Categorização, quantificação e mudança espaço-temporal de áreas verdes públicas urbanas em Jataí – GO como subsídio ao planejamento ambiental

Guilherme Alves da Silva Santos, Alécio Perini Martins, Danival Vieira de Freitas, Daniela Pereira Dias

Resumo


Resumo: As áreas verdes públicas presentes no espaço urbano possuem importante papel na promoção da sustentabilidade futura das cidades. Pesquisas quantitativas e qualitativas sobre as áreas verdes urbanas podem subsidiar a implementação de medidas apropriadas para o planejamento urbano. Os objetivos foram quantificar as diferentes categorias de áreas verdes públicas presentes na zona urbana (ZU) e na área efetivamente urbanizada (AEU) de Jataí – GO, calcular o índice de área verde (IAV) da ZU e da AEU e avaliar as mudanças espaço-temporais que ocorreram na AEU entre os anos de 2010 e 2017. Foram utilizadas técnicas de geoprocessamento e análise espacial com base em informações geográficas. As áreas verdes públicas foram categorizadas em: área de preservação permanente (APP), áreas públicas, canteiros centrais, parques, praças e unidades de conservação. Jataí apresentou 1.690,8 ha de áreas verdes na ZU (13.878,0 ha), onde a categoria APP contribuiu com 69,2%. Na AEU, que possui 3.756,0 ha, foram delimitados 516,6 ha de áreas verdes, onde as áreas públicas e APP’s representaram 43,2 e 27,8%, respectivamente. A ZU de Jataí apresentou IAV de 185,3 m2.hab−1, entretanto na AEU, o IAV foi de 56,6 m²/ha. O IAV das áreas públicas destinadas à recreação (parques e praças) foi de 9,1 m2.hab−1, valor abaixo do mínimo recomendado. De 2010 para 2017, as áreas verdes da AEU de Jataí aumentaram 36,8% (138,9 ha). Espaços privados, se incluídos na análise das áreas verdes urbanas, podem aumentar o IAV, e a área e o número de habitantes podem subestimar o IAV.

 

Palavras chave: Arborização urbana, Mapeamento, Planejamento urbano.

 


Texto completo:

PDF

Referências


Alvarez, I. A., et al. (2010). Comparação entre vídeografia e fotografia aérea para diagnóstico da vegetação em ambiente urbano de Piracicaba, SP. Revista Árvore, 34 (4), 691-698. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622010000400014.

Arruda, L. E. V., et al. (2013). Índice de área verde e de cobertura vegetal no perímetro urbano central do município de Mossoró-RN. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, 8 (2), 13 –17. Recuperado de https://docplayer.com.br/36395705-Indice-de-area-verde-e-de-cobertura-vegetal-no-perimetro-urbano-central-do-municipio-de-mossoro-rn.html

Bargos, D. C., & Matias, L. F. (2012). Mapeamento e análise de áreas verdes urbanas em Paulínia (SP): estudo com a aplicação de geotecnologias. Sociedade & Natureza, 24 (1), 143-156. DOI: http://www.scielo.br/pdf/sn/v24n1/v24n1a12.pdf.

Brasil. Presidência da República. ((2012). Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012. Institui o novo Código Florestal brasileiro. Brasília, DF: Diário Oficial da República Federativa do Brasil.

Canetti, A., et al. (2018). Understanding multi-temporal urban forest cover using high resolution images. Urban Forestry & Urban Greening, 29 (1), 106-112. DOI: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1618866717303266.

Costa, R. G. S., & Colesanti, M. M. (2011). A contribuição da percepção ambiental nos estudos das áreas verdes. Raega - O Espaço Geográfico em Análise, 22, 2177-2738. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v22i0.21774.

Florenzano, T. G. (2002). O uso de imagens de satélite em estudos ambientais (97p). São Paulo: Oficina de livros.

Harder, I. C. F., Ribeiro, R. de C. S., & Tavares, A. R. (2006). Índices de área verde e cobertura vegetal para as praças do município de Vinhedo, SP. Revista Árvore, 30 (2), 277-282. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622006000200015.

Herzog, C. P., & Rosa, L. Z. (2010). Infraestrutura verde: sustentabilidade e resiliência para a paisagem urbana. Revista Labverde, 1, 92-115. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2179-2275.v0i1p92-115.

Instituto Mauro Borges de Estatística e Estudos Socioeconômicos. PAM (Produção Agrícola Municipal), 2016. Recuperado em 16 de junho 2018, de http://www.imb.go.gov.br/viewrele.asp?cd_assunto=5&cd_anomes=20160000.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2010). Cidades Recuperado em 05 de maio, 2018, de https://cidades.ibge.gov.br/brasil/go/jatai/panorama.

