Superação de dormência de sementes de Libidibia ferrea (Mart. ex Tul.) L. P. Queiroz var. ferrea

Ariana Veras de Araújo, Monalisa Alves Diniz da Silva, André Pereira Freire Ferraz

Resumo


Resumo: A presença de dormência tegumentar é uma característica de muitas espécies de Fabaceae que se desenvolvem na região semiárida. Diante disso, objetivou-se identificar o melhor tratamento pré-semeadura para superação de dormência de sementes de Libidibia ferrea. Os tratamentos foram: sementes intactas, escarificações mecânicas (lixa e punctura) na região oposta ao hilo (com e sem imersão em água por 24 h) e escarificações químicas em ácido sulfúrico (98%) por 10 e 20 minutos e soda cáustica (10 e 20%) por 10, 15 e 20 minutos. Avaliou-se emergência, índice de velocidade e tempo médio de emergência, comprimento e massa seca da parte aérea e do sistema radicular das plântulas normais. A escarificação com lixa e ácido sulfúrico promoveram os maiores valores de emergência de plântulas de Libidibia ferrea. Contudo, a soda cáustica a 10 e 20% durante 10 e 20 minutos e a punctura com pirógrafo acrescida de 24 h de imersão em água mostraram-se eficientes quanto a emergência de plântulas em relação às sementes intactas. O índice de velocidade de emergência foi de 3,1 para as sementes escarificadas e posteriormente imersas em água por 24 h. A massa seca da parte aérea não diferiu entre os tratamentos, por sua vez, a maior massa seca do sistema radicular foi verificada nas plântulas das sementes intactas. As escarificações físicas, assim como as químicas, se mostraram eficazes para superar a dormência do tegumento e aumentar a emergência de plântulas de Libidibia ferrea; contudo, recomenda-se a escarificação física com lixa na região oposta ao hilo.

 Palavras chave: Espécie florestal, Emergência de plântulas, Impermeabilidade do tegumento.


Texto completo:

PDF

Referências


Alves, E. U., Bruno, R. L. A., de Oliveira, A. P., Alves, A. U., & Alves, A. U. (2009). Escarificação ácida na superação de dormência de sementes de pau-ferro (Caesalpinea ferrea Mart. ex Tu. var. leiostachya Benth.). Revista Caatinga, 22 (1), 37-47.

Alves, E. U., Cardoso, E. A., Bruno, R. de L. A., Alves, A. U., Alves, A. U., Galindo, E. A., & Braga, J. M., Jr. (2007). Superação da dormência em sementes de Caesalpinia pyramidalis Tul. Revista Árvore, 31(3), 405-415. Recuperado de http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622007000300006.

Araújo, A. V., Freire, C. S., Pinto, M. A. D. S. C., & Barboza, V. R. de S. (2013). Métodos de superação de dormência para a produção de mudas de Leucaena leucocephala (Lam.) de Wit. Enciclopédia Biosfera, 9 (17), 1898-1908.

Araújo, A. V., Pinto, M. A. D. S. C., de Brito, A. C. V., Brito, A. S., & de Souza, V. N. (2014). Métodos alternativos para a superação de dormência de sementes de Adansonia digitata L. Enciclopédia Biosfera, 10 (18), 2165-2173.

Avelino, J. I., Lima, J. S. S., Ribeiro, M. C. C., Chaves, Q. P., & Rodrigues, G. S. de O. (2012). Métodos de quebra de dormência em sementes de jucá (Caesalpinia ferrea Mart. ex Tul. var. ferrea). Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, 7 (1), 102-106.

Coelho, M. F. B., Maia, S. S. S., Oiveira, A, K., & Diógenes, F. E. P. (2010). Superação da dormência tegumentar em sementes de Caesalpinia ferrea Mart ex Tul. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, 5(1), 74-79. Recuperado de http:/dx.doi.org/10.5039/agraria.v5i1a570.

