Doses e métodos de aplicação de ácido indolbutírico no enraizamento de miniestacas de cacaueiro

Rafaela Alves Pereira, Gedeon Almeida Gomes Júnior, George Andrade Sodré, Célio Kersul do Sacramento

Resumo


Resumo: Reguladores vegetais sintéticos, a exemplo do ácido indolbutírico AIB, são largamente usados no enraizamento de plantas, no entanto, as respostas são diferentes em função da espécie e método de aplicação que pode ser usado tanto na forma líquida quanto em pó. O objetivo desse trabalho foi avaliar concentrações e métodos de aplicação de ácido indolbutírico no enraizamento de miniestacas de clones de Theobroma cacao L. O experimento foi instalado no Centro de Pesquisa da CEPLAC, Ilhéus, BA, em delineamento inteiramente casualizado no esquema fatorial triplo 4 x 2 x 2 sendo doses de AIB em mg L-1 e mg kg-1 (0, 2000, 4000, 6000) e dois métodos de aplicação (talco e solução hidroalcoólica) em dois clones (CEPEC 2002 e BN 34), com 3 repetições e dez miniestacas como unidade experimental. Após o estaqueamento as amostras foram mantidas em câmara de nebulização durante 90 dias. Foram analisadas as porcentagens de enraizamento e brotação, matéria seca da brotação e matéria seca da raiz.  A aplicação via solução hidroalcoólica resultou em maior porcentagem de enraizamento para os clones BN 34 e CEPEC 2002.  A concentração de 4000 mg L-1 de AIB possibilitou o enraizamento de 100% de miniestacas do clone BN 34, sendo superior ao CEPEC 2002, independente do método de aplicação usado.

 Palavras chave: Theobroma cacao L., Propagação, Reguladores vegetais.

 


Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, A. F., & Valle, R. R. (2007). Ecophysiology of cacao tree. Brazilian Journal of Plant Physiology, 19 (4), 425-448. http://dx.doi.org/10.1590/S1677-04202007000400011.

Azeredo, F. G., Santos, M. D., Vieira, M. K., Matos, C., & Zuffelatto-Ribas, K. C. (2015). Uso de regulador vegetal no enraizamento de estacas de glicínea japonesa. Scientia Agraria Paranaensis, 14 (4), 252-256. http://dx.doi.org/10.18188/1983-1471/sap.v14n4p252-256.

Bortolini, M. F., Zuffellato-Ribas K. C., Koehler, H. S., Carpanezzi A. A., Deschamps, C., & Oliveira, M. C. (2008). Tibouchina sellowiana (Cham.) Cogn.: enraizamento, anatomia e análises bioquímicas nas quatro estações do ano. Ciência Florestal, 18 (2), 159-171. Recuperado de https://periodicos.ufsm.br/cienciaflorestal/article/download/454/351.

Botelho, R. V., Maia, A. J., Pires, E. J. P., Terra, M. M., & Schuck, E. (2005). Efeitos de reguladores vegetais na propagação vegetativa do porta-enxerto de videira “43- 43” (Vitis vinífera x Vitis rotundifolia). Revista Brasileira Fruticultura, 27(1), 6-8.

Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira. (2016). Ocorrência de período seco prolongado na Região Cacaueira da Bahia e seus efeitos sobre a economia, os recursos hídricos e a sociedade. Recuperado de http://www.ceplac.gov.br/download/NTE.pdf.

Emmanuel, E. E. Jr., Gusua, C. R., Tchapda, T. D., & Andre, O. N. P. (2017). Vegetative propagation of selected clones of cocoa (Theobroma cacao L.) by stem cuttings. Journal of Horticulture and Forestry, 9 (9), 80-90. http://dx.doi.org/10.5897/JHF2017.0502.

Fachinello, J.C., Hoffmann, A., & Nachtigal, J. C. (2005). Propagação de plantas frutíferas. Brasília: Embrapa Informações Tecnológicas.

Faria, J. C., & Sacramento, C. K. (2003). Enraizamento e crescimento de estacas herbáceas do cacaueiro (clones CEPEC 42, TSH 516 E TSH 1188) em função da aplicação do AIB. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, 25 (1),192-194.

Ferreira, B. G. A., Zuffellato-Ribas, K. C., Carpanezzi, A. A., Tavares, F. R., & Koehler, H. S. (2009). Metodologia de aplicação de AIB no enraizamento de estacas semilenhosas de Sapium glandulatum (Vell.) Pax. Revista Brasileira de Plantas Medicinais,11(2), 196-201. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-05722009000200014.

Ferreira, E. B., Cavalcanti, P. P., & Nogueira, D. A. (2011). Experimental Designs: um pacote R para análise de experimentos. Revista da Estatística da UFOP, 1(1), 1-9. Recuperado de http://www.cead.ufop.br/jornal/index.php/rest/article/viewFile/57/20.

Gomes, W. A., Estrela, M. A., Mendonça, R. M. N., Silva, S. M., Souza, A. P., & Alves, R. E. (2005). Enraizamento de estacas de umbu-cajazeira (Spondias spp.). Procedings of the Interamerican Society for Tropical Horticulture, 47(1), 231- 233.

