Caracterização participativa da frota pesqueira do Rio Araguaia – Tocantins, Brasil

Adriano Prysthon da Silva, Eduardo Guilherme Gentil de Farias

Resumo


 

Resumo: A atividade pesqueira na bacia Tocantins-Araguaia é responsável por abrigar aproximadamente 40% dos pescadores artesanais de águas interiores do Brasil. Assim, caracterizar o uso das embarcações faz-se de fundamental importância, visto que estas integram a cadeia da pesca comercial. Contudo, devido ao difícil acesso à várias comunidades ribeirinhas, bem como, em virtude das expressivas dimensões contempladas pelo rio Araguaia, há poucas informações qualitativas e/ou quantitativas acerca das embarcações empregadas nas pescarias comerciais da região. Partindo desta premissa, o presente trabalho visitou 15 comunidades pesqueiras em 14 municípios as margens do rio Araguaia, catalogando as principais informações consoantes às embarcações utilizadas na região de estudo, a saber: tipo de embarcação, matéria prima, tamanho, propulsão, tripulação, jornada de trabalho e capacidade de carga. Foram identificados quatro materiais básicos para a construção de embarcações para a região do Araguaia: madeira, alumínio, aço e fibra de vidro. Em relação ao número de tripulantes, foi possível observar que as frotas costumam conduzir entre 1 e 5 pescadores por operação de captura, havendo uma maior proeminência das atividades pesqueiras que empregam apenas 2 tripulantes por embarcação. As embarcações da região apresentam propulsão manual e com o auxílio de motores de popa e rabeta. A potência encontrada nos motores de rabeta utilizados nas embarcações de tábuas variou de 5 a 9 HP, enquanto que a motorização das embarcações com motores de popa variaram entre 15 a 25 HP. Concluiu-se que a frota pesqueira do rio Araguaia pode ser caracterizada como artesanal e de pequena escala.

 Palavras chave: Águas interiores, Tecnologia naval, Pesca artesanal.

 

 


Texto completo:

PDF

Referências


Agência Nacional de Águas (2005). A navegação interior e sua interface com os recursos hídricos. Recuperado em 10 março, 2017, de http://arquivos.ana.gov.br/planejamento/planos/pnrh/VF%20Navegacao.pdf.

Beard, T. D., Jr., et al. (2016). Inland Fish and Fisheries: A Call to Action. In: Taylor, W.W., Bartley D.M., Goddard C.I., Leonard, N.J. & Welcomme, R., (Eds.) Freshwater, Fish and the Future: proceedings of the global cross-sectoral conference. Rome: FAO. Bethesda: American Fisheries Society.

Begossi, A. (2004). Áreas, pontos de pesca, pesqueiros e territórios na pesca artesanal. In: Begossi, A. Ecologia de Pescadores da Mata Atlântica e da Amazônia (V.1, N.1, pp.223-253). São Paulo: Hucitec.

Bunce, l., Townsley, P., Pomeroy, R., & Pollnac, R. (2000). Socioeconomic manual for coral reef management (180p). Autralian: Australian Institute of Marine Science.

Cordioli, S. (2010). Enfoque participativo no trabalho com grupos. In: Brose, Markus. Metodologias participativas: uma introdução a 29 instrumentos (2 ed., pp. 21-42). Porto Alegre: Tomo Editorial.

Coe, M.T., Latrubesse, E.M., Ferreira, M.E., & Amsler, M.L. (2011). The effects of deforestation and climate variability on the streamflow of the Araguaia River, Brazil. Biogeochemistry, 105 (119). doi: 10.1007/s10533-011-9582-2

Cooke, S.J., et al., (2013). Failure to engage the public in issues related to inland fishes and fisheries: strategies for building public and political will to promote meaningful conservation. Journal of Fish Biology, 83 (4), 997–1018. doi: 10.1111/jfb.12222

Fassarela, S.S. (2008). O trabalho feminino no contexto da pesca artesanal: percepções a partir do olhar feminino. SER Social, Brasília, 10 (23), 171-194.

Garrone-Neto, D., Cordeiro, R.C., & Haddad-Jr, V. (2005). Acidentes do trabalho em pescadores artesanais da região do Médio Rio Araguaia, Tocantins, Brasil. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 21 (3), 795-803.

Geilfus, F. (1997). 80 Herramientas para el Desarrollo Participativo: diagnóstico, planificación, monitoreo, evaluación. San Jose: Instituto Interamericano de Cooperación para la Agricultura.

Oliveira, D., Gazolla, M., & Schneider, S. (2011). Produzindo novidades na agricultura familiar: agregação de valor e agroecologia para o desenvolvimento rural. Cadernos de Ciência & Tecnologia, Brasília, 28 (1), 17-49.

Oviedo, A.F., & Bursztyn, M. (2016). The Fortune of the Commons: Participatory Evaluation of Small-Scale Fisheries in the Brazilian Amazon. Environmental Management, 57 (5), 1009-1023. doi: 10.1007/s00267-016-0660-z.

Ploeg, J. D. V., et al., (2004). On Regimes, Novelties, Niches and Co-Production. In: Wiskerke, J. S. C. & Ploeg, J. D.V. Seeds of Transition (pp. 1-30). Assen: Royal van Gorcum.

Prysthon, A.S., & Ummus, M.E. (2016). Conhecimento, tecnologias e estratégias de captura da pesca artesanal no rio Araguaia, estado do Tocantins. In: Terezinha D., Jane S. E., Consolacion, U., (Eds). Diálogos e saberes: relatos da Embrapa. Brasília, DF: Embrapa, (pp. 511-528).

Prysthon, A.S., Rodrigues, A. P. O., Sousa, D. N., Maciel, P. O., Pedroza Filho, M. X., Ummus, M. E., Flores, R. M. V. (2013). Diagnóstico participativo da piscicultura familiar na região de Divinópolis, TO: Uma abordagem diferenciada para ações de pesquisa e desenvolvimento (Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento n.1, 92 p). Palmas: Embrapa Pesca e Aqüicultura.

Santos, M. A. S. (2005). A cadeia produtiva da pesca artesanal no Estado do Pará: estudo de caso no Nordeste Paraense (the production chain of artisanal fisheries in the state of Pará: a case study from Northeast Pará). Amazônia: Ciência e Desenvolvimento, Belém, 1 (1), 61–81.

Zacarkim, C.E., Piana, P.A., Baumgartner, G., & Aranha, J.M.R. (2015). The panorama of artisanal fisheries of the Araguaia River, Brazil. Fisheries Science, 81, 409–416. doi: 10.1007/s12562-015-0853-z.

Zacarkim, C. E. Dutra, F. M., Oliveira, L. C. (2017). Perfil dos pescadores da foz do rio Araguaia, Brasil. Extensio: Revista Eletrônica de Extensão, Florianópolis, 14 (25), 27-44. Recuperado em 7 novembro, 2017. doi: http://dx.doi.org/10.5007/1807-0221.2017v14n25p27.

Zanirato, S. H., & Ribeiro, W. C. (2007). Conhecimento tradicional e propriedade intelectual nas organizações multilaterais. Ambiente e Sociedade, 10 (1), 39-55.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Magistra

ISSN 2236-4420 - versão on line