Floração e frutificação da aceroleira (Malphigia emarginata DC.) em uma área no semiárido Brasileiro

Gesline Fernandes de Almeida, Cândida Maria Lima Aguiar, Maise Silva, Ricardo Moreira Santos

Resumo


Resumo: O cultivo da aceroleira no Brasil vem crescendo consideravelmente e está entre as mais importantes culturas de frutas para a economia do Nordeste. Estudos sobre floração e frutificação de Malpighia emarginata já foram realizados, no entanto, nenhum destes sob as condições do semiárido brasileiro. O presente trabalho foi conduzido no município de Feira de Santana, Bahia, visando identificar o número de floradas que a aceroleira é capaz de apresentar sob condições naturais, quais os períodos de florescimento e de frutificação, além de investigar se as fenofases estão correlacionadas com variações da
pluviosidade e temperatura. A coleta de dados (número de botões florais, de flores abertas, de frutos imaturos e de frutos maduros) foi realizada de agosto 2009 a agosto de 2010, em intervalos mensais, em dois pomares. A floração de M. emarginata na região de Feira de Santana ocorreu entre outubro e abril. O
período de frutificação na região iniciou-se em novembro, estendendo-se com interrupções, até o mês de abril. No semiárido baiano, os meses de agosto a outubro correspondem à estação mais seca do ano, o que parece ser limitante para a ocorrência de floradas neste período. Não foi observada correlação entre o número de flores e a pluviosidade (p= 0,2582; rs= 0,3383; n=14) e nem entre o número de flores e a temperatura (p= 0,1773; rs= 0,3985; n=14). Também não houve correlação entre a frutificação e a pluviosidade (p= 0,9537; rs = 0,0179; n=14), mas a frutificação esteve correlacionada com a temperatura (p=0,0538; rs=0,5453; n=14). Este estudo sugere que o clima seco e com baixa pluviosidade pode limitar o número de florações ao ano o que deve ter reflexos na produtividade de M. emarginata no semiárido.


Palavras Chave: Fenofases, Pluviosidade, Acerola.


Texto completo:

PDF

Referências


BOSCO, J. FILHO, S. P. A. NETO, M. B. E.

MELO, A. S. Desenvolvimento e diferenciação de

estruturas reprodutivas em aceroleira. Revista

Brasileira de Fruticultura v.17, n.3, p.19-

1995.

CARPENTIERI-PÍPOLO, V.; NEVES, C. S. V. J.;

BRUEL, D. C.; SOUZA, S. G. H.; GARBÚGLIO,

D. D . Frutificação e desenvolvimento de frutos de

aceroleira no Norte do Paraná. Ciência Rural,

v.38, n.7, p.1871-1876. 2008.

CARVALHO, R. I. N. Frutificação efetiva da

aceroleira em condições outonais no município de

Viamão-RS, Brasil. Revista Acadêmica:

Ciências Agrárias e Ambientais, v.1, n.1, p. 23-

2003.

CENTRO DE ESTATÍSTICA E INFORMAÇÕES

(CEI-BA). Informações Básicas dos Municípios

Baianos: Região Paraguaçu. CEI. Salvador.

http://sim.sei.ba.gov.br/sim/index.wsp. Acesso

em 17/03/2014.

EMBRAPA. Disponível em:

http://www.cnpmf.embrapa.br/index.php?p=pesqui

sa-culturas_pesquisadas-acerola.php&menu=2.

Acesso em 20/abr.2010. 2004.

FREITAS, B. M.; ALVES, J. E.; BRANDÃO, G. F.;

ARAÚJO, Z. B. Pollination requirements of West

Indian cherry (Malpighia emarginata) and its

putative pollinators, Centris bees, in NE Brazil.

Journal ofAgricultural Science, v. 133, p.303-

1999.

