Desempenho de cultivares de milho doce sob doses de fertilizante mineral complexo em cobertura

Rodrigo Pereira Silva, Thainá Araújo de Oliveira, Josuel da Silva Santos, Antônio Lucrécio dos Santos Neto, Ademária Aparecida de Souza, Gleica Maria Correia Martins, Ricardo Barros Silva

Resumo


Resumo: O milho doce é uma hortaliça utilizada para consumo humano, tanto de forma “in natura” como processado industrialmente em conserva. Essa cultura apresenta grande potencial de cultivo no Brasil, mas as informações sobre manejo de fertilizantes e cultivares são escassas. Assim, o objetivo desse trabalho foi verificar o efeito de doses de fertilizante mineral complexo (16% de N, 3% de K2O e 17% de S) aplicado em cobertura no cultivo de milho doce, no Agreste de Alagoas. O delineamento estatístico adotado foi em blocos casualizados em esquema fatorial 2 x 6 com quatro repetições. Os tratamentos resultaram da combinação de seis doses de fertilizante mineral complexo (0, 250, 500, 750, 1.000 e 1.250 kg ha-1) e duas cultivares de milho doce (SV9298 PRO e Thunder). A dose de 1.250 kg ha-1 fertilizante mineral complexo proporciona espigas de milho doce com palha de maior peso (0,48 kg). A maior produtividade de grãos de milho doce (11 t ha-1) é produzida com aplicação de 755 kg ha-1 de fertilizante mineral complexo. De maneira geral, a cultivar Thunder apresentou desempenho produtivo superior e a adubação com fertilizante mineral complexo em cobertura gera maior produtividade no cultivo de milho doce.

 

Palavras chave: Zea mays L var. Saccharata ,Híbridos, Produtividade de grãos.

 

 


Texto completo:

PDF

Referências


Allen, R.G., et al. (1998) Crop evapotranspiration: guidelines for computing crop requirements (328 p). Roma: FAO.

Araújo, E. O., et al. (2016). Doses de nitrogênio e inoculação de Herbaspirillum seropedicae na cultura do milho em condições de solo fértil. Acta Agronomica, 65, 16-23. DOI:10.15446/acag.v65n1.44300

Barros, A. H. C., et al. (2012). Climatologia do estado de Alagoas. Recife: Embrapa Solos.

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. (2020). Registro Nacional de Cultivares – RNC. Brasília, DF: CSM/DFIA/SDA.

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. (2009). Regras para Análise de Sementes (398p). Brasília, DF: Mapa/ACS.

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. (2018). Projeções do Agronegócio: Brasil 2017/18 a 2027/28 projeções de longo prazo (112p). Brasília: MAPA/ACE.

Camilo, J. S., et al. (2015) Aceitação sensorial de híbridos de milho doce e híbridos de milho verde em intervalos de colheita. Revista Ceres, 62 (1), 1-8. DOI: https://doi.org/10.1590/0034-737X201562010001

Carmo, M. S., et al. (2012). Doses e fontes de nitrogênio no desenvolvimento e produtividade da cultura de milho doce (Zea mays convar. Saccharata var. Rugosa). BioScience Journal, 28 (1), 223-231.

Carvalho, M. N., & Nakagawa, J. (2012). Sementes: ciência, tecnologia e produção. Jaboticabal: FINEP.

Doorenbos, J., & Kassam, A. H. (1979). Yield response to water (FAO Irrigation and Drainage Paper, 33). Rome: FAO.

Ferreira, D. F. (2011). SISVAR: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia, 35 (6), 1039-1042.

Galvão, J. C. C., et al. (2014). Sete décadas de evolução do sistema produtivo da cultura do milho. Revista Ceres, 61 (supl.), 819-828.

Hanashiro, R. K., et al. (2013). Desempenho fenológico, morfológico e agronômico de cultivares de milho em Jaboticabal-SP. Científica, 41 (2), 226-234,

Köppen-Geiger, R. (1948). Climatologia: con un estudio de los climas de la tierra. México: Fundo de Cultura Econômica.

Luz, J. M. Q., et al. (2014). Produtividade de genótipos de milho doce e milho verde em função de intervalos de colheita. Horticultura Brasileira, 32, 163-167.

Okumura, R. S., et al. (2011). Uso de fertilizante nitrogenado na cultura do milho: uma revisão. Pesquisa Aplicada & Agrotecnologia, 4, 26-24.4

Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (2020). Produção mundial de milho verde. Recuperado em 28 fevereiro, 2021, de http://www.fao.org/faostat/en/#data/QC.

Pereira Filho, I. A., & Borghi, E. (2018). Sementes de milho no Brasil: a dominância dos transgênicos. Sete Lagoas: Embrapa Milho e Sorgo.

Queiroz, A. M., et al. (2011). Avaliação de diferentes fontes e doses de nitrogênio na adubação da cultura do milho (Zea mays L.). Revista Brasileira de Milho e Sorgo, 10 (3), 257-266.

Rabêlo, F. H. S., et al. (2013). Características agronômicas e bromatológicas do milho submetido a adubações com potássio na produção de silagem. Ciência Agronômica, 44 (3), 635– 643.

Silva, G. F., et al. (2014). Doses de nitrogênio e de fósforo recomendadas para produção econômica de milho verde em Mossoró-RN. Magistra, 26 (4), 467- 481.

Ugur, A., & Maden, H. A. (2015) Sowing and planting period on yield and ear Quality of sweet corn (Zea mays L. var. saccharata). Ciência Agrotécnica, 39 (1), 48-57.

Zucareli, C., et al. (2014). Qualidade fisiológica de sementes de milho doce classificadas pela espessura e largura. Pesquisa Agropecuária Tropical, 44 (1), 71-78.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Magistra

ISSN 2236-4420 - versão on line