Avaliação e caracterização de áreas de preservação permanente no Campus da UFRB, Cruz das Almas, Bahia

Ricardo Vieira Alexandrino, Alessandra Nasser Caiafa

Resumo


Resumo: As florestas e demais formações vegetacionais nativas do país são um bem de interesse comum a todos os habitantes e possibilita o exercício do direito de propriedade e de sua utilização. As Áreas de Preservação Permanente incluem todas as formas de vegetação nativas situadas nas margens de corpos d’água, localizadas em topos de morro e encostas íngremes com declividade superior a 45 º. Esse estudo buscou avaliar, identificar e caracterizar as áreas de preservação permanente no entorno das nascentes do Campus da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia - Cruz das Almas. As áreas próximas às nascentes foram caracterizadas e avaliadas com base nas características e na fragilidade da paisagem, sendo observados a origem e grau de conservação das nascentes; o estágio de regeneração da vegetação ciliar; uso e ocupação das áreas, bem como qualquer outra alteração antrópica. De um total de 43 nascentes avaliadas, 16 foram classificadas como pontuais e 27 difusas. Já segundo seu estado de conservação, foram encontradas duas preservadas, sete perturbadas e 34 degradadas. Entre as maiores perturbações estão a presença das plantas invasoras, presença de animais domésticos e o lixo. Em 76,7% das áreas do entorno das nascentes, no que tange ao seu estagio de regeneração, não se enquadram nas definições da legislação vigente e os pequenos fragmentos existentes são perturbados e encontram-se isolados, o que aponta a necessidade de um plano de restauração e gestão dessas áreas.

 Palavras chave: Nascentes, Código Florestal, Recôncavo Sul Baiano.


Texto completo:

PDF

Referências


Alexandrino, R. V., Silva, F. T. S., Falcão filho, C. A. T., & Galindo, J. R. F. (2013). Aplicações de geotecnologias gratuitas na adequação de propriedades rurais a legislação ambiental. Enciclopédia Biosfera, 9 (17), 3243-3251.

Beli, E., Naldoni, C. E. P., Oliveira, A. C., Sales, M. S. M., Medeiros, G. A., Hussar, G. J., & Reis, F. A. G. V. (2005). Recuperação da área degradada pelo lixão Areia Branca de Espírito Santo do Pinhal – SP. Engenharia Ambiental, 2 (1), 135 -148.

Braga, B., Hespanhol, I., Conejo, J. G. L., Barros, M. T. L., Spencer, M., Porto, M., Nucci, N., Juliano, N., & Eiger, S. (2002). Introdução à Engenharia Ambiental (305p). São Paulo: Prentice Hall.

Brasil. Ministério do Meio Ambiente. Conselho Nacional do Meio Ambiente. (1994). Resolução n° 05, de 04 de maio de 1994. Define a vegetação primária e secundária nos estágios inicial, médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica. Brasília, DF: Diário Oficial da União.

Brasil. (2012). Código Florestal (Lei Federal nº 12.727), de 18 de Outubro de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa e dá outras providências. Brasília, DF: Diário Oficial da União.

Castro, P. S. (2001). Recuperação e conservação de nascentes (Série Saneamento e Meio Ambiente, Manual n. 26, 84p) Viçosa: Centro de Produções Técnicas.

Castro, P. S., & Lopes, J. D. S. (2001). Recuperação e conservação de nascentes (Série Saneamento e Meio Ambiente. Manual, n. 296, 84p). Viçosa: Centro de Produções Técnicas.

Castro, P. S. (2007). Recuperação e conservação de nascentes (272p). Viçosa: Centro de Produções Técnicas.

Fundação Nacional de Saúde. (2004). Manual de Saneamento (408p). Brasília, DF: FUNASA.

Guimarães, M. J. M., & Lopes, I. (2015). Análise da precipitação do município de Cruz das Almas através da técnica de quantis. Anais do Congresso Nacional de Irrigação e Drenagem da Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, SE, Brasil, 25.

Instituto Nacional de Meteorologia. (2017). Banco de Dados Meteorológicos para Ensino e Pesquisa. Recuperado em 26 de março, 2017, de http://www.inmet.gov.br/portal/index.php?r=bdmep/bdmep.

Lewinsohn, T. M., Metzger, J. P., Joly, C. A., Casatti, L., Rodrigues, R. R., & Martinelli, L. A. (2010). Impactos potenciais das alterações propostas para o Código Florestal Brasileiro na biodiversidade e nos serviços ecossistêmicos. Biota Neotropica, 10 (4). Recuperado em 1 de agosto, 2012, de http://www.biotaneotropica.org.br/v10n4/pt/

Martins, S. V. (2001). Recuperação de Matas Ciliares (146p). Viçosa: Aprenda Fácil.