Instituto Nacional de Meteorologia (2018). Gráficos climatológicos. Recuperado em 05 de maio de 2018, de https://clima.inmet.gov.br/GraficosClimatologicos/DF/83377

Lima, V., & Amorim, M. C. C. (2006). A importância das áreas verdes para a qualidade ambiental das cidades. Revista Formação, 13, 139-165. Disponível em: http://revista.fct.unesp.br/index.php/formacao/article/viewFile/835/849

Loboda, C. R., et al. (2005). Avaliação de áreas verdes em espaços públicos no município de Guarapuava/PR. Ambiência, 1 (1), 141-155. Recuperado de https://revistas.unicentro.br/index.php/ambiencia/article/view/158/187

Loboda, C.R., & De Angelis, B. L. D. (2005). Áreas verdes públicas urbanas: conceitos, usos e funções. Ambiência, 1(1), 125-139. Recuperado de https://revistas.unicentro.br/index.php/ambiencia/article/viewFile/157/185

Lombardo, M. A. (1985). Ilha de Calor nas Metrópoles: o exemplo de São Paulo (244p). São Paulo: HUCITEC.

Londe, P. R., & Mendes, P. C. A. (2014). Influência das áreas verdes na qualidade de vida urbana. Hygea: Revista brasileira de Geografia médica e da saúde; 10 (18), 264-272. Recuperado de http://www.seer.ufu.br/index.php/hygeia/article/view/26487

Lucon, T. N., Prado Filho, J. F., & Sobreira, F. G. (2013). Índice e percentual de áreas verdes para o perímetro urbano de Ouro Preto, MG. Revsbau, 8 (3), 63-78. Disponível em: http://www.repositorio.ufop.br/handle/123456789/2294

Martins Jr., O. P. (2013). Os fundamentos de gestão do espaço urbano para a promoção da função socioambiental da cidade: o caso de Goiânia (340f). Tese de Doutorado, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO, Brasil.

Melo, B. M., & Dias, D. P. (2019). Microclima e conforto térmico de remanescentes florestais urbanos no município de Jataí – GO. Revsbau, 14 (2), 1-15. Recuperado de https://revistas.ufpr.br/revsbau/article/view/66637/pdf

Paraguaçu, L., et al. (2010). Influência da urbanização na qualidade das nascentes de parques municipais em Belo Horizonte-MG (p.8). Anais do Simpósio Nacional de Geomorfologia, Recife, PE, Brasil, 8.

Pinheiro, C. R., & Souza, D. D. (2017). A importância da arborização nas cidades e sua influência no microclima. Revista Gestão e Sustentabilidade Ambiental, 6 (1), 67-82. Recuperado de www.portaldeperiodicos.unisul.br/index.php/gestao_ambiental/article/.../3066

Scopel, I., et al. (2002). Evolução do uso da Terra na microbacia do córrego do açude, em Jataí – GO. Boletim Goiano de Geografia, 22 (2), 31-46. DOI: 10.5216/bgg.v22i2.15385

Silva, A. D. P., Santos, A. F., & Oliveira, L. M. (2016). Índices de área verde e cobertura vegetal das praças públicas da cidade de Gurupi, TO. Floresta, 46(3), 353 -361. DOI: 10.5380/rf.v46i3.40052

Sociedade Brasileira de Arborização Urbana (1996). Carta a Londrina e Ibiporã (Boletim Informativo, n. 3, 3p).

Souza, M. R., Martins, A. P., & Scopel, I. (2014a). Áreas verdes no Sítio Urbano de Jataí. Caminhos de Geografia, 15 (51), 181–198. Recuperado de http://www.seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/24055

Souza, O. P. S., et al. (2014b). Indicadores de área verde e cobertura arbórea para as praças do município de Altamira-PA. Enciclopédia Biosfera, 10 (18), 1-8. Recuperado de http://www.conhecer.org.br/enciclop/2014a/AGRARIAS/Indicadores.pdf

Szeremeta, B., & Zannin, P. H. T. (2013). A importância dos parques urbanos e áreas verdes na promoção da qualidade de vida em cidades. Raega - O Espaço Geográfico em Análise, 29, 177-193. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v29i0.30747

Vasconcelos, A. C. F., & Cândido G. A. (2011). Índice de desenvolvimento sustentável municipal participativo: uma aplicação no município de Cabeceiras-PB. Revista Capital Científico, 9 (2), 83-97. Recuperado de https://revistas.unicentro.br/index.php/capitalcientifico/article/view/1526

Vilanova, S. R. F., & Maitelli, G. T. (2009). A importância da conservação de áreas verdes remanescentes no centro político administrativo de Cuiabá –MT. UNICiências, 13 (1), 55-71. DOI: http://dx.doi.org/10.17921/1415-5141.2009v13n1p%25p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Magistra

ISSN 2236-4420 - versão on line