Redistribuição da água e capacidade de campo em latossolo amarelo distrocoeso

Felipe Gomes Frederico Silveira, Luciano Silva Souza, Francisco Adriano de Carvalho Pereira, Áureo Silva de Oliveira, Fagner Taiano dos Santos Silva

Resumo


Resumo: A água é um dos principais fatores de formação e de intemperização do sistema solo, sendo essencial para a vida vegetal e animal, ocupando, juntamente com o ar, todo o espaço poroso existente nesse sistema. Estudos envolvendo as relações solo/água são extremamente necessários. Diante disso, o objetivo deste trabalho foi avaliar a redistribuição da água e a capacidade de campo (in situ e em laboratório) em diferentes horizontes de um Latossolo Amarelo Distrocoeso em Cruz das Almas, BA. No campo, medidas de potencial mátrico foram feitas com tensiômetros de mercúrio em um experimento de
determinação da condutividade hidráulica, pelo método do perfil instantâneo. Os tensiômetros foram instalados nas profundidades de 0,285, 0,525, 0,810, 1,12, e 1,30 m. A capacidade de campo foi também determinada em laboratório, utilizando tubos de plástico preenchidos com solo peneirado. Amostras de solo
foram coletadas no meio de cada horizonte, até a profundidade de 1,40 m, em duas repetições, com estrutura indeformada e deformadas, para as determinações físicas do solo. A redução do potencial mátrico ao longo do tempo foi mais lenta nos horizontes coesos AB e BA, resultando em potenciais mátricos de -4,62 kPa e -3,97 kPa nesses horizontes após 50 dias de medição, portanto bem acima dos valores recomendados de -6 kPa, -10 kPa e -33 kPa para representar a capacidade de campo. Os potenciais de -6
kPa, -10 kPa e -33 kPa foram atingidos, respectivamente, após 41, 84 e 333 dias no horizonte Bw1, 10, 41 e 221 dias no Bw2 e 1, 4 e 3.104 dias no Bw3. O critério de tempo de redistribuição da água para que o solo atinja a capacidade de campo não se aplica ao solo considerado, em função da presença de adensamento e das diferenças texturais entre horizontes. Foram encontrados potenciais matriciais variando entre -6 kPa e -36 kPa para os horizontes BA, Bw1, Bw2 e Bw3 para determinação da capacidade de campo em colunas
de solo, e de -94 kPa e -69 kPa para os horizontes Ap e AB, respectivamente.


Palavras chave: Tabuleiros Costeiros, Água no solo, Tensiômetros de mercúrio.


Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR NETTO, A. O.; NACIF, P. G. S.;

REZENDE, J. O. Avaliação do conceito de

capacidade de campo para um Latossolo Amarelo

coeso do estado da Bahia. R. Bras. Ci. Solo,

Campinas, v. 23, p. 661-667, 1999.

ALMEIDA, O. A. Informações meteorológicas

do Centro Nacional de Pesquisa de Mandioca

e Fruticultura Tropical. Cruz das Almas:

EMBRAPA/CNPMF, 1999. 35 p.

BERNARDO, S. ; SOARES, A. A. ; MANTOVANI,

E. C. Manual de irrigação. 8. ed. Viçosa: UFV,

625 p .

BRITO, A. dos S.; LIBARDI, P.L.; MOTA, J.C.A.;

MORAES, S.O. Estimativa da capacidade de

campo pela curva de retenção e pela densidade

de fluxo da água. R. Bras. Ci. Solo, Viçosa, v.35,

p.1939-1948, 2011

CAMARGO, O.A.; MONIZ, A.C.; JORGE, J.A.;

VALADARES, J.M.A.S. Métodos de análise

química, mineralógica e física de solos do

Instituto Agronômico de Campinas. Campinas: Instituto Agronômico, 2009. 77p. (Boletim técnico,

.

