Umidade do substrato e desempenho da emergência da espécie Anadenanthera peregrina (L) speg.

Gabriel Oliveira Silva, Bruno Aurélio Campos Aguiar, David Camargo Viera Terra, Rhonan Martins Sousa, Euclides Figueredo Fonseca, Priscila Bezerra Souza

Resumo


Resumo: A intensificação do desmatamento e as alterações ocasionadas pelas atividades antrópicas, são as principais formas de perda da vegetação do Cerrado. A espécie Anadenanthera peregrina (L.) Speg. conhecida popularmente por angico-vermelho pertencente a família Fabaceae, com ocorrência em florestas semideciduais e no bioma Cerrado, tem poucos estudos sobre técnicas de coleta de semente, substrato, recipientes, exigências de luz e água na emergência, fertilização e outros, em que são informações essenciais para a produção de mudas. Portanto o presente trabalho teve como objetivo avaliar a influência dos diferentes níveis de umidade do substrato areia no comportamento da emergência da espécie Anadenanthera peregrina (L) Speg. O experimento foi feito em delineamento inteiramente casualizado, com quatro tratamentos e quatro repetições de 25 sementes para cada tratamento, colocadas em tubetes plásticos de (280 cm³), contendo areia lavada e esterilizada a 160 ºC por 24hs.Os tratamentos testados foram: T1- 25% da capacidade de retenção da areia, T2- 50% da capacidade de retenção da areia, T3- 75% da capacidade de retenção da areia e T4- 100% da capacidade de retenção da areia, mantidas em casa de vegetação, em temperatura ambiente (36 ± 4 ºC), com fotoperíodo de 12 horas e 50% de sombreamento. Os dados obtidos para a porcentagem de emergência, nos tratamentos com concentrações de umidade a 25%, 75% e 100% não diferiram entre si, entretanto os dados do tratamento T2 com 50% de umidade diferiram dos demais tratamentos, constando-se 70% de emergência, já os tratamentos T1 e T4, obtiveram 36% e 37% de emergência. Não foi possível identificar o índice de umidade mais adequado para germinação e produção de mudas de Anadenanthera peregrina (L.) Speg.

Palavras chave: Angico vermelho, Espécie florestal, Produção de mudas.

 


Texto completo:

PDF

Referências


Alves, J.D.N., Moreira, W.K.O., & Souza, S. (2015). Taxa e índice de velocidade de emergência de paricá em diferentes substratos e frequência de irrigação. Enciclopédia Biosfera, 11 (21), 1766-1773.

Araújo, F. S, Martins, S. V., Meira Neto, J. A. A, Lanis, J. L. L., & Pires, I. E. (2006). Estrutura da vegetação arbustivo-arbórea colonizadora de uma área degradada por mineração de caulim, Brás Pires, MG. Revista Árvore, 30 (1),107 116.

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. (2009). Regras para Análise de Sementes (399p). Brasília: MAPA/ACS.

Dutra, R.T., Grazziotti, H.P., Santana, C.R., & Massad, D.M. (2012). Desenvolvimento inicial de mudas de copaíba sob diferentes níveis de sombreamento e substratos. Revista Ciência Agronômica, 43, (2), 321-329.

Ferreira, M.E., Anjos, A.F., Ferreira, L.G., Bustamante, M., Fernandes, G.W., & Machado, R.B. (2016). Cerrado: o fim da história ou uma nova história? Ciência hoje, 56, (334), 24-29.

Kotowski, F. (1926). Temperature relations to germination of vegetable seeds. Proceedings of the American Society for Horticultural Science, 23, 176-184.

Labouriau, L.G. (1983). A emergência das sementes. (174p). Washington: Secretaria Geral da Organização dos Estados Americanos.

Lucena, F.R., Fernandes, H.E., Miranda, R.V., De Souza, P.A., & Pereira, M.A. (2016). Influência do Sombreamento na Germinação de Sementes de Hymenaea courbaril L. Enciclopédia Biosfera, 13 (23), 681-689.

Maguire, J.D. (1962). Speed of germination-aid in selection and evaluation for seedling emergence and vigor. Crop Science, 2 (1), 176-177.

Miranda, C.C., Souza, D.M.S., Manhone, P.R., Oliveira, P.C., & Breier, T.B. (2012). Germinação de sementes de Anadenanthera peregrina (L.) Speg. com diferentes substratos em condições laboratoriais. Revista Floresta e Ambiente, 19 (1), 26-31.

Miranda, S.C. (2012). Variação espacial e temporal da biomassa vegetal em áreas de Cerrado (143f). Tese de Doutorado, Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Biológicas, Brasília, DF, Brasil.

Mittermeier, R., & Russel, A. (2000). Hotspots: earth’s biologically richest and most endangered terrestrial ecoregions (432p). Boston: University of Chicago Press .

Moreira, F.L., Portella, M.B.S., Moraes, C.E., & Matheus, M.T. (2014). Germinação e vigor de sementes de angico-vermelho em condições de estresse hídrico. Enciclopédia Biosfera, 10 (18), 1845-1853.

Rego, S.S., Ferreira, M.M., Nogueira, C.A., & Grossi, F. (2007). Influência de potenciais osmóticos na germinação de sementes de Anadenanthera colubrina (Veloso) Brenan (Angico-branco) – Mimosaceae. Revista Brasileira de Biociências, 5 (2), 549-551.

Silva, B.M.S., & Carvalho, M.N. (2008). Efeitos do estresse hídrico sobre o desempenho germinativo da semente de faveira (Clitoria fairchildiana R.A. Howard. – fabaceae) de diferentes tamanhos. Revista Brasileira de Sementes, 30 (1), 55-65.

Silva, F.A.S., & Azevedo, C.A.V. de. (2016). The Assistat Software Version 7.7 and its use in the analysis of experimental data. African Journal of Agricultural Research, 11 (39), 3733-3740.

Silva, A. G., Costa, L. G., Gomes, D. R., & Brocco, V. F. (2012). Testes para quebra de dormência de sementes de Cassia grandis l. f. e, morfologia de sementes, frutos e plântulas. Enciclopédia Biosfera, 8 (14), 907–912.

Souza, P.B., Costa, W.S,. Pinheiro, A.L., & Coelho, D.J.S. (2017). Ecologia, manejo, silvicultura e tecnologia de espécies nativas da floresta Atlântica (80p). Ubá: Séculus.

Tocantins. Secretaria de Agricultura e Pecuária do Tocantins (2015). Informações. Recuperado em 19 fevereiro, 2018, de: http://seagro.to.gov.br/agronegocios/agroenergia/#sthash.iAfiG4mJ.dpu

.

Tocantins. Secretaria do Planejamento e da Modernização da Gestão Pública. (2012). Atlas do Tocantins: subsídios ao planejamento da gestão territorial (6 ed., 80p). Palmas: SEPLAN.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Magistra

ISSN 2236-4420 - versão on line