Hartmann, H. T., Kester, D. E., Davies, F. T. Jr., & Geneve, R. L. (2011). Plant propagacion: principles and practices. (8 ed.) New Jersey: Prentice Hall International.

International Cocoa Organization. (2016). Quarterly Bulletin of Cocoa Statistics, 42 (3) Cocoa year 2015/16. Johansen, D. A. Plant microtechnique (523p). New York: McGraw-Hill.

Leite, J. B. V., & Martins, A. B. G. (2007). Efeito do ácido indolbutírico e época de coleta no enraizamento de estacas semilenhosas do cacaueiro. Revista Brasileira de Fruticultura, 29 (2), 204-208. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-29452007000200003.

Pacheco, J.P., & Franco, E.T.H. (2008). Substratos e estacas com e sem folhas no enraizamento de Luehea divaricata Mart. Ciência Rural, 38 (7), 1900-1906. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/cr/v38n7/a15v38n7.pdf.

Paes, E. G. B., Zuffellato-Ribas, K. C., Biasi, L. A., & Koehler, H. S. (2003). Enraizamento de estacas de kiwizeiro (Actinidia deliciosa Lang et Ferguson cv. Bruno) nas quatro estações do ano. Scientia Agraria, 4 (1-2), 69- 76.

Peña, M. L. P., Gubert, C., Tagliani, M. C., Bueno, P. M. C., & Biasi, L. A. (2012). Concentrações e formas de aplicação do ácido indolbutírico na propagação por estaquia dos mirtileiros cvs. Flórida e Clímax. Semina: Ciências Agrárias, 33 (1), 57-64. http://dx.doi.org/10.5433/1679-0359.2012v33n1p57.

Pereira, M. C., Santos, L. S., Martins, S. S., Lima, M. A., & Ribeiro, V. G. (2015). Propagação vegetativa de cacaueiros pelo processo de estaquia, sob diferentes concentrações de ácido indolbutírico. Revista Semiárido De Visu, 3 (3),118-124. Recuperado de https://periodicos.ifsertao-pe.edu.br/ojs2/index.php/revista/article/download/146/137.

Pereira, R. A., Gomes, G. A. Jr., Sodré, G. A., Rodrigues, E. M. & Sacramento, C. K. (2018). Matrix management interfers in yield and quality of cocoa seedlings. Revista brasileira de fruticultura, 40 (3) (e-582), 1-8.

Santos Jr., A. J., Almeida, A. A. F., Silva, D. C., Faria, J. C., Mielke, M. S., & Gomes, F. P. (2008). Enraizamento de estacas, crescimento e respostas anatômicas de mudas clonais de cacaueiro ao ácido indol-3-butírico. Revista Brasileira de Fruticultura, 30 (4), 1071-1082. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-29452008000400038.

Sena-Gomes, A. R., Castro, G. C., Moreno-Ruiz, M. M., & Almeida, H. A. (2000). Avanços na propagação clonal do cacaueiro no Sudeste da Bahia. In: Pereira, J. L., Seródio, M. H., & Bezerra, J. L. (Ed.). Atualização sobre produção massal de propágulos de cacau geneticamente melhorados (pp. 85-89). Ilhéus: Atas.

Sodré, G. A. (2013). Formação de mudas de cacaueiro, onde nasce a boa cacauicultura. (Boletim técnico da CEPLAC n. 202, p.48). Recuperado de http://www.ceplac.gov.br/paginas/publicacoes.

Taiz, L., & Zeiger, E. (2017). Fisiologia vegetal (6 ed.). Porto Alegre: Artmed.

Tosta, M. S., Oliveira, C. V. F., Freitas, R. M. O., Porto, V. C. N., Nogueira, N. W., Tosta, P. A. F. (2012). Ácido indolbutírico na propagação vegetativa de cajaraneira (Spondias sp.). Semina: Ciências Agrárias, 33 (1), 2727-2740. http://dx.doi.org/10.5433/1679-0359.2012v33Supl1p2727.

Valle, R. R. (Ed.). (2012). Ciência, tecnologia e manejo do cacaueiro. Brasília: CEPLAC/CEPEC.

Vignolo, G. K, Picolotto, L; Gonçalves, M. A; Pereira, I. S; Antunes, L. E. C. (2014). Presença de folhas no enraizamento de estacas de amoreira-preta. Revista Ciência Rural. Santa Maria. 44 (3).

Yamamoto, L. Y., Borges, R. S., Sorace, M., Rachid, B. F., Ruas, J. M. F., Assis, O. S. M., & Roberto, S. R. (2010). Enraizamento de estacas de Psidium guajava L. ‘Século XXI’ tratadas com ácido indolbutírico veiculado em talco e álcool. Ciência Rural, 40 (5), 1037 - 1042.

http://dx.doi.org/10.1590/S0103-84782010000500006.

Wendling, I., Dutra, L. F. & Grossi, F. (2007). Produção e sobrevivência de miniestacas e minicepas de erva-mate cultivadas em sistema semi-hidropônico. Pesquisa Agropecuária Brasileira, 42 (2).


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Magistra

ISSN 2236-4420 - versão on line