Avaliação de parâmetros culinários de linhagens de arroz de terras altas

Gabrielle Carvalho Pereira, Flavia Barbosa Silva Botelho, Camila Soares Cardoso da Silva, Laís Moretti Tomé, Douglas Goulart Castro, Isabela Pereira de Lima

Resumo


Resumo: O arroz (Oryza sativa L.) é um dos grãos mais importantes para a nutrição humana, sendo a base alimentar de mais de 3 bilhões de pessoas no mundo. O consumidor de arroz dá preferência a um produto uniforme, com qualidade de cocção que proporcione bom rendimento de panela, cozinhe rápido, apresente grãos secos e soltos após o cozimento e permaneça macio mesmo após o resfriamento. O teste de cocção, o índice de absorção e o coeficiente de expansão são muito utilizados nos programas de melhoramento para determinar a qualidade culinária do grão de arroz.  Assim, o presente trabalho teve como objetivo avaliar a qualidade culinária do grão de arroz através do tempo de cozimento, índice de absorção e coeficiente de expansão do grão de arroz. O experimento, com 36 linhagens, foi realizado em dois ambientes diferentes, no campo experimental da Universidade Federal de Lavras (UFLA) e no campo experimental da Epamig, em Lambari, na safra 2016/2017. Foi realizada análise de variância individual e conjunta, e o teste Scott Knott foi usado para comparar as médias do índice de absorção, coeficiente de expansão e tempo de cozimento, nos dois locais. Duas linhagens obtiveram o menor tempo de cozimento, de 22,18 minutos e 22,91 minutos, respectivamente, se destacando em relação as demais linhagens e testemunhas em relação a essa característica. A maioria das linhagens está de acordo com a qualidade química desejada tanto pela indústria quanto pelo consumidor. Destaque para as linhagens CMG ERF LAV 1-7 e CMG ERF LAV 1-4, que obtiveram um menor tempo de cozimento em relação às demais linhagens.

 

Palavras chave: Indice de absorção, Oryza sativa, Tempo de cozimento.


Texto completo:

PDF

Referências


Bassinello, P. Z., Rocha, M. S., & Cobucci, R. M. A. (2004). Avaliação de diferentes métodos de cocção de arroz de terras altas para teste sensorial (Comunicado técnico, n. 84, 8p). Santo Antônio de Goiás: Embrapa Arroz e Feijão.

Bassinello, P. Z., & Naves, M. M. V. (2006). Bioquímica e saúde humana. In: Santos, A. B. Stone, L. F.; Vieira, N. R. A. A cultura do arroz no Brasil. (2.ed., pp. 31 51). Santo Antônio de Goiás: Embrapa Arroz e Feijão.

Brasil. Ministério da Agricultura e Reforma Agrária. Secretaria Nacional de Defesa Agropecuária. (2009). Regras para análise de sementes. Brasília, DF: Mapa/ACS.

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. (2015). Serviço Nacional de Proteção de Cultivares. Brasília, DF: Mapa.

Castro, E. M., et al. (1999). Qualidade de grãos em arroz (Circular Técnico, n. 34, 30p). Santo Antônio de Goiás: Embrapa Arroz e Feijão.

Ciocheta, T. M., Kaminski, T. A., & Feijó, A. L. R. (2015). Teste de cocção em marcas comerciais de arroz branco polido. Anais do Congresso Brasileiro de Arroz Irrigado, Tecnologia de Colheita, Pós-Colheita e Industrialização de Grãos e Sementes. Pelotas: Embrapa, 9.

Climate-Data.Org (2012). Climograma Lambar [Programa de computador]. Recuperado em: 14 janeiro, 2018, de https://pt.climate-data.org/location/176058/>.

Donnelly, Y. B. J (1979). Pasta products: raw material, technology, evaluation. Macaroni Journal, 61, 06-18.

Foundation for Statistical Computing. (2015). R Core Team: A language and environment for statistical computing. Vienna: R Foundation for Statistical Computing Recuperado de https://CRAN.R-project.org/ package=foreign.

Guimarães C. O. G., et al. (2006). Qualidade de cocção dos grãos de arroz de diferentes cultivares. Anais do Seminário de Iniciação Cientifica e Tecnológica (pp.100-104). Curitiba: FAPEMIG.

Kaminski, T. A. et al. (2013). Changes in culinary, viscoamylographic and sensory characteristics during rice storage at different temperatures. Journal of Stored Products Research, 53, 37-42.

Martin, M., & Fitzgerald, M. A. (2002) Proteins in rice grains influence cooking properties! Journal of Cereal Science, 36 (3), 285 294. DOI: 10.1006/jcrs.2001.0465.

Massaretto, I. L. (2009). Efeito do cozimento e ação dos compostos fenólicos de arroz integral na inibição da enzima conversora de angiotensina I e da α-amilase. Dissertação de Mestrado. Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Mestres, C., et al. (2011). Sensory texture of cooked rice is rather linked to chemical than to physical characteristics of raw grain. Journal of Cereal Science, 53 (1), 81 89. DOI: 10.1016/j. jcs.2010.10.001.

Mohapatra, D., & Bal, S. (2006). Cooking quality and instrumental textural attributes of cooked rice for different milling fractions. Journal of Food Engineering, London, 73 (3), 253–259.

Morais, M. M. (2012). Influência do gessamento sobre parâmetros de qualidade tecnológica e nas propriedades de consumo de arroz (105f). Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS, Brasil.

Pereira, J. A. (2009). Comparação entre características agronômicas, culinárias e nutricionais em variedades de arroz branco e vermelho. Revista Caatinga, Mossoró, 22 (1), 243- 248.

Pereira J. (1996). Alterações na qualidade tecnológica de grãos de arroz (Oryza Sativa L.) durante o armazenamento (107f). Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, Brasil.

Singh, N., et al. (2005). Physicochemical, cooking and textural properties of milled rice from different Indian rice cultivars. Food Chemistry, 89, 433-439.

Soares, P. C., et al. (2004). Cultivares de arroz de terras altas e de várzeas recomendadas para Minas Gerais. Informe Agropecuário, 25 34.

Sociedade Sul-Brasileira de Arroz Irrigado. (2005). Arroz Irrigado: Recomendações da pesquisa para o Sul do Brasil (pp 89-92). Santa Maria: SOSBAI.

Storck, C. R. (2004). Variação na composição química em grãos de arroz submetidos a diferentes beneficiamentos. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, Brasil.

Vieira, N. R. A., & Rabelo, R. R. (2006). Qualidade tecnológica. In: Santos, A. B., Stone, L. F., & Vieira, N. R. A. A cultura do arroz no Brasil. (2 ed., pp. 869-900) Santo Antônio da Goiás: Embrapa Arroz e Feijão.

Vieira, N. R. A. (2004). Qualidade de grãos e padrões de classificação de arroz. Informe Agropecuário, Belo Horizonte, 25 (222, 94-100.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Magistra

ISSN 2236-4420 - versão on line