Morfologia de sementes e plântulas de moringa (Moringa oleifera Lam) Moringaceae

Jerffeson Araujo Cavalcante, Kilson Pinheiro Lopes, Natali Almeida Evangelista, Romário de Mesquita Pinheiro, Fernanda da Silva Sedrez

Resumo


Resumo: A moringa (Moringa oleifera Lam)  é uma planta originária da Índia de crescimento rápido, que se adapta facilmente às condições edafoclimáticas do nordeste brasileiro. No entanto, ainda são poucas informações existentes sobre a produção de mudas desta espécie, desta forma, o objetivo desse trabalho foi caracterizar aspectos morfobiométricos da semente, e morfologia da germinação e plântulas de moringa. Foram utilizadas 200 sementes de moringa em completo estádio de maturação fisiológica, sendo este no momento de dispersão pela própria planta. Realizou-se a caracterização morfobiométrica das sementes, sendo mensuradas as medidas de comprimento e largura com auxílio de um paquímetro digital e a visualização de partes integrantes das sementes através de lupas estereoscópicas, realizando-se ilustrações manuais da morfologia da germinação e de plântulas. Os dados foram avaliados no Microsoft Excel. As sementes de moringa apresentam tamanho mediano para comprimento de10,92 mm e espessura de10,41 mm, peso de mil sementes superior a200 g e umidade em torno de 7%. Possui três estruturas aladas semelhantes partindo do hilo e um par de cotilédones recobrindo o eixo embrionário. A germinação caracteriza-se como hipógea do tipo criptocotiledonar com protrusão da radícula após cinco dias de embebição e completa formação da plântula no 18º dia após semeadura.

 Palavras chave: Biometria, Botânica, Espécie florestal.

 


Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, E. B. Jr., Lima, L. F., Lima, P. B., & Zickel, C. S. (2010). Descrição morfológica de frutos e sementes de Manilkara salzmannii (Sapotaceae). Floresta, 40 (3), 535-540. DOI: http:// dx.doi.org/ 10.5380/rf.v40i3.18915.

Alves, E. U., Bruno, R. L. A., Oliveira, A. P., Alves, A. U., Alves A. U., & Paula R. C. (2005). Influência do tamanho e da procedência de sementes de Mimosa caesalpiniifolia Benth. sobre a germinação e vigor. Revista Árvore, 29 (6), 877-885. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622 005000 600006.

Barroso, G. M., Morim, M. P., Peixoto, A. L., & Ichaso, C. L. F. (1999). Frutos e sementes: morfologia aplicada à sistemática de dicotiledôneas (443p). Viçosa: UFV.

Batista, G. S., Costa, R. S., Gimenes, R., Pivetta, K. F. L., & Môro, F. V. (2011). Aspectos morfológicos dos diásporos e das plântulas de Syagrus oleracea (Mart.) Becc - Arecaceae. Comunicata Scientiae, 2 (3), 170-176.

Bezerra, A. M. E., Momenté, V. G., & Medeiros Filho, S. (2004). Germinação de sementes e desenvolvimento de plântulas de Moringa (Moringa oleifera Lam.) em função do peso da semente e do tipo de substrato. Horticultura Brasileira, 22 (2), 295-299. DOI: http://dx. doi.org/ 10.1590/S010 2-05362004000200 026.

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. (2009). Regras para análise de sementes. Brasília, DF: Mapa/ACS.

Carvalho, N. M., & Nakagawa, J. (2012). Sementes: ciência, tecnologia e produção. (13 ed., 590p). FUNEP: Jaboticabal,

ChamiI, L. B., Araujo, M. M., Longhi, S. J., Kielse, P., & Lúcio A. D. (2011) Mecanismos de regeneração natural em diferentes ambientes de remanescente de Floresta Ombrófila Mista, São Francisco de Paula, RS. Ciência Rural, 41 (2).

Cunha, M. C. L., & Ferreira, R. A. (2003). Aspectos morfológicos da semente e do desenvolvimento da planta jovem de Amburana cearensis (Arr. Cam.) A.C. Smith - cumaru - Leguminosae - Papilionoideae. Revista Brasileira de Sementes, 25 (2), 89-96.

Duke, J. A. (1965). Keys for the identificacion of seedlings of some preeminent wood species in eight forest types in Puerto Rico. Annals of the Missouri Botanical Garden, 52 (3), 314-350.

Feliciano, A. L. P., Marangon, L. C., & Holanda, A. C. (2008). Morfologia de sementes, de plântulas e de plantas jovens de aroeira (Myracrodruon urundeuva Allemão). Revista de Biologia e Ciências da Terra, 8 (1), 198-206.

