Conservação pós-colheita de araruta em função da temperatura de armazenamento

Douglas Correa de Souza, Luis Felipe Lima e Silva, Luciane Vilela Resende, Paula Aparecida Costa, Thiago Sampaio Guerra, Wilson Magela Gonçalves, Thaísa Aparecida Resende Pereira

Resumo


A araruta é considerada uma hortaliça não convencional comumente encontrada em regiões tropicais da América Latina. A espécie é rizomatosa e suas raízes são utilizadas para produção de fécula e farinha, que apresentam elevado teor de amido. Entretanto pouco se conhece sobre as peculiaridades para o cultivo da espécie, assim como as condições ideais de armazenamento, fato que contribui para as perdas pós-colheita e no processamento dos rizomas. Diante da necessidade de informações sobre a conservação em pós-colheita da cultura, objetivou-se com esse trabalho estudar a qualidade dos rizomas de araruta, cultivar “Seta”, em função do tempo e das condições de conservação, visando à produção de mudas e fécula. Após a colheita os rizomas foram separados em lotes homogeneos e acondicionados em câmaras incubadoras BOD em diferentes temperaturas: 5, 10ºC e em temperatura ambiente (19-23ºC). Após trinta dias de armazenamento, foi produzido às mudas e realizado o processamento a fim de se verificar o rendimento da extração de fécula. O delineamento experimental adotado foi inteiramente casualizado. A perda de massa dos rizomas após armazenamento variou de 28,03 a 46,93%. O período e a temperatura de armazenamento influenciaram no rendimento de extração da fécula de araruta, com valores entre 9,45 a 18,41 g.100g-1. Assim não é recomendado o armazenamento dos rizomas de araruta, visando à produção de fécula. Para a produção de mudas é viável utilizar rizomas armazenados em temperatura ambiente.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Manual de hortaliças não-convencionais. (2013). Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo. Brasília: Mapa/ACS, 99 p.

CHITARRA, M. A.; CHITARRA, A. B.(2005). Pós‐Colheita de frutas e hortaliças: fisiologia e manuseio. Lavras: UFLA, 785p.

DAIUTO, E. R.; CEREDA, M. P. (2003). Amido como suporte na desidratação por atomização e em microencapsulamento. In: CEREDA, M. P.; VILPOUX, O. F. (Coord.). Tecnologia, usos e potencialidades de tuberosas amiláceas sul americanas. São Paulo: Fundação Cargill, p. 449-475.

FERNÁNDEZ-TRUJILLO, J. P.; MARTINEZ, J. A.; ARTÉS, F. (1998). Modified atmosphere packaging affects the incidence of cold storage desordens and keeps “flat” peach quality. Food Research International, 31(8), 571-579.

HONG, T. D.; ELLIS, R.H.. (1996). A protocol to determine seed storage behavior. In: ENGELS, J.M.M; TOLL, J. Rome: IPGRI, 62p.

JYOTHI, A. N.; SAJEEV, M. S.; SREEKUMAR, J. N.. (2010).

Hydrothermal modifications of tropical tuber starches. Effect of heat-moisture treatment on the physicochemical, rheological and gelatinization characteristics. Starch–Stärke, 62 (1), 28–40.

KUMALASARI, I. D.; HARMAYANI, E.; LESTARI, L. A.; RAHARJO, S.; ASMARA, W.; NISHI, K.; SUGAHARA, T. (2012). Evaluation of immunostimulatory effect of the arrowroot (Maranta arundinacea. L.) in vitro and in vivo. Cytotechnology, 64 (2), 131–137.

KUMAR, D; SINGH, B.P.; KUMAR, P. (2004). Na overview of the factors affecting sugar contente of potatoes. Annals of Applied Biology, v.145, (1), 247-256.

MASON, W.R. (2009).Starch use in food. In: BeMiller, J.; Whistler, R. (eds) Starch: Chemistry and Technology. West Lafayette: Academic Press, p. 745–795.

PERONI, F. H. G.; ROCHA, T. S.; FRANCO, C. M. L. (2006). Some structural and physicochemical characteri stics of tuber and root starches. Food Science and Technology International, 12 (6), 505–513.

RIBEIRO, R. A.; FINGER, F. L.; PUIATTI, M.; CASALI, V. W. D. (2007). Vida útil e metaboliso de carboidratos em raízes de mandioquinha-salsa sob refrigeração e filme de PVC. Pesquisa Agropecuária Brasileira, 42(4), 453-458.

ROESLER, P. V. S. O.; GOMES, S. D.; MORO, E.; KUMMER, A. C. B.; CEREDA, M.P. (2008). Produção e qualidade de raiz tuberosa de cultivares de batata-doce no oeste do Paraná. Acta Scientiarum: Agronomy Maringá, 30 (1),117-122.

SOUZA, C. S; FINGER, F.L. (2014). Avaliação do tempo de armazenamento refrigerado na brotação e crescimento de plantas de taioba. Magistra, 26 (2), 147-155.

STRECK, N. A.; PINHEIRO, D. G.; ZANON, A. J.; GABRIEL, L. F.; ROCHA, T. S. M.; SOUZA, A. T.; SILVA, M. R. (2014). Efeito do espaçamento de plantio no crescimento, desenvolvimento e produtividade da mandioca em ambiente subtropical. Bragantia, 73 (4), 407-415.

SRICHUWONG, S.; SUNARTI, T. C.; MISHIMA, T.; ISONO, N.; HISAMATSU, M. (2005). Starches from different botanical sources I: Contribution of amylopectin fine structure to thermal properties and enzyme digestibility. Carbohydrate Polymers, 60(4), 529–538.

VIEIRA, J. C. B.; COLOMBO, J. N.; PUIATTI, M.; CECON, P. R.; SILVESTRE, H. C.(2015). Desempenho da araruta ‘Viçosa’ consorciada com crotalária. Agrária, 10(4), 518-524.

WILLS, Ron; GOLDING, John. (2016). Postharvest: an introduction to the physiology and handling of fruit and vegetables. Sydney NSW UNSW Press Wallingford, Oxfordshire Boston .p 293.

ZÁRATE, N. A. H.; VIEIRA, M. C. (2005). Produção da araruta “comum” proveniente de três tipos de propágulos. Ciência e Agrotecnologia, 299 (5), 995-1000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Magistra

ISSN 2236-4420 - versão on line