do parque estadual

Carlos Botelho/SP Brasil (203f). Tese de

Doutorado, Universidade de São Paulo, Escola

Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”,

Piracicaba, SP, Brasil.

Durigan, G., Franco, G. D. C., Saito, M., &

Baitello, J. B. (2000). Estrutura e diversidade do

componente arbóreo da floresta na Estação

Ecológica de Caetetus, Gália, SP. Revista

Brasileira de Botânica. 23 (4), 369-381.

Gomide, L. R., Scolforo, J. R. S., Thiersch, C. R.

& Oliveira, A. D. (2005). Uma nova abordagem

para definição da suficiência amostral em

Fragmentos florestais nativos. Revista Cerne, 11

(4), 376-388.

Kunz, S. H., Ivanauskas, N. M., Martins, S. V.,

Stefanello, D., & Silva, E. (2014). Fitossociologia

do componente arbóreo de dois trechos de

floresta estacional perenifólia, Bacia do rio das

Pacas, Querência – MT. Ciência Florestal, 24

(1),1-11.

Lamprecht, H. (1964). Ensayo sobre unos

métodos para el análisis estructural delos

bosques tropicales. Acta Científica Venezolana.

(2), 57-65.

Longhi, S. J., Nascimento, A. R. T., Fleig, F. D.,

Della-Flora, J. B., Freitas, R. A., & Charão, L.W.

(1999). Composição florística e estrutura da

comunidade arbórea de um fragmento florestal no

município de Santa Maria – Brasil. Ciência

Florestal. 9 (1),115–133.

Lorenzi, H. J. (2002). Árvores brasileiras – Manual

de identificação e cultivo de plantas arbóreas

nativas do Brasil.(v.2, 351p). Nova Odessa:

Instituto Plantarum.

Martins, F. R. (1991). Atributos de comunidades

vegetais. Quid Teresina, 9, 12-17.

Mueller-Dombois, D., & Ellenberg. (1974). H.

Aims and methods of vegetation ecology. New

York: Willey,. 574 p.

Nascimento, A., R., T., Longhi, S. J., & Brena, A.

D. (2001). Estrutura e padrões de distribuição

espacial de espécies arbóreas em uma amostra

de Floresta Ombrófila Mista em Nova Prata, RS.

Ciência Florestal, 11 (1), 105-119.

Nóbrega, A. M. F., Valeri, S. V. Paula, R. C. &

Silva, S. A. (2008). Regeneração natural em

remanescentes florestais e áreas reflorestadas da

várzea do rio Mogi-Guaçu, Luiz Antônio – SP.

Revista Árvore, 32 (5), 909-920.

Pereira-Silva, E. F. L., Santos, J. E., Kageyama,

P. Y., & Hardt, E. (2004). Florística e

fitossociologia dos estratos arbustivos e arbóreo

de um remanescente de cerradão em uma

Unidade de Conservação do Estado de São

Paulo. Revista Brasileira de Botânica. 27 (3),

-544.

Rego, N. H. (2008). Variação da estrutura da

vegetação arbórea em uma topossequência em

um vale da Serra de Maracaju, Aquidauana, MS..

f. Tese (Doutorado em Agronomia).

Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita

Filho”, São Paulo, SP, Brasil.

Santos-Diniz, V. S., Silva, A. R. L., Rodrigues, L.

D. M., & Cristofoli, M. (2012). Levantamento

florístico e fitossociológico do Parque Municipal

da Cachoeirinha, Município de Iporá, Goiás.

Enciclopédia Biosfera, Centro Científico Conhecer

- Goiânia, 8 (14), 1310-1322.

Scolforo, J.R.S. (1998). Manejo florestal (438p).

Lavras: UFLA/FAEPE.

Silva, L. A., & Scariot, A. (2004). Composição e

estrutura da comunidade arbórea de uma floresta

estacional decidual sobre afloramento calcário no

Brasil Central. Revista Árvore, 28 (1), 69-75.

Vendramini, J. L., Jurinitz, C. F., Castanho, C. T

de, Lorenzo, L., & Oliveira, A. A. de. (2012).

Litterfall and leaf decomposition in foresty

fragments under diferent successional phases on

the Atlantic Plateau of the state of São Paulo,

Brazil. Biota Neotrópica, 12 (3), 136-146.

Whittaker, R. H. (1972). Evolution and

measurement of species diversity. Táxon, New

York, (2), 213-251.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Magistra

ISSN 2236-4420 - versão on line