Atributos físicos e fisiológicos em sementes de soja no beneficiamento

Vianei Antonio Dick Conrad, Aline Klug Radke, Francisco Amaral Villela

Resumo


Resumo: O objetivo do presente trabalho foi avaliar a qualidade física e fisiológica de sementes de soja durante o beneficiamento. O trabalho foi realizado no município de Planaltina-DF, na unidade de beneficiamento, na safra 2015/2016, sendo coletadas amostras de sementes da cultivar de soja Nidera 5909. Os tratamentos consistiram da coleta de amostras de sementes em treze pontos, antes e depois de cada máquina: saída do silo; elevador, máquina de limpeza, padronizadores, elevador, espiral, mesa densimétrica, elevador semente pronta 1 e elevador semente pronta 2. As avaliações realizadas foram: umidade, dano mecânico por hipoclorito, peso de mil sementes, germinação, vigor e viabilidade pelo teste de tetrazólio. O delineamento utilizado foi inteiramente casualizado com cinco repetições. Conclui-se que as máquinas de beneficiamento contribuem para a manutenção e inclusive o aprimoramento da qualidade do lote de sementes de soja. Os equipamentos de transporte, composto por elevadores de caneca e correias transportadoras, podem causar redução da qualidade do lote de sementes de soja, ocasionado principalmente pelo aumento da incidência de dano mecânico. A classificação de sementes de soja em peneiras de perfuração redonda possibilita a separação das sementes de soja em classes de peso de mil sementes.

 Palavras chave: Glycine max, Dano mecânico, Qualidade fisiológica de sementes.

 


Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. (2009). Regras para análise de sementes. Brasília, DF: Mapa / ACS. Recuperado em 29 março, 2017, de http://www.agricultura.gov.br/assuntos/insumos-agropecuarios/arquivos-publicacoes-insumos/2946_regras_analise__sementes.pdf

Baudet, L. M. L., Villela, F. A., & Cavariani, C. (1999). Princípios de secagem. Seed News, 20-27.

Carvalho, N. M., & Nakagawa, J. (2000). Sementes: ciência, tecnologia e produção. Jaboticabal: FUNEP.

Companhia Nacional de Abastecimento. (2016). Acompanhamento da safra brasileira de grãos - oitavo levantamento (Vol. 3). Brasília: CONAB.

Costa, N. P., Mesquita, C. M., Maurina, A. C., Neto, J. B., Krzyzanowski, F. C., & Henning, A. A. (2003). Qualidade fisiológica, física e sanitária de sementes de soja produzidas no Brasil. Revista Brasileira de Sementes, 25 (1), 128-132.

França-Neto, J. B., Krzyzanowski, F. C., & Costa, N. P. (1998). O teste de tetrazólio em sementes de soja. Recuperado em abril ,2017, de https://www.agrolink.com.br/downloads/TRETRAZ%C3%93LIO.pdf

Kirchner, J. H., Mattioni, N. M., Robaina, A. D., Peiter, M. X., Barzotto, F., & Mezzomo, W. (2014). Qualidade física, fisiológica e danos mecânicos nas etapas de beneficiamento de sementes de soja. Tecnologia e Ciência Agropecuária, 8 (2), pp. 15-20.

Lopes, M. M., Prado, M. O. D., Sader, R., & Barbosa, R.M. (2011). Efeitos dos danos mecânicos e fisiológicos na colheita e beneficiamento de sementes de soja. Bioscience Journal, 27 (2), 230-238.

Marcos Filho, J. (2013). Importância do potencial fisiológico da semente de soja. Informativo ABRATES, 23, 21-23.

Mason, S. C., Vorst, J. J., Hankins, B. J., & Holt, D. A. (1982). Standard, cold and tetrazolium germination tests as estimators of field emergence of mechanical damage soybeans seed. Agronomy Journal, 74 (3), 546-550.

Neves, J. M. (2010). Efeito do beneficiamento sobre a qualidade inicial de semente de soja e após o armazenamento (58f). Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Lavras. Lavras, MG, Brasil.

Peske, S. T., & Baudet, L. M. (2012). Beneficiamento de sementes. In: S. T. Peske, F. A. Villela, & G. E. Meneghello, Sementes: Fundamentos científicos e tecnológicos (pp. 423-480). Pelotas: UFPel.

Peske, S. T., Baudet, L. M., & Villela, F. A. (2013). Tecnologia pós-colheita de sementes. In: T. Sediyama, Tecnologia produção de sementes de soja (pp. 327-344). Londrina: Mecenas.

Silva, R. P., Teixeira, I. R., Devilla, I. A., Rezende, R. C., & Silva, G. C. (2011). Qualidade fisiológica de sementes de soja (Glycine max. L.) durante o beneficiamento. Semina: Ciências Agrárias, 32 (4), 1219-1230.

Silva, T., Silva, P., Silva, E., Nakagawa, J., & Cavariani, C. (2016). Condicionamento fisiológico de sementes de soja, componentes de produção e produtividade. Ciência Rural, 46 (2), pp. 227-232.

Tunes, L. M., Pedroso, D. C., Badinelli, P. G., Tavares, L. C., Rufino, C. A., & Barros, A. C., et al. (2011). Envelhecimento acelerado em sementes de azevém com e sem solução salina e saturada. Ciência Rural, 41 (1), 33-37.

Villela, F. A., Baudet, L. M., & Peres, W. B. (2005). Tecnologia post-cosecha de soya. In: S. T. Peske, L. F. Trigo, & M. F. Outomuro, Soya: producción y tecnologia (pp. 361-408). Pelotas: UFPel.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Magistra

ISSN 2236-4420 - versão on line