Ferreira, R. A., Oliveira, L. M., Tonetti, O. A. O., & Davide, A. C. (2001). Morfologia de sementes e plântulas e avaliação da viabilidade da semente de sucupira-branca (Pterodon pubescens Benth. Fabaceae) pelo Teste de Tetrazólio. Revista Brasileira de Sementes, 23 (1), 108-115. DOI: 10.17801/0101-312 2/ rbs.v23n1p108-115.

Gonçalves, E. G., & Lorenzi, H. (2011). Morfologia vegetal: organografia e dicionário ilustrado de morfologia de plântulas vasculares ( 2 ed.). São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora.

Lemes, E. M., Mackowiak, C. L., Blount, A., Marois, J. J., Wright, D. L., Coelho, L., & Datnoff, L. E. (2011). Effects of silicon applications on soybean rust development under greenhouse and field conditions. Plant Disease, 95, 317-324 DOI: 10.1094/PDIS-07-10-05 00.

Lorenzi, H., & Matos, F. J. A. (2002). Plantas medicinais no Brasil: nativas e exóticas cultivadas (347p). Nova Odessa: Instituto Plantarum.

Lopes, J. C., & Matheus, M. T. (2008). Caracterização morfológica de sementes, plântulas e da germinação de Dimorphandra wilsonii Rizz. – faveiro-de-wilson (Fabaceae Caesalpinioideae). Revista Brasileira de Sementes, 30 (1), 96-101.

Machado, S., Cysneiros, V., R. G. Nascimento, Martins, A., & Schmidt, L. (2017). Projeção da estrutura diamétrica de grupos ecológicos em uma floresta Ombrófila Mista. Floresta Ambiente, Seropédica, 24 , e20160012. http://dx.doi.org/10. 1590/2179-80 87.001 2 16.

Microsoft. (2010). Excel Office Professional: Windows Vista [Software] (CD-Rom). Madrid: Microsoft

Marcos Filho, J. (2015). Fisiologia de Sementes de Plantas Cultivadas. (2 ed., 659p). Londrina: Abrates.

Matheus, M. T., & Lopes, J. C. (2007) Morfologia de frutos, sementes e plântulas e germinação de sementes de Erythrina variegata L. Revista Brasileira de Sementes, Londrina, 29 (3), 8-15. DOI:http://dx.doi.org/10.1590/S0101-3122200700 0300002.

Melo, M. G. G., Mendonca, M. S., & Mendes, Â. M. S. (2004). Análise morfológica de sementes, germinação e plântulas de jatobá (Hymenaea intermedia Ducke var. adenotricha (Ducke) Lee & Lang.) (Leguminosae-Caesalpinioideae). Acta Amazônica, 34 (1), 9-14. DOI: http://dx.doi.org/1 0.1590/S 0044-59672004000100002.

Mourão, K. S. M., Mourão, K. S. M., Dias-Pinto, D., Souza, L. A., & Moscheta, I. S. (2002). Morfoanatomia de plântula e do tirodendro de Trichilia catigua A. Juss., T. elegans A. Juss. e T. pallida Sw.(Meliaceae). Acta Scientiarum. Biological Sciences, 24 (2), 601-610. DOI: http://d x.doi.org/10.4025/actascibiolsci.v24i0.2363

Ramos, L. M., Costa, R. S., Môro, F. V., & Silva, R. C. (2010). Morfologia de frutos e sementes e morfofunção de plântulas de Moringa (Moringa oleifera Lam.). Comunicata Scientiae. 1 (2), 156-160.

Reid, M. (2002). Ethylene in postharvest technology. In: Kader, A. A. (Ed). Postharvest technology of horticultural crops (pp.149-162). Oakland: University of California.

Sánchez, N. R. (2004). Marango: Cultivo y utilización en la alimentación humana (Serie técnica n. 5). Recuperado em 9 abril, 2017, de http://www.underutilized-species.org/Documents/ PUBLICATIONS/m orango_manuallr.pdf.

Sánchez, N. R. (2006). Moringa oleifera and Cratylia argêntea: Potential Fooder Species for Ruminants in Nicaragua. 51f. (Tese de Doutorado) - Swdish University of Agricultural Sciences, Uppsala, Suécia.

Silva, J. P. V., Serra, T. M., Gossmann, M., Wolf, C. R., Meneghetti, M. R., & Meneghetti, S. M. P. (2010). Moringa oleifera oil: Studies of characterization and biodiesel production. Biomass and Bioenergy. 34 (10), 1527-1530. DOI: https//dois.org/10.1016/j.biombioe.201 0.04.002.

Souza, V. C., & Lorenzi, H. (2008). Botânica sistemática: guia ilustrado para identificação das famílias de fanerógamas nativas e exóticas no Brasil, baseado em APG II. 2ª ed., Instituto Plantarum, Nova Odessa. 2008.

Vidal, W. N., & Vidal, M. R. R. (2003). Botânica: organografia (2 ed., 124p). Viçosa, MG: UFV


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Magistra

ISSN 2236-4420 - versão on line