Desempenho agronômico de tipos especiais de arroz sob sistema de irrigação por inundação e transplante de mudas

Rafael Hydalgo Passeri Lima, Higino Marcos Lopes Lopes, Bruna Rafaela da Silva Menezes Menezes, Maurício Ballesteiro Pereira Pereira, Luiz Beja Moreira Moreira

Resumo


Resumo: A população brasileira, em geral, tem preferência pelo consumo do arroz branco, polido, parboilizado ou integral. Os tipos especiais de arroz, geralmente são consumidos por determinados nichos de mercado, devido às suas características funcionais e inovadoras em relação ao cozimento, aparência, aroma e sabor. Com a exploração da mídia, divulgando e destacando as características funcionais dos tipos especiais, a aceitação da população tende a aumentar e sua produção pode tornar-se uma alternativa importante para agricultores que cultivam pequenas áreas e buscam agregar valor à sua produção. Objetivou-se com este trabalho avaliar genótipos de tipos especiais de arroz, cultivados em sistema irrigado por inundação e transplante de mudas. O experimento foi conduzido no ano agrícola de 2012/13, em Seropédica (RJ) em delineamento experimental em blocos ao acaso, com cinco repetições. Os tratamentos foram as cultivares Epagri 109 (branco), IAC 300 (arbório), IAC 400 (glutinoso), IAC 600 (preto) e a linhagem Vermelho Pequeno (vermelho). Foi avaliado o número de panículas por m2, o número de espiguetas por panícula, a porcentagem de espiguetas férteis por panícula, o peso de 100 espiguetas, a produtividade e o índice de colheita. Com a cultivar IAC 300 obteve - se o menor percentual de espiguetas férteis e a cultivar IAC600 a maior média para esse componente.   A cultivar IAC 400 apresentou maior produtividade, enquanto a linhagem Vermelho Pequeno não diferiu da Epagri.

Palavras chave: Oryza sativa L., Genótipos, Produtividade.

 


Texto completo:

PDF

Referências


Bassinello, P. Z. (2008). Arroz Preto: uma opção culinária para o Brasil (Comunicado Técnico, n. 147). Santo Antônio de Goiás: Embrapa Arroz e Feijão. Recuperado de http://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/handle/doc/217508

Bastos, C. R., Azzini, L. E., Villela, O. V., Gallo, P. B., Castro, L. H., Malavolta, V. M. A., & Sakai, M. (2005). IAC 400 Cultivar de Arroz Tipo Especial Culinária Japonesa. O Agronômico, Campinas, SP, 57 (2). Recuperado de http://www.iac.sp.gov.br/publicacoes/agronomico/pdf/v57-2_IAC400.pdf

Brasil. Ministério da Agricultura. (2009). Instrução Normativa n° 06 de 16 de fevereiro de 2009. Brasília, DF: Diário Oficial da União (Seção 1).

Companhia Nacional de Abastecimento. (2017). Perspectiva agropecuária (vol. 5). Recuperado de http://www.conab.gov.br

Calderón, J., Calderón, L., Guerra, E., & Garcia, B. (2011). Antioxidant capacity, phenolic content and vitamin C in pulp, peel and seed from 24 exotic fruit from Colombia. Food Research International, 44, 2047-2053. Recuperado de https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0963996910004357

Dalchiavon, F. C., Carvalho, M. P., Coletti, A. J., Caione, G., Silva, A. F. & Andreotti, M. (2012). Correlação linear entre componentes da produção e produtividade do arroz de terras altas em sistema de plantio direto. Semina: Ciências Agrárias, Londrina, PR, 33 (5), 1629-1642. Recuperado de http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/semagrarias/article/view/7614

Durães, F. O. M., Magalhães, P. C., & oliveira, A. C. (2002). Índice de colheita genético e as possibilidades da genética fisiológica para melhoramento do rendimento de milho. Revista Brasileira de Milho e Sorgo, 1 (1), 33-40. Recuperado de http://rbms.cnpms.embrapa.br/index.php/ojs/article/view/7

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. (2006). Sistema brasileiro de classificação de solos. Rio de Janeiro: Embrapa Solos.

Fageria, N. K., Santos, A. B., & Cutrim, V. A. (2007). Produtividade de arroz irrigado e eficiência de uso de nitrogênio influenciadas pela adubação nitrogenada. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, 42 (7), 1029-1034. Recuperado de http://seer.sct.embrapa.br/index.php/pab/article/view/7662.

