Emergência e vigor de sementes de Solanum gilo Raddi submetida a diferentes níveis de água salina

Maria de Fátima de Queiroz Lopes, Leonardo Vieira de Sousa, Ronimeire Torres da Silva, Francisco Hélio Alves de Andrade, Lucas Kennedy Silva Lima, Riselane de Lucena Alcântara Bruno

Resumo


Resumo: A escassez de água de qualidade obriga o uso de águas salina na produção das espécies alimentícias. Contudo, a salinidade exerce efeito negativo na emergência e vigor das sementes, impactando diretamente na produção. Assim, objetivou-se com este trabalho avaliar o efeito da salinidade na emergência e vigor de sementes de jiló (Solanum gilo Raddi). O experimento foi conduzido em ambiente protegido, em delineamento em blocos casualizados, em esquema fatorial 2 × 4, sendo duas cultivares de jiló (Tinguá Verde Claro e Redondo Morro Grande) e quatro níveis de NaCl (0,50; 1,13; 2,25 e 4,50 dS m-1) com quatro repetições de 50 sementes na parcela. Os caracteres avaliados foram emergência, primeira contagem de emergência, índice de velocidade de emergência, tempo médio de emergência, comprimento de parte aérea, comprimento de raiz, massa fresca de parte aérea, massa fresca de raiz, massa seca de raiz e relação massa seca de parte aérea / massa seca de raiz. A condutividade elétrica da água afetou negativamente a emergência e o vigor das sementes de jiló em ambas as cultivares avaliadas, mesmo na concentração de 1,13 dS-1 que foi o menor nível testado. Assim, as cultivares de jiló Tinguá Verde Claro e Redondo Morro Grande são sensíveis ao estresse salino, com redução na emergência e vigor de sementes.

 

Palavras chave: Jiló, Estresse salino, Condutividade elétrica.


Texto completo:

PDF

Referências


Alves, C. Z., et al. (2012). Qualidade fisiológica de sementes de jiló pelo teste de envelhecimento acelerado. Ciência Rural, 42 (1), 58-63.

Bewley, J. D., et al. (2013). Seeds: Physiology of development germination and dormancy (3rd Edit.,392p). New York: Springer.

Brasil. Ministério da Agricultura e da Reforma Agrária. (2009). Regras para análise de Sementes (399p). Brasília, DF: SNAD/DNDV/CLAV.

Cavalcante, A. M. B., & Perez, S. C. J. G. A. (1995). Efeitos dos estresses hídrico e salino sobre a germinação de sementes de Leucaena leucocephala (Lam.) de Wit. Pesquisa agropecuária Brasileira, 30 (2), 281-289.

Dias, N. S., et al. (2016). Efeitos dos sais na planta e tolerância das culturas à salinidade In: Gheyi, H. R., et al.. Manejo da Salinidade na Agricultura: estudos básicos e aplicados (Cap 11, pp. 151-162). Fortaleza: INCTSal.

Ferreira, D. F. (2014). Sisvar: A computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia, 35 (6), 1039-1042.

Food and Agriculture Organization of the United Nations. (2020). FAOSTAT. Recuperado em 09 abril, 2020, de http://www.fao.org/faostat/en/#data/QC.

Gordin, C. R. B., et al. (2012). Estresse salino na germinação de sementes e desenvolvimento de plântulas de niger (Guizotia abyssinica (L.f.) Cass.). Acta Botanica Brasilica, 26 (4), 966-972.

Guimarães, I. P., et al. (2013). Efeito da salinidade da água de irrigação na emergência e crescimento inicial de plântulas de mulungu. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, 8 (1), 137-142.

Harter, L. S. H., et al. (2014). Salinidade e desempenho fisiológico de sementes e plântulas de mogango. Horticultura Brasileira, 32 (1), 80-85.

Labouriau, L. G. (1983). A germinação das sementes (173p). Washington: OEA.

Maguire, J. D. (1962). Speed of germination-aid in selection and evaluation for seedling emergence and vigor. Crop Science, 2 (1), 176-177.

Medeiros, R. F., et al. (2011). Crescimento inicial do tomateiro-cereja sob irrigação com águas salinas em solo com biofertilizantes bovino. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 15 (5), 505–511.

Melloni, M. L. G., et al. (2012). Espermidina exógena atenua os efeitos do NaCl na germinação e crescimento inicial de leguminosas forrageiras. Revista Brasileira de Sementes, 34, (3), 495-503.

Queiroga, R. C. F., et al. (2006). Germinação e crescimento inicial de híbridos de meloeiro em função da Salinidade. Horticultura Brasileira, 24 (3), 315-319.

Rabbani, A. R. C., et al. (2012). Restrição hídrica em sementes de moringa (Moringa oleifera L.). Revista Científica UDO Agrícola, 12 (3), 563-569.

Ribeiro, M. R., et al. (2016). Origem e classificação dos solos afetados por sais. In: Gheyi, H. R. et al. (Editores). Manejo da Salinidade na Agricultura: estudos básicos e aplicados (Cap 2, pp. 9-16). Fortaleza: INCTSal.

Sá, F. V. S., et al. (2016). Seed germination and vigor of different cowpea cultivars under salt stress. Comunicata Scientiae, 7 (4), 450-455.

Sales, M. A. L., et al. (2015). Germinação e crescimento inicial do coentro em substrato irrigado com água salina. Brazilian Journal of Biosystems Engineering, 9 (3), 221-227.

Silva, J. E. S. B., et al. (2014). Produção de mudas de moranga e abóbora irrigadas com água biossalina. Scientia Plena, 10 (10) 1-7.

Souza, M. O., et al. (2011). Germinação de sementes osmocondicionadas e não osmocondicionadas e crescimento inicial de Physalis angulata L. (Solanaceae) em ambientes salinos. Acta botânica Brasilica, 25 (1), 105-112.

Taiz, L. (2017). Fisiologia e Desenvolvimento Vegetal (888p). Porto Alegre: Artmed.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Magistra

ISSN 2236-4420 - versão on line