Caracterização química de Vinhos Tintos comercializados em Belém-PA

Fábio Lopes silva, Luíza helena da Silva Martins, Maricely Janette Uria Toro, Luis Eduardo Silva Nascimento, Eric Cesar Mano Mesquita, Elane Giselle Silva dos Santos

Resumo


Resumo: O vinho é uma das bebidas mais consumidas do mundo, ingerida cotidianamente em diversas culturas, sendo que devido a sua composição de compostos bioativos, diversos benefícios são proporcionados aos consumidores, sendo as cultivares Cabernet Sauvignon e Malbec (Vitis vinífera), estão entre as mais importadas pelo Brasil, provenientes do Chile e Argentina, respectivamente, o que motiva a realização de vários estudos para sua caracterização química. O objetivo foi avaliar as características físico-químicas e de compostos bioativos dos vinhos, de forma a verificar se estes produtos estariam de acordo com a legislação brasileira (Decreto 8.198/2014). Foram analisados doze parâmetros físico-químicos em oito amostras de vinhos, sendo quatro amostras de vinho Malbec com uvas variedade Vitis vinífera tipo Malbec e quatro amostras de vinho, fabricado com uvas da variedade Cabernet Sauvignon, oriundos de quatro supermercados na cidade de Belém-PA. Os vinhos tintos analisados em grande parte, estão de acordo com os padrões de identidade e qualidade estabelecidos pela Legislação brasileira, exceto o teor de açúcares das amostras de vinhos meio seco C3 e M3 que apresentaram-se fora do padrão estabelecido pela legislação. Também se verificou que a concentração dos compostos fenólicos totais foi semelhante ao encontrado na literatura, variando entre 174,63 mg 100g-1 e 227,74 mg 100g-1 para vinhos Cabernet e 177,80 mg 100g-1 e 230,19 mg 100g-1 para vinhos Malbec.

 

Palavras Chave: Vitis vinífera, Qualidade, Supermercados.

 


Texto completo:

PDF

Referências


Amerine, M. A., Berg, H. W., & Cruess, W. V. (1967). Technology of Wine Making. United States: Company, Inc.

Andrade, M. D., et al. (2008). Análise multivariada de parâmetros físico-químicos em amostras de vinhos tintos comercializados na região metropolitana do Recife. Quimica Nova, 31 (2), 296-300.

Asquieri, E. R., et al. (2004). Vino de jabuticaba (Myrciaria cauliflora Berg): Estudio de las caracteristicas fisico-químicas y sensoriales de los vinos tinto seco y dulce, fabricados con la fruta integral. Alimentaria, (355), 111-122.

Associação Brasileira de Normas Técnicas. (1997). Determinação do teor alcoólico – NBR 13920. São Paulo: ABNT.

Association of Official Analytical Chemists. (1997). Official methods of analysis of AOAC International (16 ed, cap.37).Washington: DC: AOAC.

Association of Official Analytical Chemists (1984). Official methods of analysis of AOAC International (14 ed, cap.37). Washington: DC: AOAC.

Brasil. Ministério da Agricultura e Abastecimento. (2004). Lei nº 10.970, de 12 de novembro de 2004. Altera dispositivos da Lei no 7.678, de 8 de novembro de 1988, que dispõe sobre a produção, circulação e comercialização do vinho e derivados da uva e do vinho, e dá outras providências. Brasília, DF: Diário Oficial da União.

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (2014). Decreto nº 8.198, de 20 de fevereiro de 2014. Regulamenta a Lei no 7.678, de 8 de novembro de 1988, que dispõe sobre a produção, circulação e comercialização do vinho e derivados da uva e do vinho. Brasília, DF: Diário Oficial da União.

Bender, A., et al. (2017). Avaliação físico-química e compostos bioativos de vinho tinto colonial produzido no Município de São Lourenço do Sul-RS. Revista Eletrônica Científica da UERGS, 3 (2), 249-265.

Burin, V. M. (2012). Caracterização de clones da variedade Cabernet Sauvignon: uvas e vinhos de São Joaquim, Dissertação de Mestrado, Universidade federal de Santa Catarina, Santa Catarina, SC, Brasil.

Chile. Ministério de Agricultura. (1995). Decreto n° 464, de 26 de mayo de 1995. Establece zonificación vitícola y norma fijas para su utilización. Chile: Diario Oficial. Biblioteca del Congreso Nacional de Chile.

Castilhos, et al. (2011). Caracterização físico-química e sensorial de vinhos brancos da região noroeste de São Paulo. Holos, 4, 148-158.