Milaré, E. (2000) Direito do Ambiente: doutrina, prática, jurisprudência, glossário (1680p). São Paulo: Revista dos Tribunais.

Moro, J. C., Costa, E. T. V., Milanese, S., & Moro, R. S. (2005). Comparação da cobertura vegetal nas áreas de preservação permanente na represa de Alagados (PR), de 1980 a 2001. Publicatio UEPG Ciências Biológicas e da Saúde, 11 (2), 13-20.

Mueller, C. C.(2002). Gestão de Matas Ciliares. In: Lopes, I. V., Bastos Filho, G. S., Biller, D., & Bale M. (Org.). Gestão ambiental no Brasil Experiência e sucesso (pp.185-214), Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.

Nanni, A. S., Descovi Filho L., Virtuoso M. A., Montenegro D., Willrich G., Machado P. H., Sperb, R., Dantas G. S., & Calazans, Y.(2012). Quantum GIS - Guia do Usuário, Versão 1.7.4 Wroclaw. Recuperado em 10 de junho, 2012, de http://qgisbrasil.org

Pagano, S. N., & Durigan, G (2000). Aspectos da ciclagem de nutrientes em matas ciliares do Oeste do Estado de São Paulo, Brasil. In: Rodrigues, R. R., & Leitão Filho, H. F. (Ed.). Matas ciliares: conservação e recuperação (pp.109-123). São Paulo: EDUSP/FAPESP.

Pinto, L. V. A., Botelho, S. A., Davide, A. C., & Ferreira, E. (2004). Estudo das nascentes da bacia hidrográfica do Ribeirão Santa Cruz, Lavras, MG. Scientia Forestalis, 65, 197 – 206.

Poelking, E. L., Medauar, P. A. S., & Duarte, E. F. (2016). Mapeamento dos remanescentes florestais na região do Recôncavo da Bahia. In: Duarte, E. F. (Org.). Recursos e estratégias para a restauração florestal: Ações para o Recôncavo da Bahia (pp.3-19). Cruz das Almas: EDUFRB.

Rodrigues, R. R., & Gandolfi, S. (2000). Conceitos, tendências e ações para recuperação de Florestas Ciliares. In: Rodrigues, R. R., & Leitão Filho, H. F. (Ed.). Matas ciliares: conservação e recuperação (pp.235-247). São Paulo: EDUSP.

Rodrigues, M. G. F. (2003). Dinâmica das paisagens naturais no município de Cruz das Almas – BA, com ênfase aos solos. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal da Bahia, Cruz das Almas, Bahia, Brasil.

Sampaio, O. B. (2006). O impacto dos incêndios florestais nas unidades de conservação brasileiras. In: Campos, J. B., Tossulino, M. G. P., & Muller, C. R. C. (Ed.). Unidades de conservação: ações para a valorização da biodiversidade (pp.138-153). Curitiba: Instituto Ambiental do Paraná.

Santana, C. A. de A., Lima, C. C. D., & Magalhães, L. M. S. (2004). Estrutura horizontal e composição florística de três fragmentos secundários na cidade do Rio de Janeiro. Acta Scientiarum Biological Sciences, Maringá, 26 (4), 443-451.

Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia. (2007). Informações Geoambientais: Bacias Hidrográficas do Estado da Bahia.

Silva, J. A. A., Nobre, A. D., Manzatto, C. V., Joly C. A., Rodrigues R. R., Skorupa, L. A., Nobre, C. A., Ahrens, S., May, P. H., Sá, T. D. A., Cunha, M. C., & Rech Filho, E. L. (2011). O Código florestal e a ciência: contribuições para o diálogo (124p). São Paulo: SBPC.

Souza, L. S., Borges, A. L., Cintra, F. L. D., Souza, L. D., & Mello Ivo, W. M. P (2002) Perspectivas de uso dos solos dos Tabuleiros Costeiros. In: Araújo, Q. R. A. (Org.). 500 anos de uso do solo no Brasil (pp.521-580). Ilhéus: Editus.

Veloso, H.P., Rangel Filho, A. L. R., & Lima, L. C. A. (1991). Classificação da vegetação brasileira, adaptada a um sistema universal (124p). Rio de Janeiro: IBGE.

Ziller, S. R. (2006). Espécies exóticas da flora invasora em unidades de conservação. In: Campos, J. B., Tossulino, M. G. P., & Muller, C. R. C. (Ed.). Unidades de conservação: ações para a valorização da biodiversidade (pp.34-53). Curitiba: Instituto Ambiental do Paraná.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Magistra

ISSN 2236-4420 - versão on line