Farias, R. M., Freitas, R. M. O., Nogueira, N. W., & Dombroski, J. L. D. (2013). Superação de dormência em sementes de jurema-branca (Piptadenia stipulacea). Revista de Ciências Agrárias, 56 (2), 160-165. Recuperado de http:/dx.doi.org/10.4322/rca.2013.024.

Fenner, R., Betti, A. H., Mentz, L. A., & Rates, S. M. K. (2006). Plantas utilizadas na medicina popular brasileira com potencial atividade antifúngica. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas, 42 (3), 369-394. Recuperado de http://dx.doi.org/10.1590/S1516-93322006000300007.

Ferraz, I. D. K., & Calvi, G. P. (2010). Teste de germinação. In: Lima, M. J. V., Jr. (Ed). Manual de procedimentos para análise de sementes florestais. Manaus, AM: UFAM.

Labouriau, L. G., & Valadares, M. E. B. (1976¬). On the germination of seeds Calotropis procera (Ait.) Ait. f. Anais da Academia Brasileira de Ciências, 48 (2), 263-284.

Lima, J. S., Chaves, A. P., Medeiros, M. A., Rodrigues, G. S. O., & Benedito, C. P. (2013). Métodos de superação de dormência em sementes de flamboyant (Delonix regia). Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, 8 (1), 104-109.

Lorenzi, H. (2008¬). Árvores Brasileiras: Manual de Identificação e Cultivo de Plantas Arbóreas Nativas do Brasil, (5 ed.). Nova Odessa, São Paulo: Instituto Plantarum.

Maguire, J. D. (1962). Speed of germination-aid in and evaluation for seedling emergence and vigour. Crop Science, 2 (1), 176-177. Recuperado de http://dx.doi.org/10.2135/cropsci1962.0 011183X000200020033x.

Marcos Filho, J. (2015). Fisiologia de Sementes de Plantas Cultivadas. (2 ed.). Piracicaba, SP: Fundação de Estudos Agrários Luiz de Queiroz-FEALQ.

Nakagawa, J. (1999). Teste de vigor baseados no desempenho das plântulas. In: Krzyzanowski, F. C., Vieira, R. D., & França, J. B., Neto. (Eds). Vigor de sementes: conceitos e teses. Londrina: ABRATES.

Nascimento, I. L., Alves, E. U., Bruno, R. L. A., Gonçalves, E. P., Colares, P. N. Q., & De Medeiros, M. S. (2009). Superação da dormência em sementes de faveira (Parkia platycephala Benth). Revista Árvore, 33 (1), 35-45. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622009000100005.

Nogueira, N. W., Martins, H. V. G., Batista, D. P., Ribeiro, M. C. C., & Benedito, C. P. (2010). Grau de dormência das sementes de jucá em função da posição na vagem. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, 5 (1), 39-42.

Pereira, M. S. (2011). Manual técnico - Conhecendo e produzindo sementes e mudas da caatinga. Fortaleza: Associação Caatinga.

Shimizu, E. S. C., Pinheiro, H. A., Costa, M. A., & Dos Santos, B. G., Filho. (2011). Aspectos fisiológicos da germinação e da qualidade de plântulas de Schizolobium amazonicum em resposta à escarificação das sementes em lixa e água quente. Revista Árvore, 35 (4), 791-800. Recuperado de http:dx.doi.org/10.1590/S0100-67622011000500004.

Silva, C. G., Marinho, M. G. V., Lucena, M. F. A., & Costa, J. G. M. (2015). Levantamento etnobotânico de plantas medicinais em área de Caatinga na comunidade do sítio Nazaré, munícipio de Milagres, Ceará, Brasil. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, 17(1), 133-142. Recuperado de http:dx.doi.org/10.1590/1983-084X/12_055.

Silva, F. A. S. E., & Azevedo, C. A. V. (2009). Principal Components Analysis in the Software Assistat-Statistical Attendance. Anais do World Congress on Computers in Agriculture. Reno, NV, USA: American Society of Agricultural and Biological Engineers, 7.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Magistra

ISSN 2236-4420 - versão on line