Costa, H. G.F., et al. (2016). Características físico-químicas e farmacológicas de vinhos do Vale do São Francisco. Revista Saúde e Desenvolvimento, 9 (5), 191-211.

Cuadra, B. M. B. (2012). Caracterización de la fracción flavánica de vinos argentinos de los cultivares malbec y cabernet sauvignon con distinto precio de mercado. Universidad de Chile, Santiago, Chile.

Danilewicz, J. C. (2007). Interaction of sulfur dioxide, polyphenols, and oxygen in a wine-model system: Central role of iron and copper. American Journal of Enology and Viticulture, 58 (1), 53-60.

Fracasso, D., Fuentefria, A. M., & Teixeira, M. L. (2009). Avaliação Toxicológica e Quantificação de Agentes Antioxidantes em Vinhos Tintos comercializados no Município de Concórdia, Santa Catarina. Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, 11 (2), 181-189.

Fabani, M. P., Ravera, M. J., & Wunderlin, D. A. (2013). Markers of typical red wine varieties from the Valley of Tulum (San Juan-Argentina) based on VOCs profile and chemometrics. Food chemistry, 141 (2), 1055-1062.

Georgé, A. L., & Bennett, A. (2005). Case studies and theory development in the social sciences. Massachusetts: The MIT Press Reader.

Goldner, M. C., et al. (2009). Effect of ethanol level in the perception of aroma attributes and the detection of volatile compounds in red wine. Journal of Sensory Studies, 24 (2), 243-257.

Goldner, M. C., et al. (2011). Influence of polyphenol levels on the perception of aroma in Vitis vinifera cv. Malbec wine. South African Journal of Enology and Viticulture, 32 (1), 21-27.

Goldner, M. C. (2008). Caracterización sensorial y físicoquimica de vinos Chardonnay y Malbec de distintas regiones vitivinícolas argentinas (45f). Tesis Doctoral. Pontificia Universidad Católica Argentina, Facultad de Farmacia y Bioquímica, Buenos Aires, Argentina.

Granato, D., Katayama, F. C. U., & Castro, I. A. (2010). Assessing the association between phenolic compounds and the antioxidant activity of Brazilian red wines using chemometrics. LWT-Food Science and Technology, 43 (10), 1542-1549.

Instituto Adolfo Lutz. (1985). Métodos químicos e físicos para análise de alimentos (2 ed.). São Paulo: IAL.

Instituto Adolfo Lutz. (2008). Métodos físico-químicos para análise de alimentos. São Paulo: IAL.

Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia. (2008). Programa de Análise de Produtos: Relatório de Vinho (21f). Recuperado em 8 agosto, 2018, de http://www.inmetro.gov.br/consumidor/produtos/vinho.pdf.

Instituto Brasileiro do vinho. (2017). Importações brasileiras de vinhos e espumantes. Comparativo 2006-2016. Bento Gonçalves: IBRAVIN.

Jayaprakasha, G. K., Singh, R. P., & Sakariah, K. K. (2001). Antioxidant activity of grape seed (Vitis vinifera) extracts on peroxidation models in vitro. Food chemistry, 73 (3), 285-290.

King, E. S., et al. (2014). Regional sensory and chemical characteristics of Malbec wines from Mendoza and California. Food chemistry, 143, 256-267.

Lameiro, M., et al. (2011). Características físico-químicas das polpas de amora-preta (Rubus spp.) e de mirtilo (Vaccinium Ashei Reade). Anais do Encontro de Pós Graduação da Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS, Brasil, 13.

Llano, A., et al. (2003). Actividad antioxidante y contenido en fenoles totales en vinos de origen nacional, FACENA, 19, 11-19.

Manfroi, V., et al. (2010). Influência de taninos enológicos em diferentes dosagens e épocas distintas de aplicação nas características físico-químicas do vinho Cabernet Sauvignon. Food Science and Technology, 30 (supl. 1), 127-135.

Mercado Comum do Sul. (1996). Resolução GMC n°45/96. Regulamento vitivinícola do MERCOSUL, Buenos Aires. Recuperado em 8 setembro, 2018, de www.uvibra.com.br/reg_vit_mercosul.doc

Munin, A., & Edwards-Levy, F. (2011). Encapsulation of natural polyphenolic compounds; a review. Pharmaceutics, 3 (4), 793–829.

Mota, R., et al. (2009). Caracterização físico-química e aminas bioativas em vinhos da cv. Syrah I–Efeito do ciclo de produção. Ciência e Tecnologia de Alimentos, 29 (2).

