Temperatura e fotoperíodo sobre a germinação de sementes de Poincianella pyramidalis (Tul.) L.P. Queiroz

Teresa Aparecida Soares de Freitas, Andrea Vita Reis Mendonça, Karyn Frichis do Nascimento, Leanderson Fabrício Barreto de Oliveira, Leonardo Silva Souza

Resumo


Resumo: Os estudos com sementes de espécie nativas precisam ser realizados para atender as demandas ambientais e para valorização do uso múltiplo possibilitando geração de renda. A catingueira (Poincianella pyramidalis) tem grande importância econômica e ambiental no bioma Caatinga, porém ainda carece de estudos como estratégia para sua conservação. Assim, o objetivo deste trabalho foi estudar o desempenho germinativo de sementes de catingueira, submetidas a diferentes temperaturas e fotoperíodos. Foram instalados dois experimentos sendo o primeiro testando as temperaturas de 25, 30 e 25-30 °C; e o segundo, foram avaliados os fotoperíodos de 8 e 12 horas. Adotou-se o delineamento inteiramente casualizado em arranjo fatorial 6x3 (sementes de seis árvores matrizes e três temperatura) e 5x2 (sementes de cinco árvores matrizes e dois fotoperíodos). Os testes de germinação foram conduzidos em câmara de germinação. Foram avaliadas a percentagem de germinação de plântulas normais (%G), índice de velocidade de germinação (IVG), comprimento da parte aérea e raiz de plântulas normais e razão do comprimento raiz e parte aérea (R/PA). As médias foram comparadas pelo teste de Tukey a 5% de significância. Observou-se que a temperatura de 25 °C proporcionou maiores percentagens de germinação, IVG e comprimento de raiz. Já o fotoperíodo de 8h contribuiu para o desenvolvimento do sistema radicular, obtendo maiores resultados no comprimento das raízes e na razão R/PA das plântulas de catingueira. As condições ideais para a germinação de sementes de Poicianella pyramidalis são na temperatura de 25 °C e fotoperíodo de 8 horas.

Palavras chave: Catingueira, Germinação, Fisiologia Vegetal

 

 


Texto completo:

PDF

Referências


Alves, E. U., Cardoso, E. A., Bruno, R.L. A., Alves, A. U., Alves, A. U., Galindo, E. A., & Braga Jr., J. M. (2007). Superação da dormência em sementes de Caesalpinia pyramidalis Tul. Revista Árvore, 31(3), 405-415. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S010067622007000300006

Andrade, A. C. S., Pereira, T. S., Fernandes, M. de J., Cruz, A. P. M., & Carvalho, A. S. R. (2006). Substrato, temperatura de germinação e desenvolvimento pós-seminal de sementes de Dalbergia nigra. Pesquisa Agropecuária Brasileira, 41(3), 517-523. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100204X2006000300020

Assis, C. O., Trugilho, P. F., Mendes, L. M., Silva, J. R. M., & Lima, J. T. (2008). Sistema alternativo para carbonização de madeira. Scientia Forestalis, 36 (78), 133–140. Recuperado em http://www.ipef.br/publicacoes/scientia/nr78/cap05.pdf

Belarmino, K. S., Rêgo, M. M., Bruno, R. L. A., Medeiros, G. D. A., Andrade, A. P., & Rêgo, E. R. (2017). Genetic diversity in a Poincianella pyramidalis (Tul.) L.P. Queiroz population assessed by RAPD molecular markers. Genetics and Molecular Research, 16 (3). gmr16039663. DOI: http://dx.doi.org/10.4238/gmr16039663

Brancalion, P. H. S., Novembre, A. D. L. C., Rodrigues, R. R., & Chamma, H. M. C. P. (2008). Efeito da luz e de diferentes temperaturas na germinação de sementes de Heliocarpus popayanensis L. Revista Árvore, 32 (2), 225-232. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622008000200005

Brasil. Ministério da Agricultura e da Reforma Agrária. (2009). Regras para análise de Sementes (365p). Brasília: SNAD/DNDV/CLAV.

Claussen, J. W. (1996). Acclimation abilities of three tropical rain forest seedlings to an increase in light intensity. Forest Ecology andManagementn, 80, 245-255. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/0378-1127(95)03606-7

Costa, E. S., Santos Neto, A. L., Costa, R. N., Silva, J. V., Souza, A. A., & Santos, V. R. (2013). Dormência de sementes e efeito da temperatura na germinação de sementes de Mororó. Revista de Ciências Agrárias, 56, 19-24. DOI: http://dx.doi.org/10.4322/rca.2013.010

Demuner, V. G., Adami, C. , Mauri, J., Dalcolmo, S., & Hebling, S. A. (2008). Influência da luz e da temperatura na germinação de sementes de Erythrina verna (Leguminosae, Papilionoideae). Boletim do Museu de Biologia Mello Leitão, 24, 101-110.

