Híbridos de milho sob diferentes doses de fósforo visando o consumo in natura

Mylla Crysthyan Ribeiro, Leandro Ferreira Damaso, Felipe Rodrigues Costa (in memoriam), Adilson Pelá, Fabrício Rodrigues

Resumo


Resumo: O número de híbridos de milho com aptidão para a produção de milho verde no mercado é ínfimo, além disso, não se sabe o potencial para a produção de espigas verdes em ambientes deficientes em fósforo. O objetivo desse trabalho foi avaliar o desempenho de dois híbridos de milho, destinados a grãos, em diferentes doses de adubação fosfatada, visando o consumo in natura. O experimento foi realizado na safra dos anos de 2012/ 2013 na fazenda experimental da Universidade Estadual de Goiás, utilizando delineamento de blocos casualizados, com oito tratamentos e três repetições, dispostos em esquema fatorial simples (dois híbridos e quatro doses de P2O5). Foram avaliadas as características das espigas como altura, produtividade empalhada, produtividade despalhadas, produtividade comercial, comprimento e diâmetro médio. Houve efeito significativo para a maioria das características analisadas, em suas diferentes fontes de variação para as doses de fósforo. Conclui-se que o híbrido P30F53Y apresentou melhor desempenho para o consumo in natura, mas, não é indicado para cultivos em doses baixas de fósforo. O híbrido DKB175 não é indicado para o consumo in natura, independente das doses aplicadas, por apresentar baixa produtividade de espigas e, também, pouca responsividade a adubação fosfatada.

 Palavras chave: Zea mays L., Milho verde, Adubação


Texto completo:

PDF

Referências


Albuquerque, C. J. B., Pinho, R. G. V., & Silva, R. Produtividade de híbridos de milho verde experimentais e comerciais. (2008). Bioscience Journal, 24 (2), 69-76.

Bordallo, P. N., Pereira, M. G., Amaral Jr., A. T., & Gabriel, A. P. C. (2005). Análise dialélica de genótipos de milho doce e comum para caracteres agronômicos e proteína total. Horticultura Brasileira, 23 (1), 123-127.

Carmo, M. S., Cruz, S. C. S., Souza, E. J., & Campos, L. F. C., Machado, C. G. (2012). Doses e fontes de nitrogênio no desenvolvimento e produtividade de milho doce (Zea mays convar. saccharata var. rugosa). Bioscience Journal, 28 (1), 223-231.

Companhia Nacional de Abastecimento. (2016). Acompanhamento da Safra Brasileira de Grãos 2015/2016 – Sexto Levantamento – março/2016. Recuperado em 30 março, 2016 de http://www.conab.gov.br/OlalaCMS/uploads/arquivos/16_03_11_15_20_36_boletim_graos_marco_2016.pdf.

Costa, F. R., Damaso, L. F., Mendes, R. C., Marques, D. D. & Rodrigues, F. (2015). Desempenho de híbridos de milho para o consumo in natura em diferentes doses de nitrogênio. Científica, 43 (2), 109-116.

Cruz, C. D. (2013). GENES [Programa de computador] a software package for analysis in experimental statistics and quantitative genetics. Acta Scientiarum, 35 (3), 271-276, 2013.

Cruz, J. C., Pereira Filho, I. A., & Simão, E. P. (2016). 477 cultivares de milho estão disponíveis no mercado de sementes do Brasil para a safra 2015/16. Recuperado em 30 março, 2016, de http://www.apps.agr.br/upload/Cultivares%20de%20Milho%20dispon%C3%ADveis%20no%20mercado%20na%20safra%202015%2016.pdf.

Duete, R. R. C., Vilanueva, C. A., Muraoka, T., & Duete, W. L. C. (2011). Utilização de fósforo proveniente do solo e do fertilizante com radioisótopo 32P para plantas de Zea mays. Magistra, 23 (4), 228-235.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, Centro Nacional de Pesquisa do Solo. (2013). Sistema Brasileiro de Classificação de Solos (3 ed., 353p). Brasília: Embrapa

Parentoni, S. N., Gama, E. E. G., Magnavaca, R., Reifschsneider, F. J. B., & Villas Boas, G. L. (1990). Milho doce. Informe Agropecuário, Belo Horizonte, 14 (165), 17-22.

Pereira Filho, I. A. (2003). Manejo e tratos culturais para o cultivo do milho verde. In: Pereira Filho, I.A. (Ed.). O cultivo do milho-verde (pp. 31-43) Brasília, DF: Embrapa Informação Tecnológica.

Possamai, J. M., Souza, C. D., & Galvão, J. C. C. (2001). Sistemas de preparo do solo para o cultivo do milho safrinha. Bragantia, 60 (2), 79-82.

Resende, A. V., Furtini Neto, A. E., Alves, V. M. C., Muniz, J. A., Curi, N., Faquin, V., Kimpara, D. I., Santos, L. S., & Carneiro, F. (2006). Fontes e modos de aplicação de fósforo para o milho em solo cultivado da região do cerrado. Revista Brasileira de Ciência do Solo, 30 (3), 453-466.

Rodrigues, F., Pinho, R. G. V., Albuquerque, C. J. B., & Faria Filho, E. M., Goulart. (2009). Capacidade de combinação entre linhagens de milho visando à produção de milho verde. Bragantia, 68 (1), 75-84.

Rufino, C. A., Tavares, L. C., Vieira, J. F., Dorr, C. S., Vilela, F. A., & Barros, A. C. S. A. (2012). Desempenho de genótipos de milho submetidos ao déficit hídrico no estádio vegetativo. Magistra, 24 (3), 217-225.

Santos, I. C. D., Miranda, G. V., Melo, A. V., Mattos, R. N., Oliveira, L. R., Lima, J. S., & Galvão, J. C. C. (2005). Comportamento de cultivares de milho produzido organicamente e correlações entre características das espigas colhidas no estádio verde. Revista Brasileira de Milho e Sorgo, 4 (1), 45-53.

Vaccari, D. (2009). Phosphorus: a looming crisis. Scientific American Magazine, 300 (6), 54-59.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Magistra

ISSN 2236-4420 - versão on line