Bioestimulante vegetal na produção de mudas de tabaco

Lucas de Oliveira Ribeiro, Elvis Lima Vieira, Eduardo Augusto Girardi, Everton Vieira Carvalho, Marcos de Oliveira Ribeiro

Resumo


Resumo: O objetivo do trabalho foi avaliar o bioestimulante vegetal Stimulate® na produção de mudas de fumo (Nicotiana tabacum L.), Tipo Brasil-Bahia. Foram realizadas quatro pulverizações foliares a partir de 15 dias após a semeadura (DAS). Os tratamentos foram: T1 = 0,0 mL L-1 (água destilada); T2 = 2,0 mL L-1; T3 = 4,0 mL L-1; T4 = 6,0 mL L-1; T5 = 8,0 mL L-1 e T6 = 10,0 mL L-1 de solução aquosa do bioestimulante vegetal. As bandejas contendo as plantas foram irrigadas diariamente de duas a três vezes, mantendo o substrato sempre próximo a capacidade de campo. Após 38 DAS, foram retiradas duas plantas por repetição de cada tratamento. Avaliou-se: altura de plantas, comprimento de raiz, número de folhas por planta, área foliar e massa seca (folha, haste, raiz e total). O Stimulate® aplicado via pulverização foliar influenciou na produção de mudas de fumo sendo que as concentrações entre 1,0 mL de Stimulate® L-1 e 6,0 mL de Stimulate® L-1 são mais eficientes na promoção do crescimento inicial de plantas de tabaco Tipo Brasil-Bahia.

 Palavra chave: Nicotiana tabacum L., Hormônio vegetal, Crescimento.


Texto completo:

PDF

Referências


Abrantes, F. L., Sá, M. E., Souza, L. C. D., Silva, M. P., Simidu, H. M., Andreotti, M., Buzetti, S.,Valério filho, W. V., & Arruda, N. (2011). Uso de regulador de crescimento em cultivares de feijão de inverno. Pesquisa Agropecuária Tropi-cal, Goiânia, 41( 2), 148-154.

Agência de Defesa Agropecuária do Paraná. (2017) Recuperado em 26 maio ,2017, de http://www.adapar.pr.gov.br/modules/noticias/article.php?storyid=178.

Albrecht, L. P. (2009). Biorregulador no desem-penho agronômico, econômico e na qualidade de semente de soja (100f). Tese de Doutorado em Agronomia, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, PR, Brasil.

Albrecht, L. P., Bazo, G.L., Demeneck-Vieira, P.V., Albrecht, A.J.P., Braccini, A.L., Krenchinski, F. H., & Gasparotto, A.C. (2014). Desempenho fisiológico das sementes de ervilha tratadas com biorregulador. Comunicata Scientiae, 5 (4), 464-470.

Baldo, R., Scalon, S. P. Q., Rosa, Y. B. C. J., Mussury, R. M., Betoni, R., & Barreto, W. S. (2009). Comportamento do algodoeiro cultivar Delta Opal sob estresse hídrico com e sem apli-cação de bioestimulante. Ciência e Agrotecnolo-gia, 33 (nesp), 1804- 1812.

Banzatto, D.A., & kronka, S.N. (1992). Experimen-tação agrícola (23 ed., 247p). Jaboticabal: FU-NEP.

Dantas, A. C. V. L., Queiroz, J. M. O.,Vieira, E. L., & Almeida, V. O. (2012). Effect of gibberellic acid and the biostimulant Stimulate® on the initial growth of tamarind. Revista Brasileira de Fruticul-tura, 34 (1), 8-14.

Du Jardin, P. (2012). The science of plant biosti-mulants - A bibliographic analysis. Recuperado em 26 Janeiro, 2018, de http://ec.europa.eu/enterprise/sectors/chemicals/files/fertilizers/final_report_bio_2012_en.pdf.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropaecuária (2008). Tecnologias de produção de soja - Região central do Brasil (Sistemas de Produção, n. 12, 261p). Londrina: Embrapa Soja, Embrapa Cerra-dos, Embrapa Agropecuária Oeste.

Ercher. M.M., Guimarães, V.F., Krieser, C.R., Abucarma, V.M., Klein, J., Santos, L., & Dalla-brida, W.R. (2006). Uso de bioestimulante na formação de mudas de maracujazeiro amarelo. Semina: Ciências Agrárias, Londrina. 27 (3), 351-360.

