Avaliação do comércio de peixes ornamentais de água doce em Aracaju, Sergipe

Danielde Alvares Silveira Assis, Sidney Sales Cavalcante, Marcelode Guedes Fulgêncio Brito

Resumo


Resumo: O presente estudo realizou o levantamento das espécies de peixes ornamentais dulcícolas comercializados em lojas de aquarismo na cidade de Aracaju, estado de Sergipe, Brasil. Os peixes à venda em 15 estabelecimentos foram identificados e contabilizados mensalmente no período de maio de 2009 a abril de 2010. Foi registrado um total de 54.981 espécimes pertencentes a 143 espécies, com predomínio de representantes da região neotropical (n=61). As famílias com maior registro de espécies foram Cichlidae (n=48), Characidae (n=18) e Cyprinidae (n=18). Xiphophorus maculatus, Poecilia latipinna e Carassius auratus foram as três espécies mais comercializadas. As espécies com menores preços corresponderam àquelas com maior comercialização. Cinco dentre15 lojas visitadas somaram mais de 60% dos espécimes registrados durante o estudo, fato atribuído principalmente à maior estrutura do estabelecimento e à localização em bairro comercial. Astyanax lacustris, Characidium fasciatum, Dormitator maculatus, Eigenmannia virescens, Geophagus brasiliensis, Hypostomus sp., Moekhausia costae e Moenkhausia sanctaefilomenae foram as espécies que também apresentam distribuição em rios do estado de Sergipe. Não é descartado o risco de bioinvasão nas principais cursos d’água próximos de Aracaju em função do número de espécies não nativas comercializadas. O monitoramento da comercialização de peixes ornamentais faz-se necessário para controle da atividade, bem como contribuir com o acordo internacional de espécies ameaçadas que são comercializadas (CITES) e nos programas nacionais de espécies continentais ameaçadas.

Palavras chave: Aquarismo, Aquariofilia, Cyprinodontiforme.


Texto completo:

PDF

Referências


ANJOS, H. D. B. D.; AMORIM, R. M. D. S.;

SIQUEIRA, J. A.; ANJOS, C. R. Exportação de

peixes ornamentais do Estado do Amazonas,

Bacia Amazônica, Brasil. Boletim do Instituto de

Pesca de São Paulo, São Paulo, v.35, n.87,

, p.259-274.

BOTELHO FILHO, G. F. Síntese da historia da

aquariofilia. Rio de Janeiro: Interciencia, 1990, p.

CARDOSO, R.S. e IGARASHI, M. A. Aspectos do

agronegócio da produção de peixes ornamentais

no Brasil e no mundo. PUBVET, Londrina, v. 3, n.

, 2009, p.1-22.

CHAPMAN, F. A.; FITZ-COY, A.; THUNBERG, E.

M.; ADAMS, C. M. United States of America trade

in ornamental fish. Journal of the World

Aquaculture Society, Baton Rouge, v.28, n.1,

, p.1-10.

COE, C. M.; FREITAS, M. C.; ARAUJO, R. C. P.

Diagnóstico da cadeia produtiva de peixes

ornamentais no município de Fortaleza, Ceará.

Magistra, Cruz das Almas, v.23, n.3, 2011, p.107-

FARIA, P. M. C.; CREPALDI D. V.; TEIXEIRA E.

A.; RIBEIRO L. P.; SOUZA A. B.; CARVALHO D.

C.; MELO D. C.; SALIBA E. O. S. Criação,

manejo e reprodução de peixe Betta splendens

Regan, 1910. Revista Brasileira de Reprodução

Animal, Belo Horizonte, v.30, n.3/4, 2007, p.134-

FISHBASE, 2012. Disponível em:

. Acesso em 20 abr.

FULLER, P. L.; NICO, L. G.; WILLIAMS, J. D.

Non-indigenous Fishes Introduced into Inland

Waters of the United States. Bethesda,

American Fisheries Society Special Publication,

, p. 613.

GARCIA, A.M.; VIEIRA, J.P.; WINEMILLER, K.O.;

MORAES, L.E.; PAES, E.T. Factoring scales of

spatial and temporal variation in fish abundance in

a subtropical estuary. Marine Ecology Progress

Series, Oldendorf/Luhe, v. 461, 2012, p.121-135.

HADDAD JÚNIOR, V. Animais aquáticos de

importância médica no Brasil. Revista da

Sociedade Brasileira de Medicina

Tropical, Uberaba, v.36, n.5, 2003, p.591-597.

HADDAD JUNIOR, V. Infecções cutâneas e

acidentes por animais traumatizantes e

venenosos ocorridos em aquários comerciais e

domésticos no Brasil: descrição de 18 casos e

revisão do tema. Anais Brasileiros de

Dermatologia e Sifilografia, Rio de Janeiro,

v.79, n.2, 2004, p.157-167.

