Metodologia para teste de envelhecimento acelerado em sementes de fisális

André Luiz Piva, Éder Junior Mezzalira, Fabíola Villa

Resumo


Resumo: a aplicação dos testes de vigor em sementes de espécies frutíferas é uma prática que permite
estimar e comparar lotes de sementes para diferentes objetivos. A falta de informações justificou o presente
trabalho, objetivando-se avaliar metodologia do teste de envelhecimento acelerado em sementes de fisális.
O experimento foi conduzido na Unioeste, Campus Marechal Cândido Rondon, PR. As sementes
empregadas no estudo foram colhidas de frutos maduros, de plantas de um ano instaladas na EPAMIG,
Maria da Fé, MG. Na execução deste trabalho utilizaram-se caixas plásticas tipo Gerbox, onde as sementes
foram distribuídas e colocadas em câmara de envelhecimento acelerado com água, com concentração de
solução salina de 20 e 40g de NaCl em 100mL de água + controle (água), por períodos de 24h, 48h e 72h,
em temperatura de 41 °C. Após cada período, as sementes foram submetidas aos testes de germinação. A
interpretação do teste foi realizada aos 7, 14 e 21 dias após a semeadura. O delineamento experimental foi
inteiramente casualizado, em esquema fatorial 3 x 3 (três tempos de envelhecimento x três concentrações
de NaCl). Tanto para os tempos de envelhecimento, quanto para as concentrações de solução utilizadas, os
dados não diferiram estatisticamente. A utilização de solução salina no teste de envelhecimento acelerado
inibiu sensivelmente o crescimento e desenvolvimento de fungos. O teste de envelhecimento acelerado não
se mostrou eficaz na caracterização de vigor de lotes de sementes de fisális. Há necessidade de verificação
de outros testes de vigor e lotes da espécie para caracterização eficiente das sementes de fisális.
Palavras chave: Physalis peruviana L., Vigor, Teste de germinação


Texto completo:

PDF

Referências


Bhering, M. C. et al. (2003). Avaliação do vigor de

sementes de melancia (Citrullus lunatus Schrad.)

pelo teste de envelhecimento acelerado. Revista

Brasileira de Sementes, 25, 1-6.

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e

Abastecimento. (2009). Regras para análise de

sementes (395p). Brasília, DF: Mapa/ACS.

Copeland, L.O. (1976). Principles of seed science

and technology (369p). Minneapolis: Burgess

Publishing Company.

D’arcy, W. et al. (2005). Solanaceae. Flora of the

Venezuelas Guyana, 9, 194-246.

Delouche, J.C. (1976). Standardization of vigor

tests. Journal of Seed Technology, Spring Field,

(2), 75-85.

Duarte, G.L. et al. (2006). Physiological quality of

wheat seeds submitted to saline stress. Revista

Brasileira de Sementes, 28 (1), 122-126.

Hadas, A. (1976). Water uptake and germination

of leguminous seeds under changing external

water potential in osmotic solutions. Journal

Experimental Botany, 27, 480-489.

Hunziker, A.T. (2001). The genera of

Solanaceae. In: Ruggell, A.R.G. & Gantner,

V.K.G. aturated salt accelerated aging test for small

seeds crops. Seed Science and Techology,

Zürich, 25 (1), 123-131.

Larré, C. F. et al. (2011). Qualidade fisiológica de

sementes de arroz tratadas com solução salina e

-epibrassinolídeo. Revista Brasileira de

Sementes, 33 (1), 86-94.

Lima, C.S.M. (2009). Fenologia, sistemas de

tutoramento e produção de Physalis peruvianana

região de Pelotas, RS (117f). Dissertação de

Mestrado, Universidade Federal de Pelotas,

Pelotas, RS, Brasil.

Lorenzi, H. & Matos, F. J. A.(2008). Plantas

medicinais do Brasil: nativas e exóticas (2 ed.).

São Paulo, Instituto Plantarum.

Marcos Filho, J. (1999). Teste de envelhecimento

acelerado. In: Krzyzanowski, F.C. et al. (Ed.).

Vigor de sementes: conceitos e testes (pp. 31-

. Londrina: ABRATES.

Panobianco, M. & Marcos Filho, J. (1998).

Comparação entre métodos para avaliação da

qualidade fisiológica de sementes de pimentão.

Revista Brasileira de Sementes, Brasília, 20 (2),

-310.

Peres, W. L. R. (2010). Testes de vigor em

sementes de milho. Dissertação de Mestrado,

Universidade Estadual Paulista. Jaboticabal, SP,

Brasil.

Pimentel Gomes, F. (1987). Curso de estatística

experimental (12 ed., 467p). São Paulo: Nobel.

Pimentel, L.D. et al. (2007). Estudo de viabilidade

econômica na cultura da noz-macadâmia no

Brasil. Revista Brasileira de Fruticultura, 29, 500-

Powell, A.A. (1995). The controlleddeterioration

test. In: Van de Venter, H.A. (ed). Seed Vigour

Testing Seminar (pp. 73-87). Copenhagen. The

International Seed Testing Association.

Rebouças, M.A. et al. (1989). Crescimento e

conteúdo de N, P, K e Na em três cultivares de

algodão sob condições de estresse salino.

Revista Brasileira de Fisiologia Vegetal, 1 (1), 79-

Rufato, L. et al. (2008). Aspectos técnicos da

cultura da physalis (100p). Lages: CAV/UDESC;

Pelotas: UFPel.

Silva, D.F., Strassburg, R.C. & Villa, F. (2015).

Morfoanatomia do caule de espécies do gênero

Physalis. Revista de Ciências Agroveterinárias,

(1), 38-45.

Silva, K. N. & Agra, M.F. (2005). Estudo

farmacobotânico comparativo entre Nicandra

physalodes e Physalis angulata (Solanaceae).

Revista Brasileira de Farmacognosia,15, 344-351.

Souza, V. C. & Lorenzi, H. (2005). Botânica

sistemática: guia ilustrado para identificação das

famílias de angiospermas da flora brasileira,

baseado em APG II. São Paulo: Instituto

Plantarum.

Tekrony, D.M. (1983). Seed vigor testing. Journal

of Seed Technology, East Lansing, 8 (1), 55-60.

Tekrony, D.M. (1995). Accelerated aging. In: Van

de Venter, H.A. (Ed.). Seed vigour testing seminar

(pp 53-72). Copenhagen: ISTA.

Torres, S.B. (2002). Métodos para avaliação do

potencial fisiológico de sementes de melão (103f).

Tese de Doutorado, Escola Superior de

Agricultura Luiz de Queiroz, Universidade de São

Paulo, Piracicaba, SP, Brasil.

Torres, S.B. (2004). Teste de envelhecimento

acelerado em sementes de erva-doce. Revista

Brasileira de Sementes, 26 (2), 20-24.

Torres, S.B. (2007). Germinação e

desenvolvimento de plântulas de melancia em

função da salinidade. Revista Brasileira de

Sementes, 29 (3), 68-72.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Magistra

ISSN 2236-4420 - versão on line