Ferraz, R.A., Souza, J.M.A., Santos, A.M.F., Gon-çalves, B.H.L., Reis, L.L., & Leonel, S. (2014). Effects of emergency in biostimulant seedling of passion fruit ‘roxinho of kenya’. Bioscience Jour-nal, Uberlandia, 30 (6), 1787-1792.

Ferreira, D. F. (2011). Sisvar: a computer statisti-cal analysis system. Ciência e Agrotecnologia, 35 (6), 1039-1042.

Ferreira, G., Costa, P. N., Ferrari, T. B., Rodri-gues, J. D., Braga, J. F., & Jesus, F. A.(2007). Emergência e desenvolvimento de plântulas de maracujazeiro azedo oriundas de sementes trata-das com bioestimulante. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, 29 (3), 595-599.

Klahold, C. A., Guimarães, V.F., Ercher. M.M., Klahold, A., Contiero, R.L., & Becker, A. (2006). Resposta da soja (Glycine max (L.) Merrill) à ação de bioestimulante. Acta Sciência Agronômica, 28, 179-185.

Miguel, F. B., Silva, J. A. A., Bárbaro, I. M., Espe-rancinI, M. S. T., Ticelli, M., & Costa, A.G.F.(2009). Viabilidade econômica na utilização de um regulador vegetal em cana-planta. Infor-mações Econômicas, São Paulo, 39 (1), 53-59.

Oliveira, F. A., Medeiros, J. M., Oliveira, M. K. T., Lima, C. G.S, Almeida Jr., A. B., & Amâncio, M. G. (2009). Revista Brasileira de Ciências Agrá-rias, 4 (2), 149- 155.

Oliveira, J. M. C. (2006). A cultura do fumo na Bahia: refletindo sobre a Convenção-Quadro. Bahia Agrícola, 7, 59-65.

Repke, R.A., Velozo, M. R., Domingues, M. C.S., & Rodrigues, J. D. (2009). Efeitos da aplicação de reguladores vegetais na cultura da alface (lactuca sativa) crespa var. verônica e americana var. lucy

brow. Revista Núcleos, 6 (2),99-109.

Rodrigues, T. J. D., & Leite, I. C. (2004). Fisiolo-gia vegetal – hormônios das plantas (78p). . Jabo-ticabal: FUNEP.

Santos, V. M., Melo, A. V., Cardoso, D. P.;,Silva, A. R., Benício, L. P. F., & Ferreira, E.A. (2014). Development of soybean in biostimulants function under conditions of phosphate fertilizer. Bioscien-ce Journal. Uberlandia, 30 (4), 1087-1094.

Santos, C. A. C., Peixoto, C.P., Vieira, E.L., Car-valho, E.V., & Peixoto, V. A. B. (2013) Stimulate na germinação de sementes, emergência e vigor de plântulas de girassol.. Bioscience Journal, 29 (2), 605-616.

Scalon, S.P.Q., Mussury, R.M., Gomes, A.A., Silva, K.A. Wathier, F., & Scalon filho, H. (2006). Germinação e crescimento inicial da muda de orelha-de-macaco (Enterolobium contortisiliqunn (Vell.) Morong): efeitos de tratamentos químicos e luminosidade. Revista Árvore. 30, 529-536.

Silva, T. T. A., Pinho, É. R. V., Cardoso, D. L., Ferreira, C. A., Alvim, P. O., & Costa, A. A. F. (2008). Qualidade fisiológica de sementes de milho na presença de bioestimulantes. Ciência e Agrotecnologia, Lavras, 32, 840-846.

Souza, L. H. B., Peixoto, C. P., Machado, G. S.,Peixoto, M. F. S. P., &Cruz, T.V. (2011). Feno-logia, área foliar e massa da matéria seca de girassol em diferentes épocas de semeadura e populações de plantas no recôncavo da Bahia. Enciclopédia Biosfera, Goiânia, 7 (13), 572-585.

Taiz, L., & Zeiger, E. (2008). Fisiologia Vegetal (820p). , Porto Alegre: Artmed.

Taiz, L., & Zeiger, E. (2013) Fisiologia vegetal. (5. ed., 954p). São Paulo: Artmed.

Vieira, E.L., & Almeida, A, Q. (2010). Plant stimulant effect on brasil-bahia tobacco growth and production. Pesquisa Agropecuária Tropical, Goiânia, 40 (4), 468-475.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Magistra

ISSN 2236-4420 - versão on line