Ferraz-Grande, F. G. A., & Takaki, M. (2006). Efeitos da luz, temperatura e estresse de água na germinação de sementes de Caesalpinia peltophoroides benth. (caesalpinoideae). Bragantia, 65 (1), 37-42. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S000687052006000100006

Figliolia, M.B., Aguiar, I.B., & Silva, A. (2009). Germinação de sementes de três espécies arbóreas brasileiras. Revista do Instituto Florestal, 21 (1),107-115. Recuperado de http://www.iflorestal.sp.gov.br/publicacoes/revista_if/RIF-21-1/107-115.pdf

Flora do Brasil (2017). Fabaceae: in Flora do Brasil 2020 [em construção]. Rio de Janeiro: Jardim Botânico. Recuperado em 21 agosto ,2017, de http://reflora.jbrj.gov.br/reflora/floradobrasil/FB8560

Foundation for Statistical Computing. (2009). R Core Team R: A language and environment for statistical computing. (Versão 3.4.2) [Programa de computador]. Vienna, Austria: R Foundation for Statistical Computing. Recuperado de https://www.R-project.org/.

Giulietti, A. M. et al. (2004.) Diagnóstico da vegetação nativa do bioma Caatinga. In: Silva, J. M. C., Tabarelli, M. T., & Lins, L. V. (Org.). Biodiversidade da Caatinga: áreas e ações prioritárias para a conservação (pp.48-90). Brasília, DF: Ministério do Meio Ambiente.

Guimarães, L. C., Oliveira, C. F. R., Marangoni, S., Oliveira, D. G. L., &, Macedo, M. L. R. (2015). Purification and characterization of a Kunitz inhibitor from Poincianella pyramidalis with insecticide activity against the Mediterranean flour moth. Pesticide Biochemistry and Physiology. 118, 1-9. DOI: https://doi.org/10.1016/j.pestbp.2014.12.001

Larcher, W. (2003). Physiological plant ecology: ecophysiology and stress physiology of functional groups (533 p). Berlin: Springer.

Leite, A. V., & Machado, I. C. (2009). Biologia reprodutiva da "catingueira" (Caesalpinia pyramidalis Tul., Leguminosae-Caesalpinioideae), uma espécie endêmica da Caatinga. Revista Brasileira de Botânica, 32 (1), 79-88. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-84042009000100008

Leme, C. L. D., & Gasson, P. (2012). Anatomical comparison of original andregrowth wood from coppiced and pollarded Poincianella pyramidalis trees in the caatinga of Pernambuco, Brazil. Iawa Journal, 33 (1), 63-72. DOI: http://dx.doi.org/10.1163/22941932-90000080.

Lima Jr., M. J. (2010). Manual de procedimentos para análise de sementes florestais (83p). ABRATES.

Lima, C. R., Bruno, R. L. A., Silva, K. R. G., Pacheco, M. V., & Alves, E. U. (2014). Qualidade fisiológica de sementes de diferentes árvores matrizes de Poincianella pyramidalis (Tul.) L. P. Queiroz. Revista Ciência Agronômica, 45 (2), 370-378. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1806-66902014000200019

Lima, C. R., Pacheco, M. V., Bruno, R. L. A., Ferrari, C. dos S., Braga Jr., J. M., & Bezerra, A. K. D. (2011). Temperaturas e substratos na germinação de sementes de Caesalpinia pyramidalis TUL. Revista Brasileira de Sementes, 33 (2), 216-222. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-31222011000200003

Lima, T. M., Mendonça, A. V. R., Paixão, C. C., Freitas, T. A. S., & Moreira, R. F. C. (2017). Influence of temperature and photoperiod on the germination of Senegalia bahiensis seeds. Semina: Ciências Agrárias, 38(3), 1103-1114.

DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0359.2017v38n3p1103

Lone, A. B., Takahashi, L. S. A., Faria, R. T., & Unemoto, L. K. (2007). Germinação de Melocactus bahiensis (Cactaceae) em diferentes substratos e temperaturas. Scientia Agrária. 8 (4), 365-369. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rsa.v8i4.9881

Lorenzi, H. (2009). Árvores brasileiras: Manual de Identificação e Cultivo de Plantas Arbóreas Nativas do Brasil (1 ed.,vol. 3, 384p). Nova Odessa: Plantarum.

Maia, G. N. (2012). Caatinga: árvores e arbustos e suas utilidades (2 ed., 413p). Fortaleza: Print color.

