Levantamento florístico e fitossociológico em uma área de caatinga em Pacajus, CE

Edson Lopes Cardoso, Maria Josélia Gomes Dos Santos, Pedro Victor Silva Castro, Messias João Eduardo, Adolfo Pereira Leão, Maria Ivanilda de Aguiar

Resumo


Resumo: Objetivou-se realizar um levantamento florístico e uma análise fitossociológica em uma área de caatinga localizada na comunidade de Umari, município de Pacajus/CE. A amostragem foi realizada em 20 parcelas de 10 m x 10 m (100 m²). Em cada parcela foram inventariados todos os indivíduos florestais arbustivos e arbóreos vivos que apresentaram circunferência a nível do solo maior ou igual à 9 cm (CAS ≥ 9 cm) e altura maior que 1 m. Foram determinados os parâmetros fitossociológicos: densidade absoluta e relativa (DAe e DRe), frequência absoluta e relativa (FAe e FRe), área basal (AB), dominância absoluta e relativa (DoAe e DoRe) e índice de valor de importância (IVI). Estimou-se também a diversidade florística das espécies através do Índice de Shannon-Weaver (H’) e equabilidade de Pielou (J’). A família com maior número de espécies foi Fabaceae (n=9). As espécies com maiores índices de valor de importância (IVI) foram Cenostigma pyramidale (62,7%), Croton jacobinensis (42,8%) e Libidibia ferrea (25,6%). Observou-se que a área em estudo constitui um local de preservação da diversidade de espécies arbóreas/arbustivas, mas que ainda encontra-se em estágio intermediário da sucessão ecológica.

 

Palavras chave: Diversidade florística, Cenostigma pyramidale, Semiárido.

 


Texto completo:

PDF

Referências


Aguiar, M. I., et al. (2013). Does biomass production depend on plant community diversity? Agroforestry Systems, 87, 699–711. Doi: https://doi.org/10.1007/s10457-012-9590-9

Aguiar, M. I., et al. (2019). Florística e estrutura vegetal em áreas de Caatinga sob diferentes sistemas de manejo. Pesquisa Florestal Brasileira. Colombo, 39, 1-11. Doi: 10.4336/2019.pfb.39e201801715

Cavalcanti, A. D. C., et al. (2009). Mudanças florísticas e estruturais, após cinco anos, em uma comunidade de caatinga no estado de Pernambuco, Brasil. Acta Botânica Brasílica, 23 (4), 1210-1212. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-33062009000400032.

Chaves, A. C. G., et al. (2013). A importância dos levantamentos florístico e fitossociológico para a conservação e preservação das florestas. Agropecuária Científica no semiárido, Campina Grande, 9 (2), 42-48.

Dantas, J. G., et al. (2010). Estrutura do componente arbustivo/arbóreo de uma área de caatinga situada no município de Pombal-PB. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, Mossoró, 5 (1), 134-142.

Evangelista, A. R. S. (2011). O processo de desmatamento do bioma caatinga: riscos e vulnerabilidades socioambientais no território de identidade do sisal, Bahia. Revista Geográfica de América Central. Costa Rica, 2 (47E), 1-13.

Felfili, J. M., et al. (2011). Fitossociologia no Brasil: métodos e estudos de casos (558p). Viçosa, Editora: UFV.

Freitas, A. D. S., et al. (2011). Nodulação e fixação de nitrogênio por forrageiras da caatinga cultivadas em solos do semiárido paraibano. Revista Brasileira de Zootecnia, Viçosa, 40 (9), 1856-1861. DOI: https://doi.org/10.1590/S1516-35982011000900003

Guedes, R. S., et al. (2012). Caracterização florístico-fitossociológica do componente lenhoso de um trecho de caatinga no semiárido paraibano. Revista Caatinga, Mossoró, 25 (2), 99-108.

Holanda, A. C., et al. (2015). Estrutura da vegetação em remanescentes de caatinga com diferentes históricos de perturbação em Cajazeirinhas (PB). Revista Caatinga, Mossoró, 28 (4), 142- 150. DOI: https://doi.org/10.1590/1983-21252015v28n416rc

Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará. (2016). Perfil básico municipal-Pacajus 2016. (17p). Fortaleza: Governo do Estado do Ceará/SEPPLAG.

Leitão, A. C., et al. (2014). Florística e estrutura de um ambiente transicional caatinga-mata atlântica. Revista Caatinga, Mossoró, 27 (3), 200-210.

Leite, J. A. N., et al. (2015). Análise quantitativa da vegetação lenhosa da Caatinga em Teixeira, PB. Pesquisa Florestal Brasileira, Colombo, 35 (82), 89-100. DOI: http://dx.doi.org/ 10.4336/2015.pfb.35.82.584

Lima, B. G., & Coelho, M. F. B. (2018). Fitossociologia e estrutura de um fragmento florestal da caatinga, Ceará, Brasil. Ciência Florestal, Santa Maria, 28 (2), 809-819. DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509832095

Luna, A. A., et al. (2015). Levantamento florístico e fitossociológico em área de caatinga manipulada durante o período chuvoso. Revista Científica de Produção Animal, 17 (1), 41-49.

Magurran, A.E. (2004) Measuring Biological Diversity (V 1, 256p). Oxford: Blackwell Science Ltda.

Maia, G. N. (2004). Caatinga: árvores e arbustos e suas utilidades (413p). São Paulo: D & Z Computação Gráfica e Editora.

Maracajá, B. P., et al. (2003). Levantamento florístico e fitossociológico do extrato arbustivo-arbóreo de dois ambientes na Vila Santa Catarina, Serra do Mel, RN. Revista de Biologia e Ciências da Terra, 3 (2). DOI: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=50030206

Rodal, M. J. N., Sampaio, E. V. S. B., & Figueiredo, M. A. (Orgs.) (2013). Manual sobre métodos de estudos florístico e fitossociológico: ecossistema caatinga (24f). Brasília: SBB. Recuparado em 20 Fevereiro, 2019, de http:/ /www.botanica.org.br/ebook.

Santos, W. S., et al. (2017a). Análise florística-fitossociológica e potencial madeireiro em área de caatinga submetida a manejo florestal. Agropecuária Científica no Semiárido, Patos-PB, 13 (3), 203-211.

Santos, W. S., et al. (2017b). Caracterização florístico-fitossociológica do componente lenhoso em fragmento de caatinga no município de Upanema-RN. Revista Nativa, Sinop, 5 (2), 85-91. DOI: 10.5935/2318-7670.v05n02a02

Santos, W. S., et al. (2017c). Estudo fitossociológico em fragmento de caatinga em dois estágios de conservação, Patos, Paraíba. Agropecuária Científica no Semiárido, Patos-PB, 13 (4), 315-321.

Vasconcelos, A. D. M., et al. (2017). Caracterização florística e fitossociológica em área de Caatinga para fins de manejo florestal no município de São Francisco-PI, Agropecuária Científica no Semiárido, Campina Grande, 13 (4), 329-337.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Magistra

ISSN 2236-4420 - versão on line