Mota, R.V. (2006). Caracterização do suco de amora-preta elaborado em extrator caseiro. Ciência e Tecnologia de Alimentos, 26 (2), 303-308.

Nascimento, R. L., et al. (2016). Trocas gasosas e composição físico-química de vinhos em função de estratégias de irrigação. Petrolina: Embrapa Semiárido.

Oliveira, L. C., Souza, S. O., & Mamede, M. E.O (2011). Avaliação das características físico-químicas e colorimétricas de vinhos finos de duas principais regiões vinícolas do Brasil. Revista do Instituto Adolfo Lutz, 70 (2), 158-167.

Ough, C.S. (1992). Tratado básico de enologia. Zaragoza: Acribia.

Outemane, M. V. P., et al. (2018). Panorama de comercialização de vinhos finos e de mesa no Brasil. Revista UNIPLAC, 6 (1).

Ribéreau-Gayon, P., et al. (Eds.). (2006). Handbook of enology: The microbiology of wine and vinifications (v. 1, 2 nd Edition). USA: John Wiley & Sons.

Rizzon, L. A., Zanus, M. C., & Manfredini, S. (1994). Como elaborar vinho de qualidade na pequena propriedade. Bento Gonçalves: Embrapa Uva e Vinho-Documentos.

Rizzon, L. A., & Miele, A. (1996). Total dry extract in Brazilian wines: comparison of analytical methods. Ciência Rural, 26 (2), 297-300.

Rizzon, L. A., & Miele, A. (2002). Avaliação da cv. Cabernet Sauvignon para elaboração de vinho tinto. Ciência e tecnologia de alimentos, 22 (2), 192-198.

Rizzon, L. A., & Miele, A. (2003). Avaliação da cv. Merlot para elaboração de vinho tinto. Food Science and Technology, 23, 156-161.

Rizzon, L. A., & Dall'Agnol, I. (2007). Vinho tinto. Brasília, DF: Embrapa Informação Tecnológica; Bento Gonçalves: Embrapa Uva e Vinho.

Rizzon, L. A., & Sganzerla, V. M. A. (2007). Ácidos tartárico e málico no mosto de uva em Bento Gonçalves-RS. Ciência Rural, 37(3), 911-914.

Rizzon L. A. (2010). Metodologia para análise de vinho. Bento Gonçalves: Embrapa Uva e Vinho..

Santos, B. A. C. D. (2006). Compostos volateis e qualidade dos vinhos secos jovens varietal cabernet suavignon produzidos em diferentes regiões do Brasil. Tese de Doutorado. Universidade Estadual de Campinas. São Paulo, SP, Brasil.

Silva, T. D. G., et al. (1999). Diagnóstico vinícola do sul de Minas Gerais-Caracterização físico-química dos vinhos. Ciência Agrotécnica, Lavras, 23 (3), 623-637.

Silva, F. D. A. (2014). ASSISTAT: Assistência Estatística (versão 7.7 beta.) [Programa computacional]. Campina Grande: Universidade Federal de Campina Grande.

Singleton, V. L., & Rossi, J. A. (1965). Colorimetry of total phenolics with phosphomolybdic-Phosphotungstic Acid Reagents. American Journal of Enology and Viticulture, 16 (3), 144-158.

Souza, H. R (2004). Caracterização físico-química de vinhos argentinos, chilenos e brasileiros. Trabalho de conclusão de curso. Universidade Católica de Goiás, GO, Brasil.

Souza, M. I. L (2014). Caracterização físico-química de vinhos de uvas viníferas e uvas americanas e avaliação do processo oxidativo por ozonização. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, Brasil.

Uliana, M. R., et al. (2015). Vinhos de mesa varietais de uvas americanas: análises químicas e energética. Revista Energia na Agricultura, 30 (1), 98-103.

Ventura, K. M. (2015). Caracterização físico-química de vinhos coloniais do planalto catarinense. Trabalho de Conclusão de curso. Universidade Federal de Santa Catarina. Santa Catarina, SC, Brasil.

Zocche, R. G. S., et al. (2016). Characterization of Cabernet Sauvignon wine made with grapes from Campanha RS Region. African Journal of Agricultural Research, 11 (42), 4262-4268.

Zoecklein, B. W, Fugelsang, k. C, Gump, b. H., & Nury, f. S.(1994). Wine analysis and production. New York: Chapman & Hall.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Magistra

ISSN 2236-4420 - versão on line