Institute of Food and Agricultural Sciences (IFAS).

Production of Ornamental Aquarium Fish.

Flórida: University of Florida, 1996. 4p.

Disponível em:

/production_technologies/FL%20ornamental%20p

roduction.pdf >. Acesso em: 20 mar. 2010.

LEVINE, J. M.; D’ANTONIO, C. M. Forecasting

biological invasions with increasing international

trade. Conservation Biology, v.17, n.1, 2003, p.

-326.

LIANG, S.H.; CHUANG, L.C.; CHANG, M.H. The

pet trade as a source of invasive fish in

Taiwan. Taiwania, New Taipei, v.51, n.2, 2006,

p.93-98.

LIMA, A. O.; BERNARDINO, G.; PROENÇA, C. E.

M. Agronegócio de peixes ornamentais no Brasil

e no Mundo. Panorama da Aqüicultura, Rio de

Janeiro, v.11, n.65, 2001, p.14-24.

MAGALHÃES, A. L. B. Novos registros de peixes

exóticos para o estado de Minas Gerais, Brasil.

Revista Brasileira de Zoologia, Curitiba, v.24,

n.1, 2007, p.250-252.

MAGALHÃES, A. L. B.; BARBOSA, N. P. U.;

JACOBI, C. M. Peixes de Aquário: Animais de

estimação ou pestes? Ciência Hoje, v.45, n.266,

, p.40-45.

MAGALHÃES, A. L. B.; JACOBI, C. M. Ecommerce

of freshwater aquarium fishes:

potential disseminator of exotic species in Brazil.

Acta Scientiarum. Biological Sciences,

Maringá, v.32, n.3, 2010, p.243-248.

MILLS, D. Peixes de aquário. Rio de Janeiro,

Ediouro Publicações, 1998, p.304.

RIBEIRO, F. A. S.; CARVALHO JUNIOR, J. R. ;

FERNANDES, J. B. K.; NAKAYAMA, L. Comércio

brasileiro de peixes ornamentais. Panorama da

Aquicultura, Rio de Janeiro, v.18, n.110, 2008,

p.54-59.

RIBEIRO, F. A. S.; CARVALHO JUNIOR, J. R.;

FERNANDES, J. B. K.; NAKAYAMA, L. Cadeia

produtiva do peixe ornamental. Panorama da

Aqüicultura, Rio de Janeiro, v.19, n.112, 2009,

p.36-45.

RIBEIRO, F. A. S.; JORGE, P. H.; FERNANDES,

J. B. K.; SAKOMURA, N. K. Densidade de

estocagem para produção de acará-bandeira em

viveiros escavados em policultivo com camarãoda-

amazônia. Revista Caatinga, Mossoró, v. 23,

n.4, 2010, p.129-134.

SEABRA-CARVALHO, N. A. S.; CARVALHO JR.,

J. R.; LIMA, R.; DAMASCENO, I.; BELUCIO, L.

F.; MELLO, C. F. e NAKAYAMA, L. Uma proposta

de mudança no ensino fundamental em

comunidades ribeirinhas no médio rio Xingu,

Pará. In: Congresso Norte-Nordeste de Ensino de

Ciências. 7. 2004, Belém. Anais. Belém: UFPA.

, p. 605-611.

TAMARU, C. S.;COLE, B;BAILEY, R.; BROWN,

C.; AKO, H. A manual for commercial

production of the swordtail, Xiphophorus

helleri. Honolulu: CTSA, 2001, p.36.

VIDAL JUNIOR, M. V. Produção de peixes

ornamentais. Viçosa: CPT, 2007. p.234.

WABNITZ, C.; TAYLOR, M.; GREEN, E.; RAZAK,

T. From ocean to aquarium: the global trade in marine ornamental species. Cambrigde: UNEPWCMC,

p.64.

WALTERS, L. J.; BROWN, K. R.; STAM, W. T.;

OLSEN, J. L. E-commerce and Caulerpa:

unregulated dispersal of invasive species.

Frontiers in Ecology and the Environment,

Flórida, v.4, n.2, 2006, p.75-79.

YASUI, G. S.; CALADO, L. L.; SANTOS, L.

C.; VIDAL JÚNIOR., M. V.; RIBEIRO FILHO, O.

P. Ocorrência da variedade "véu" em Oligosarcus

argenteus (Pisces, Characidae). Ciência Animal,

Fortaleza, v. 17, n.2, 2007, p.109-113.

ZAR, J. H. Biostatistical analysis. New Jersey:

Prentice-Hall International Editions, 1996.,p.662.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Magistra

ISSN 2236-4420 - versão on line