Concentrações de dispersantes químicos e tempos de contato na dispersão de solos representativos do estado da Bahia

Adailton Liberato do Nascimento Júnior, Luciano da Silva Souza, Edmar Oliveira da Silva, Fagner Taiano dos Santos Silva, Nielly Aialla Costa Santos, Poliane Pereira de Souza, Auderice Lima Vieira, Juraci Jesus de Santana Júnior, Taise Almeida Conceição, Michele Cerqueira da Silva Alves, Ana Paula de Jesus Lima

Resumo


Resumo: A textura é uma das principais características dos solos, dada a sua estreita relação com a retenção de água, troca catiônica, fixação de fósforo e recomendações de calagem e adubação que são feitas com base em percentuais de argila; é também fundamental para caracterização de perfis de solos, em trabalhos de levantamento e classificação de solos, bem como no planejamento conservacionista do uso das terras. Portanto, é muito importante a inclusão da análise granulométrica na rotina dos laboratórios de análise de solo. O hidróxido de sódio (NaOH) e o calgon (hexametafosfato de sódio + carbonato de sódio) são os dispersantes químicos mais utilizados em solos tropicais; porém, ainda cabem estudos relativos à concentração ideal desses compostos em diferentes tipos de solos. O tempo de contato da amostra do solo com o dispersante químico é um fator que deve ser avaliado na análise granulométrica. Os métodos mais utilizados recomendam um intervalo de tempo de uma noite (pressupõe-se um tempo mínimo de 15 horas) entre a adição do dispersante e a agitação mecânica; porém, existem dúvidas em relação ao tempo em que o dispersante químico provoca a máxima individualização das partículas do solo. Esses aspectos foram avaliados em cinco classes de solos selecionadas visando obter grandes amplitudes de atributos físicos, químicos e mineralógicos. Os resultados obtidos mostraram que o hidróxido de sódio foi o tratamento que obteve melhor resultado na dispersão dos solos estudados, sendo que a concentração de 0,5 M tem boa eficiência na dispersão de solos representativos do Estado da Bahia. A adição do dispersante químico e imediata agitação mecânica apresentou vantagens em relação aos métodos tradicionais na dispersão de solos para a análise granulométrica.
Palavras chave: Análise granulométrica, argila, hidróxido de sódio, hexametafosfato de sódio


Texto completo:

PDF

Referências


DAY, P.R. Particle fractionation and particle-size analysis. In: BLACK, C.A. (Ed.). Methods of soil analysis. Madison: American Society of Agronomy, 1965. part 1, p.545-567.

EMBRAPA. Centro Nacional de Pesquisa de Solos (Rio de Janeiro, RJ). Manual de métodos de análise de solo. 2. ed. rev. atual. Rio de Janeiro: 1997. 212p. (Embrapa-CNPS. Documentos, 1).

FERREIRA, M.M. Caracterização física do solo. In: VAN LIER, Q. de J. Física do solo. 1.ed. Viçosa: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 2010. cap.1, p.1-27.

GEE, G. W.; OR, D. Particle-size analysis. In: DANE, J. H.; TOPP, G. C. (Ed.). Methods of soil analysis; Part 4 Physical methods. Madison: Soil Science Society of America, 2002. p. 255-293. (Soil Science Society of America Book Series, 5).

GEE, G.W.; BAUDER J.W. Particle size analysis by hydrometer: a simplified method for routine textural analysisand a sensitivity test of measured parameters. Soil Sci. Soc. Am. J., v.43, n.5, p.1004-1007, 1986.

JACOMINE, P.K.T.; CAVALCANTI, A.C.; SILVA, F.B.R. e; MONTENEGRO, J.O.; FORMIGA, R.A.; BURGOS, N.; MÉLO FILHO, H.F.R. de. Levantamento exploratório-reconhecimento de solos da margem direita do Rio São Francisco Estado da Bahia. Recife: Embrapa/SNLCS; SUDENE/DRN, 1977/1999. vol. 1 e 2, 1296p.

JUCKSCH, I.; COSTA, L. M. da; MELLO, J.W.V.; BUENO, B.S. e FONTES, L.E.F. Meios mecânicos e concentração de NaOH para dispersão e estabilidade de suspensões de argila. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA DO SOLO, 25., Viçosa, 1995. Resumos expandidos. Viçosa: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 1995. v.1.

KIRKHAM, D.; POWERS, W.L. Advanced soil physics. 2.ed. New York, Interscience, 1972. 548p.

LOPES, A.S.; GUILHERME, L.R.G. Solos sob cerrado: manejo da fertilidade para a produção agropecuária. São Paulo: ANDA 1992. 49p.

MAURI, J. Dispersantes químicos na análise granulométrica de Latossolos. Viçosa: Universidade Federal de Viçosa, 2008. Dissertação de Mestrado.

OLIVEIRA, G.C.; DIAS JÚNIOR, M.S.; VITORINO, A.C.T.; FERREIRA, M.M.; SÁ, M.A.C.; LIMA, J.M. Agitador horizontal de movimento helicoidal na dispersão mecânica de amostras de três Latossolos do sul e campos das vertentes de Minas Gerais. Ci. Agrotec., v.26, p.881-887, 2002.

RESENDE, M.; CURI, N.; REZENDE, S.B.; CORRÊA, G.F. Pedologia: base para distinção de ambientes. Viçosa, MG: NEPUT, 1999. 304p.

RODRIGUES, C. Avaliação de dispersantes químicos e pré-tratamentos na determinação de argila de solos de mineralogias distintas. Goiânia: Universidade Federal de Goiás, 2008. Dissertação de Mestrado.

RUIZ, H. Incremento da exatidão da análise granulométrica do solo por meio da coleta da suspensão (silte + argila). R. Bras. Ci. Solo, v.29, p.297-300, 2005.

SETA, A.K.; KARATHANASIS, A.D. Water-dispersible colloids and factors influencing their dispersibility from soil aggregates. Geoderma, v.74, n.3-4, p.255-266, 1996.

SOUSA NETO, E.L. de; FIGUEIREDO, L.H.A.; BEUTLER, A.N. Dispersão da fração argila de um latossolo sob diferentes sistemas de uso e dispersantes. R. Bras. Ci. Solo, v.33, p.723-728, 2009.

SUZUKI, L. E.A.S.; REINERT, D.J.; KAISER, D.R.; KUNZ, M.; PELLEGRINI, A.; REICHERT, J.M. e ALBUQUERQUE, J.A. Teor de argila de solos sob diferentes tempos de agitação horizontal, tempo de contato do dispersante químico e dispersão mecânica. In: REUNIÃO

BRASILEIRA DE MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO E DA ÁGUA, 15., Santa Maria, 2004. Anais... Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria, 2004. 1 CD-ROM.

UEHARA, G. Acric properties and their significance to soil classification. In:INTERNATIONAL SOIL CLASSIFICATION WORKSHOP, 8., Rio de Janeiro, 1986. Proceedings... Rio de Janeiro: Embrapa/ SNLCS, 1988. p.19-22.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Magistra

ISSN 2236-4420 - versão on line