Fundação Arthur Bernardes. (2007). Saeg: Sistema para Análises Estatísticas (Versão 9.1) [Programa de computador]. Viçosa, MG: Funarbe, UFV. Recuperado de http://arquivo.ufv.br/saeg/.

Guimarães, C. M., Stone, L. F., & Castro, E. M. (2006). Comportamento de cultivares de arroz de terras altas no sistema plantio direto em duas profundidades de adubação. Bioscience Journal, Uberlândia, 22 (1), 53-59. Recuperado de http://www.seer.ufu.br/index.php/biosciencejournal/article/view/6639

Instituto Agronômico de Campinas. (2004). Cultivares Arroz. Recuperado de http://www.iac.sp.gov.br/areasdepesquisa/graos/arroz.php.

Instituto Agronômico de Campinas. (2007). Cultivares Arroz. Recuperado de http://www.iac.sp.gov.br/areasdepesquisa/graos/arroz.php.

Ling, W. H., Cheng, Q. X., Ma, J., & Wang, T. (2001). Red and Black Rice Decrease Atherosclerotic Plaque Formation and Increase Antioxidant Status in Rabbits. Journal of Nutrition, 13, 1421-1426.

Magalhães Jr., A. M., Gomes, A. da S., & Santos, A. B. (2006). Sistema de cultivo de arroz irrigado no Brasil (270p). Pelotas, RS: Embrapa Clima Temperado. Recuperado de https://www.spo.cnptia.embrapa.br.

Magalhães Jr., et al. (2012). Indicação de tipos especiais de arroz para diversificação de cultivo (Circular Técnica n. 133). Pelotas, RS: Embrapa Clima Temperado. Recuperado de https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/bitstream/doc/953065/1/Circular133.pdf

Menezes, B. R. S. (2011). Comparação das características morfoagronômicas, qualidade fisiológica e dormência em sementes de genótipo e variedade de arroz vermelho com cultivares de arroz branco (96f). Dissertação de Mestrado, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Seropédica, RJ, Brasil. http://cursos.ufrrj.br/posgraduacao/ppgf/files/2013/08/Disserta%C3%A7%C3%A3o-PPGF-Bruna-Rafaela-da-Silva-Menezes.pdf.

Menezes, B. R. S., Moreira, L. B., Pereira, M. B., Lopes, H. M., Costa, E. M., & Curti, A. T. M. (2012). Características morfoagronômicas de dois genótipos arroz vermelho em cultivo inundado. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, 7 (3), 394-401. Recuperado de http://www.agraria.pro.br/sistema/index.php?journal=agraria&page=article&op=view&path[]=agraria_v7i3a1288&path[]=1158.

Moreira, L. B., Lopes, H. M., Menezes, B. R. S., Soares, A. P., & Silva, E. R. (2011). Caracterização agronômica e qualidade fisiológica de sementes de arroz vermelho. Revista Caatinga, Mossoró, RN, 24 (1), 9-14. Recuperado de http://periodicos.ufersa.edu.br/revistas/index.php/sistema/article/view/1869/4644.

Pereira, J. A. (2004). O arroz-vermelho cultivado no Brasil (96p.). Teresina, PI: Embrapa Meio-Norte.

Santos, L. P., et al. (2011). Phenolic compounds and fatty acids in different parto f Vitis labrusca and V. vinifera grapes. Food Research International, 44, 1414-1418. Recuperado de https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0963996911001098?via%3Dihub.

United States Department of Agriculture, Foreign Agricultural Service. (2018). Rice Outlook Tables: March 2018. Recuperado de https://www.ers.usda.gov/webdocs/publications/87979/rcs-18c.pdf?v=43171.

Vieira, J., Marschalek, R., & Schiocchet, M.A. (2007). Cultivares de arroz da Epagri – Descrição e caracterização (Boletim Técnico, n. 138, 76p). Florianópolis, SC: Epagri. Recuperado de http://www.epagri.sc.gov.br/?page_id=1788.

Wickert, E., et al. (2014). Exploring variability: new Brazilian varieties SCS119 Rubi and SCS120 Ônix for the specialty rices market. Open Journal of Genetics, 4, 157-165. Recuperado de https://file.scirp.org/pdf/OJGen_2014042511482737.pdf.

Yoshida, S. (1981). Climatic environmentand its influence. Fundamentals of rice crop science (cap. 2, pp.65-110). Los Baños: International Rice Research Institute.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Magistra

ISSN 2236-4420 - versão on line