Condições higiênico-sanitárias de food trucks em uma cidade do Recôncavo da Bahia

Milena da Cruz Costa, Sanmily Santos Damacena, Jaiala Nascimento da Silva, Isabella de Matos Mendes da Silva

Resumo


Resumo: Food trucks são práticas de negócio que tem origem norte-americana e que consiste na comercialização de alimentos em veículos. Houve um aumento pela procura desse tipo de comércio de rua pelos consumidores brasileiros e por isso se torna necessário uma atenção para as condições higiênico-sanitárias desses pontos de venda, uma vez que a falta de higiene associada a conservação inadequada dos produtos podem ser responsáveis por Doenças Veiculadas por Alimentos. Diante disso, o objetivo do trabalho foi analisar as condições higiênico-sanitárias de food trucks na cidade de Santo Antônio de Jesus (Bahia, Brasil). Para a realização da pesquisa foi aplicada uma lista de verificação (check list) em 14 food trucks, os quais foram analisados durante os finais de semana no mês de maio de 2017. O check list continha 52 questões, distribuídas nos blocos estabelecimento (14), higiene (6), manipulação (13), equipamentos e utensílios (6) e produção do alimento (11). Foi possível classificar 20,0% dos food trucks observados no Grupo I (bom), 40,0% no Grupo II (regular) e 40,0% no Grupo III (ruim). As principais inadequações observadas foram referentes a higiene dos food trucks e a manipulação dos alimentos. As condições higiênico-sanitárias dos food trucks foram consideradas insatisfatórias, indicando a necessidade da adoção de Boas Práticas incluindo todas as etapas do processamento dos alimentos, sendo necessárias ações formativas e políticas públicas para garantir a produção segura dos alimentos.

 Palavras chave: Comida de rua, Boas práticas, Segurança alimentar

 


Texto completo:

PDF

Referências


Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2002). Resolução nº 275, de 21 de Outubro de 2002. Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos. Recuperado em 24 abril, 2017, de http://portal.anvisa.gov.br/wps/wcm/connect.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2004). Resolução RDC nº 216, de 15 de Setembro de 2004. Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. Recuperado em 24 abril, 2017, de http://portal.anvisa.gov.br/wps/wcm/connect

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2005). Resolução RDC nº 218, de 29 de Julho de 2005. Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Higiênico-Sanitários para Manipulação de Alimentos e Bebidas Preparados com Vegetais. Recuperado em 29 junho, 2017, de http://portal.anvisa.gov.br/documents.

Alves, M. G., & Ueno, M. (2010). Restaurantes self service: segurança e qualidade sanitária dos alimentos servidos. Revista de Nutrição, 23 (4), 573-580.

Araújo, L. M. P., Nascimento, B. M., Honorato, I. R., Castro, T. D. S., Lima, A. P., & Chaud, D. M. A. (2018). Condições higienicossanitárias de pontos de venda de pastéis localizados em feiras livres do município de São Paulo. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, 16 (2), 1-7.

Associação Brasileira de Refeições Coletivas. (2009). Manual ABERC de Práticas de Elaboração e Serviço de Refeições para Coletividades [Catálogo]. São Paulo: ABERC.

Barbosa, L. B., Motreira, M. R., Lustosa, I. B. S., Brito, F. C. R., Sousa, V. S. S., & Cabral, L. A. (2018). Avaliação das boas práticas higiênico-sanitárias em food trucks. Motricidade, 14 (1), 226-231.

Berbicz, F., Genta, T. M. S., Mangolin, C. S., Fidelis, J. C. F., Ferreira, L. R., Rodella, J. R. T., & Portilho, M., Matioli, G. (2010). Melhoria das condições de higiene em pontos de venda de cachorro-quente. Revista do Instituto Adolfo Lutz, 69 (1), 99-105.

Chukuezi, C. O. (2010). Food Safety and Hyienic Practices of Street Food Vendors in Owerri, Nigeria. Studies in Sociology of Science, 1(1), 50-57.

Ganho, A. F., Aun, F. V., Coelho, J. M., & Chaud, D. M. A. (2011). Condições Higiênico-sanitárias de Pontos de Venda de Caldo de Cana na Cidade de São Paulo-SP. Simbio-Logias, 4 (6).

Fattori, F. F. A, Souza, L. C., Braoios, A., Ramos, A. P. D, Tashima, N. T, Neves, T. R. M., & Barbosa, R. L. (2005). Aspectos sanitários em “trailers” de lanche no município de Presidente Prudente, SP. Revista Higiene Alimentar. 19, 54-62.

Microsoft (2010). Office Excel. (Version 14.0) [Programa de computador]. 1 CD-ROM.

Nonato, I. L., Fonseca, V. R. S., Paz, J. G., Nomelini, Q. S. S., Pascoal L, G. B., & Souza, D. A. D. (2012). Qualidade higiênico sanitária de pontos de venda e análise microbiológica de alimentos de rua comercializados no Campus Umuarama da Universidade Federal de Uberlândia. Bioscience Journal. 28 (6), 1061-1071.

Oliveira, A. B. A., Paula, C. M. D., Capalonga, R., Cardoso, M. R. I., & Tondo, E. C. (2010). Doenças transmitidas por alimentos, principais agentes etiológicos e aspectos gerais: uma revisão. Revista HCPA. 30 (3), 179-285.

Silva, G. D. L, Lima, L. F., & Lourenço, N. S. (2015). Food truck na cidade de São Paulo e a influência do perfil do consumidor em sua longevidade: aspectos socioculturais. São Paulo, Revista Fatec Zona Sul.

Souza, A. C., Oliveira, G. E. M., Ogana, W. N., & Poletto, K. Q. (2014).

Microrganismos encontrados em dinheiro brasileiro coletado em feira livre. Revista NewsLab. Recuperado em 20 abril, 2017, de http://www.newslab.com.br/newslab/ed_anteriores/77/art06/art06.pdf.

Souza, G. C., Santos, T., Andrade, A. A., & Alves, L. (2015). Comida de rua: avaliação das condições higiênico-sanitárias de manipuladores de alimentos. Revista Ciência & Saúde Coletiva. 20 (8), 2329-2338.

Soto, F. R. M., Risseto, M. R., Shimozako, D. L. H. J., Camargo, C. C., Iwata, K. & Camargo, C. A. (2008). Metodologia de avaliação das condições sanitárias de vendedores ambulantes de alimentos no Município de Ibiúna-SP. Revista Brasileira de Epidemiologia, 11(2), 297-303.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Magistra

ISSN 2236-4420 - versão on line