Autopolinização e qualidade de fruto em pitaia vermelha (Hylocereus undatus)

Thatiane Padilha Menezes, José Darlan Ramos, Adriano Teodoro Bruzi, Ana Claudia Costa, Patrícia de Siqueira Ramos

Resumo


Resumo: A pitaia é uma frutífera exótica e recente no Brasil, sendo necessários estudos em relação a sua
biologia reprodutiva. Algumas pesquisas relatam dificuldades no crescimento e desenvolvimento de frutos em
flores autopolinizadas. Objetivou-se neste trabalho estudar autopolinização espontânea em pitaia vermelha e
comparar a qualidade dos frutos produzidos com aqueles oriundos da polinização natural. O experimento foi
instalado no pomar da Universidade Federal de Lavras e para sua condução foram selecionadas 100 flores de
24 plantas. As flores foram protegidas antes da antese, com sacos de TNT, para evitar a polinização cruzada e
quinze dias após a proteção das flores avaliou-se a percentagem de fixação de frutos. Foram colhidos 14 frutos
na área experimental (sete de cada tipo de polinização) e realizadas as seguintes análises físicas e físicoquímicas:
massa de fruto e massa de polpa, diâmetro transversal e longitudinal do fruto, número e peso de
sementes por fruto, rendimento de casca, teor de sólidos solúveis, acidez titulável, pH, razão e percentagem de
sementes germinadas. Para características dos frutos utilizou-se o delineamento inteiramente casualizado,
sendo sete repetições, considerando um fruto por repetição. Concluiu-se que a proteção das flores de pitaia
pode interferir negativamente na produção dos frutos. Melhores resultados para massa de fruto, massa de
polpa, diâmetro longitudinal, diâmetro transversal e número de sementes foram obtidos com a polinização
natural.


Palavras chave: Hylocereus undatus, Polinização natural, Caracterização físico química.


Texto completo:

PDF

Referências


Alves, C. Z., Godoy, A. R., & Correa, L. S. (2011).

Adequação da metodologia para o teste de

germinação de sementes de pitaia vermelha.

Ciência Rural, Santa Maria, 41 (5), 779-784.

Association of Offical Analitical Chemists (2007).

Official methods of analysis of the Association of

Official Analitical Chemists (18thed, 1750p),

Washington.

Azevedo, F. A., & Pio, R. M. (2002). Influência da

polinização sobre o número de sementes do tangor-

'Murcote'.Revista Brasileira de Fruticultura,

Jaboticabal, 24 (2), 468-471.

Bastos, D. C. et al. (2006). Propagação da pitaya

‘vermelha’ por estaquia. Ciência e Agrotecnologia,

Lavras, 30 (6), 1106-1109.

Chitarra, M. I. F., & Chitarra, A. B. (2005). Póscolheita

de frutas e hortaliças: fisiologia e manuseio

(2ed., 785p), Lavras: UFLA.

Dantas, A. A. A., Carvalho, L. G., & Ferreira, E.

(2007). Classificação e tendências climáticas em

Lavras, MG. Ciência e Agrotecnologia, Lavras, 1

(6), 1862-1866.

Donadio, L. C. (2009). Pitaya. Revista Brasileira de

Fruticultura, Jaboticabal, 31 (3), 637- 929.

Fehr, W. R. (1987). Principles of cultivar

development: theory and technique (v.1, 536p).

New York: MacMillan.

Ferreira, D. F. (2000, julho). Análises estatísticas

por meio do SISVAR (Sistema para Análise de

Variância) para Windows 4.0. Anais da Reunião

Anualda Região Brasileirada Sociedade

Internacionalde Biometria (pp. 255-258), São

Carlos, UFSCar, 45.

Le Bellec, F., Vaillant, F., & Imbert, E. (2006).

Pitahaya (Hylocereus spp.): a new crop, a market

with a future. Fruits, Paris, 61 (4), 237-250.

Marques, V. B. (2010). Germinação, fenologia e

estimativa de custo de produção de pitaia

(Hylocereus undatus (Haw.) Britoon & Rose) (141f).

Tese de Doutorado, Universidade Federal de

Lavras, Lavras, Minas Gerais, Brasil.

Metz, C., Nerd, A., & Mizrahi, Y. (2000). Viability of

pollen of two fruit crop Cacti of the genus

Hylocereus is affected by temperature and duration

of storage. Hortscience, Alexandria, 35 (2), 199-

Mizrahi, Y.et al. (2004). Metaxenia in the vine cacti

Hylocereus polyrhizus and Selenicereus spp.

Annals of Botany, London, 93 (4), 469-472.

Moreira, R. A. et al. (2011). Crescimento de pitaia

vermelha com adubação orgânica e granulado

bioclástico.Ciência Rural, Santa Maria, 41(5), 785-

Pereira, M. C. T. et al. (2003). Efeito de horário de

polinização artificial no pegamento e qualidade de

frutos de pinha (Annona squamosa L.). Revista

Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, 25 (2), 203-

Pushpakumara, D. et al. (2005). Flowering and

fruiting phenology, pollination vectors and breeding

system of dragon fruit (Hylocereus spp.).Sri Lankan

Journal of Agricultural Sciences, Sri Lanka, 42, 81-

Ramalho, M. A. P.et al., (2012). Aplicações da

Genética Quantitativa no Melhoramento de Plantas

Autógamas (522p). Lavras: UFLA.

Silva, A. C. S., Martins, A. B. G., & Cavallari, L. L.

(2011). Qualidade de frutos de pitaya em função da

época de polinização, da fonte de pólen e da coloração da cobertura. Revista Brasileira de

Fruticultura, Jaboticabal, 33(4), 1162-1168.

Weiss, J., Nerd, A., & Mizrahi, Y. (1994). Flowering

behavior and pollination requirements in climbing

cacti with fruit crop potential. HortScience,

Alexandria, 29 (2),1487-1492.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Magistra

ISSN 2236-4420 - versão on line