Elaboração e caracterização físico-química de iogurtes de ameixa adicionados da farinha de chia

Suelma Ferreira do Oriente, Pedro Ivo Soares e Silva, Deyzi Santos Gouveia, Mércia Melo de Almeida Mota, Rebeca de Lima Dantas, Ângela Maria Santiago

Resumo


Resumo: A fabricação de iogurte no Brasil aumentou de maneira bastante considerável, sendo ele o derivado fermentado do leite, mais popular e mais consumido mundialmente, existindo hoje no mercado vários tipos de iogurte classificados de acordo com o processo de elaboração, adição de ingredientes, composição, consistência e textura.  Além de ser um produto bastante diversificado e de boa aceitabilidade, seu consumo está relacionado com a imagem saudável e nutritiva. O objetivo deste trabalho foi a avaliação das características físico-químicas de iogurtes de ameixa adicionados da farinha integral de chia. Foram elaboradas três formulações de iogurtes de polpa de ameixa (15%) adicionados da farinha integral de chia com proporções de 0, 1 e 3%. As caracterizações físico-químicas realizadas nas formulações do iogurte foram teor de água, sólidos totais, sólidos solúveis, pH, acidez total titulável, açúcares redutores, açúcares não redutores e açúcares totais. Os resultados da caracterização físico-química dos iogurtes de sabor ameixa adicionados da farinha integral de chia indicaram teor de água (70,04 a 72,49%) e sólidos totais (27,51 a 29,96%) não apresentando diferença significativa ao nível de 5% de probabilidade pelo teste de Tukey, concluindo que o teor de chia presente afeta diretamente a composição físico-química do produto. Portanto, a produção de iogurte sabor ameixa adicionada da farinha integral de chia é considerada viável, dado pelo simples enriquecimento com a farinha de chia e simples adição da ameixa seca resultando em melhorias das características físico-químicas do mesmo.

Palavras Chave: Enriquecido, Funcional, Leite Fermentado.

 


Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, D. M. (2015). Determinação do tempo de vida de prateleira de iogurte com de polpa de fruta por meio da população de bactérias láticas totais. Revista Brasileira de Tecnologia Agroindustrial, Campus Ponta Grossa, 9 (1), 1671-1681.

Bicudo, M. O. P., et al. (2012). Elaboração e caracterização de bebida fermentada à base de extrato hidrossolúvel de quinoa com polpa de frutas. Boletim do Centro de Pesquisa de Processamento de Alimentos, Curitiba, 30 (1), 19-26.

Borges, K. C., De Medeiros, A. C. L., & Correia, R. T. P. (2009). Iogurte de leite de búfala sabor cajá (Spondias lútea L.): caracterização físico-química e aceitação sensorial entre indivíduos de 11 a 16 anos. Cultura, Araraquara, 14 (2), 37-37.

Brandão, S. C. C. (1995). Tecnologia da produção industrial de iogurte. Revista Leite & Derivados, São Paulo, 5 (25), 24-38.

Brandão, S. C. C. (2002). Novas gerações de produtos lácteos funcionais. Indústria de Laticínios, São Paulo, 6 (37), 64-66.

Brasil. Ministério da Agricultura e do Abastecimento. (2000). Resolução n° 5. Padrões de identidade e qualidade de leites fermentados. Brasília, DF: Diário Oficial da União (Seção 1, pp.19-22p).

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (2007). Instrução Normativa N° 46. Regulamento técnico de identidade e qualidade de leites fermentados. Brasília, DF: Diário Oficial da União (Seção 1, n 205, 4p).

Ciribeli, J. P., & Castro, L. S. (2011). Descrição da cadeia produtiva do iogurte: um estudo de caso realizado no Laticínio do Centro Federal de Educação Tecnológica de Rio Pomba. Revista Gestão Empresarial, 1 (1), 75-87.

Dantas, M. I., Vasconcelos, C. M., Pinto, C. A., Minim, V. P. R., & Martino, H. S. D. (2012). Concentrado proteico do soro e yacon agregam valor nutricional e sensorial em iogurte diet. Revista do Instituto Adolfo Lutz, Paulo, 71 (1), 127-133.

Franco, B. G. M., & Landgraf, M. (2005). Microbiologia dos Alimentos. (182p). São Paulo.

Garmus, T. T., Bezerra J. R. M. V., Rigo, M., & Córdova, K. R. V. (2016). Avaliação sensorial e físico-química de iogurte enriquecido com farinha de linhaça. Ambiência Guarapuava, 12 (1), 251 – 258

Gomes, A. M. P., & Malcata, F. X. (1999). Bifidobacterium spp. and Lactobacillus acidophilus: biochemical, technological and therapeutical properties relevant for use as probiotics. Trends in Food Science and Technology. 10 (4/5), 139-157.

Instituto Adolfo Lutz. (2008). Normas Analíticas do Instituto Adolfo Lutz: métodos físicos e químicos para análise de alimentos (4 ed., 1020p). São Paulo: IAL.

Jacinto, L. (2014). Estudo da Esalq testa farinha de chia na produção de pães. (Publicado em Pesquisa por Redação).

Lima, S. E. R., et al. (2015). Estudo do crescimento de bactérias psicrotróficas e mesófilas em iogurte enriquecido com grãos. Caderno Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, Pombal, 4 (1).

Matsuura, F. C. A. U., & Rolim, R. (2002). Avaliação da adição de suco de acerola em suco de abacaxi, visando a produção de um “blend” com alto teor de vitamina C. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, 24 (1), 138-141.

Medeiros, E. J. L., et al. (2011). Leite fermentado de marcas comerciais: Estudo da aceitação e correlação com pH e acidez. Revista do Instituto de Laticínios Cândido Tostes, 66 (381), 46-51.

Paiva, Y. F., et al. (2015). Iogurte adicionado de polpa de abacaxi, base mel: Elaboração, perfil microbiológico e físico-químico. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, Pombal, 10 (5), 22-26.

Saarela, M., et al. (2000). Probiotic bacteria: safety, functional and technological properties. Journal of Biotechnology, 84 (3), 197-215.

Silva, A. B. N., & Ueno, M. (2013). Avaliação da viabilidade das bactérias lácticas e variação da acidez titulável em iogurtes com sabor de frutas. Evaluation of lactic acid bacteria viability and titratable acidity variation in fruit flavor yogurt. Revista do Instituto de Laticínios Cândido Tostes, 68 (390), 20-25.

Silva, F. A. S., & Azevedo, C. A. V. (2002). Assistat para o sistema operacional Windows (Versão 7.1) [programa computacional]. Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, 4, (1), 71-78.

Souza, P. H. M., Souza Neto, M. H., & Maia, G. A. (2003). Componentes funcionais nos alimentos (Boletim da SBCTA, n. 2, pp.127-135).

Thamer, K. G., & Penna, A. L. B. (2006). Caracterização de bebidas lácteas funcionais fermentadas por probióticos e acrescidas de probióticos. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, 26 (3), 1-7.

Vieira, A.C.P. (2009). A percepção do consumidor diante dos riscos alimentares: a importância da segurança dos alimentos. Âmbito Jurídico, Rio Grande, 68.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Magistra

ISSN 2236-4420 - versão on line