Malavasi, M. M. (1988). Germinação de sementes. In: Piña Rodrigues, F. C. M. Manual de análise de sementes florestais (pp. 25-40). Campinas: Fundação Cargill

Mayer, A. M., & Poljakoff-Mayber, A. (1989). The germination of seeds (270p). New York: Pergamon Press.

Melo, R. R., Cunha, M. C. L., Rodolfo Jr., F., & Stangerlin, D. M. (2008). Crescimento inicial de mudas de Enterolobium contortisiliquum (Vell.) Morong. sob diferentes níveis de luminosidade. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, 3 (2), 138-144. DOI: http://dx.doi.org/ 10.5039/agraria.v3i2a263

Mendonça, A. V. R., Freitas, T. A. S. de, Souza, L. S., Fonseca, M. D. S., & Souza, J. S. (2016). Morphology of fruit and seed and germination on Poincianella pyramidalis (Tul.) L. P. Queiroz, comb. Nov. Ciência Florestal, 26 (2), 375-387. DOI: http://dx.doi.org/ 10.5902/1980509822738.

Mendonça, A. V. R., Passos, L. G., Victor-Junior, V. V., Freitas, T. A. S. de, & Souza, J. S. (2014). Produção e armazenamento de sementes de Poincianella pyramidalis (Tul.) L. P. Queiroz, em resposta a diferentes ambientes de coleta. Agrária: Revista Brasileira de Ciências Agrárias, 9 (3), 413-419. DOI: http://dx.doi.org/10.5039/agraria.v9i3a2589

Mondo, V. H. V., Brancalion, P. H. S., Cícero, S. M., Novembre, A. D. L. C., & Dourado Neto, D. (2008). Teste de germinação de sementes de Parapiptade niarigida (Benth.) Brenan (Fabaceae). Revista Brasileira de Sementes, 30 (2), 177-183. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-31222008000200022

Oliveira, L. M., Carvalho, M. L. M., Silva, T. T. de A., & Borges, D. I. (2005). Temperatura e regime de luz na germinação de sementes de Tabebuia impetiginosa (Martiusex A. P. de Candolle) Standley e T. serratifolia Vahl Nich. – Bignoniaceae. Ciência e agrotecnologia, 29 (3), 642-648. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-70542005000300020

Passos, M. A. A. Silva, F. J. B. C., Silva, E. C. A., Pessoa, M. M. L., & Santos, R. C. (2008). Luz, substrato e temperatura na germinação de sementes de cedro-vermelho. Pesquisa Agropecuária Brasileira, 43 (2), 281-284. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-204X2008000200019

Santos, A. C. da S., Oliveira, R. L. S., Costa, A. F. da, Tiago, P. V., & Oliveira, N. T. de. (2016). Controlling Dactylopius opuntiae with Fusarium incarnatum– equiseti species complex and extracts of Ricinus communis and Poincianella pyramidalis. Journal of Pest Science, 89(2), 539-547. DOI: http://dx.doi.org/10.1007/s10340-015-0689-4.

Santos, R. S., Ramos, D. L. D., Silva, T. C. F. S., Matias, J. R., & Dantas, B. F. (2012). Processo germinativo de Sementes de Catingueira–verdadeira (Caesalpinia pyramidalisTull.) em diferentes temperaturas. In: Jornada de iniciação científica da Embrapa Semiárido, Jornada de iniciação científica da FACEPE/UNIVASF, Petrolina, PE, Brasil, 7. Recuperado de http://www.alice.cnptia.embrapa.br/handle/doc/946009.

Saraiva, A. M., Saraiva, C. L., Gonçalves, A. M., Soares, R. R., Mendes, F. de O., Cordeiro, R. P., Xavier, H, S., & Pisciottano, M. N. C. (2012). Antimicrobial activity and bioautographic studyo fantista phylococcal components from Caesalpinia pyramidalis Tull. Brazilian Journal of Pharmaceutical Sciences, 48 (1), 147-154. http://dx.doi.org/10.1590/S1984-82502012000100016

Silva, K. B., Alves, E. U., Oliveira, A. N. P., Rodrigues, P. A. F., Souza, N. A., & Aguiar, V.A. (2014). Variabilidade da germinação e caracteres de frutos e sementes entre matrizes de Sideroxylon obtusifolium (Roem. & Schult.) T.D. Penn. Revista Eletrônica de Biologia, 7(3), 281-300. Recuperado de https://revistas.pucsp.br/index.php/reb/article/view/18356/15350

Silveira, D. G., Pelacani, C. R., Antunes, C. G. C., Rosa, S. S., Souza, F. V. D., & Santana, J. R. F. de (2011). Resposta germinativa de sementes de caroá (Neoglaziovia variegata (ARRUDA) MEZ). Ciência & Agrotecnologia, 35 (5), 948-955. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-70542011000500012


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Magistra

ISSN 2236-4420 - versão on line