CARTER, M.R. Quality, critical limits and

standardization. In: LAL, R. (Ed.). Encyclopedia

of soil science. New York: Marcel Dekker, 2002.

p.1062-1065.

EMBRAPA. Embrapa Solos (Rio de Janeiro, RJ).

Manual de métodos de análise de solo. 2.ed.

rev. Rio de Janeiro: 2011. 230 p. (Embrapa Solos.

Documentos, 132).

FERNANDES, B.; SYKES, D.J. Capacidade de

campo e retenção de água em três solos de

Minas Gerais. R. Ceres, Viçosa, v. 15, p. 1-39,

KIEHL, E. J. Manual de edafologia – relação

solo-planta.São Paulo: Ceres, 1979. 262 p.

OLIVEIRA, L. B. de. Determinação da macro e

microporosidade pela “mesa de tensão” em

amostras de solo com estruturas indeformadas.

Pesq. agropec. bras., Rio de Janeiro, v. 3,

p.197-200, 1968.

PAIVA, A. de Q.; SOUZA, L. da S.; RIVEIRO,

A.C.; COSTA, L.M. da. Propriedades físicohídricas

de solos de uma toposseqüência de

tabuleiro do Estado da Bahia. Pesq. agropec.

bras., Brasília, v.35, n.11, p.2295-2302, nov.

REICHARDT, K. A água em sistemas agrícolas.

São Paulo: Editora Manole, 1987. 187 p.

REICHARDT, K. Capacidade de campo. R. Bras.

Ci. Solo, Campinas, v. 12, p. 211-216, 1988.

REICHARDT, K. Processos de transferência no

sistema solo-planta-atmosfera. 3. ed. São

Paulo: Fundação Cargil, 1975. 286 p.

RIBEIRO, L. P.; SANTOS, D. M. B.; LIMA NETO,

I. de A.; SOUZA NETO, L. R. de; BARBOSA,

M.F.; CUNHA, T. J. F. Levantamento detalhado

dos solos, capacidade de uso e classificação de

terras para irrigação da Estação de Plasticultura,

da Universidade Federal da Bahia/Politeno, em

Cruz das Almas (BA). R. Bras. Ci. Solo,

Campinas, v. 19, p. 105-113, 1995.

RICHARDS, L. A. Methods of measuring moisture

tension. Soil Sci., Baltimore, v. 68, p. 95-112,

RUIZ, H.A.; FERREIRA, G.B.; PEREIRA, J.B.M.

Estimativa da capacidade de campo de

Latossolos e Neossolos quartzarênicos pela determinação do equivalente de umidade. R.

Bras. Ci. Solo, Viçosa, v.27, p.389-393, 2003.

SANTOS, H.G. dos; JACOMINE, P.K.T.; ANJOS,

L.H.C. dos; OLIVEIRA, V.A. de; LUMBRERAS,

J.F.; COELHO, M.R.; ALMEIDA, J.A. de; CUNHA,

T.J.F.; OLIVEIRA, J.B. de. (Ed.). Sistema

brasileiro de classificação de solos. 3. ed. Rio

de Janeiro: Embrapa Solos, 2013. 353p.

SOUZA, L. D.; REICHARDT, K. Estimativas da

capacidade de campo. R. Bras. Ci. Solo,

Campinas, v. 20, p. 183-189, 1996.

TWARAKAVI, N.K.C.; SAKAI, M. & SIMUNEK, J.

An objective analysis of the dynamic nature of

field capacity. Water Res. Res., v.45, p.1-9, 2009.

VEIHMEYER, F.J. & HENDRICKSON, A.H. The

moisture equivalent as a measure of the field

capacity of soils. Soil Sci., Baltimore, v.32, p.181-

, 1931.

VEIMEHYER, F.J.; HENDRICKSON, A.H.

Methods of measuring field capacity and

permanent wilting percentage of soils. Soil Sci.,

Baltimore, v.68, p.75-94, 1949.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Magistra

ISSN 2236-4420 - versão on line