GOMES, J. E.; PAVANI, M. C. M. D; PERECIN,

D.; MARTINS, A. B. G. Morfologia floral e biologia

reprodutiva de genótipos de aceroleira. Scientia

Agricola, v.58, n.3, p.519-523. 2001.

GOMES, J. E.; PERECIN, D.; MARTINS, A. B. G.

Desenvolvimento do fruto da acerola

dafecundação à maturação em três épocas nas

condições de Jaboticabal, SP. Revista Brasileira

de Fruticultura, v.22, n.3, p.318-322. 2000.

GUEDES, R. S.; ZANELLA, F. C. V.; MARTINS,

C.F.; SCHLINDWEIN, C. Déficit de polinização da

aceroleira no período seco no semiárido

paraibano Revista Brasileira de Fruticultura,

v.33, n.2, p.465-471. 2011.

LOPES, R.; BRUCHNER, C. H.; LOPES, M. T. G.

Polinização e vingamento de frutos em

aceroleira (Malpighia puicifolia L.). Revista

Brasileira de Fruticultura, v.22, n.3, p.314-317.

MARINO-NETTO, L. Acerola: a cereja tropical.

Nobel, São Paulo, 94p. 1986.

MAGALHÃES, L. M. F.; OLIVEIRA, D.; OHASHI,

O. S. Efeito da polinização na frutificação da

acerola na Amazônia. Revista Brasileira de

Fruticultura, v. 21, n.1, p.95-97. 1999.

MELETTI, L. M. M. Propagação de frutíferas

tropicais. 1ª Edição. Ed. Guaíba: Agropecuária,

Guaíba, 239p. ISBN: 8585347546. 2000.

OLIVEIRA, R. E SCHLIDWEIN, C. Searching for a

Manageable Pollinator for Acerola Orchards: The

Solitary Oil-Collecting Bee Centris analis

(Hymenoptera:Apidae: Centridini). Horticultural

Entomology. vol. 102, no. 1, p. 265-273. 2009.

PAIVA, J. R.; ALVES, R. E.; BARROS, L. M.

Melhoramento genético da acerola (Malpighia

emarginata DC.) na Embrapa Agroindústria

Tropical. Queiróz, M. A.de; Goedert, C. O.;Ramos, S.R.R., ed. Recursos Genéticos e

Melhoramento de Plantas para o Nordeste

brasileiro.

(http://www.cpatsa.embrapa.br/catalogo/livrorg/).

Petrolina-PE: Embrapa Semi-Árido / Brasília-DF:

Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia.

Acesso em 20/mar.2012.

RITZINGER, R.; RITZINGER, C. H. S. P. Boletim

Embrapa: Acerola em foco. Disponível em

http://www.cnpmf.embrapa.br/publicacoes/produto

_em_foco/acerola_09.pdf). 2004. Acesso em

/abr.2010.

SIQUEIRA, K. M. M., MARTINS, C. F., KIILL, L.

H. P.; SILVA, L. T. Estudo comparativo da

polinização em variedades de aceroleiras

(Malpighia emarginata DC., Malpighiaceae).

Revista Caatinga, v. 24, n.2, p.18-25. 2011.

TEIXEIRA, A. H. C.; AZEVEDO, P. V. Índices-

Limite do clima para o cultivo da acerola.

Pesquisa Agropecuária Brasileira v.30, n.12,

p.1403-1410. 1995.

VILHENA, A. M. G. F; RABELO, L. S.; BASTOS,

E. M. A. F; AUGUSTO, S. C. Acerola pollinators in

the savanna of Central Brazil: temporal variations

in oil-collecting bee richness and a mutualistic

network. Apidologie, v.43, p,51-62. 2012.

VILHENA, A. M. G. F.; AUGUSTO, S. C.

Polinizadores da aceloreira Malpighia emarginata

DC. (Malpighiaceae) em área de Cerrado no

Triângulo Mineiro. Bioscience Journal. v. 23,

Supplement 1, p. 14-23, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Magistra

ISSN 2236-4420 - versão on line