Adaptabilidade de reprodutores ovinos criados no semiárido

Renan Castro Lins, Gilberto Saraiva Tavares Filho, Nágela Maria Henrique Mascarenhas, Maria Tamyres Barbosa do Nascimento Conrado, Danilo Ferreira da Silva, José Valmir Feitosa, Antônio Nélson Lima da Costa

Resumo


Resumo: O semiárido nordestino caracteriza-se por apresentar alta incidência de radiação solar e altas temperaturas durante praticamente todo o ano. Mesmo adaptados aos mais diversos ambientes, é importante conhecer os parâmetros de aclimatação dos ovinos, com o interesse de selecionar animais que apresentem melhores condições adaptativas para produção e reprodução nesta região. Nesse sentido, o presente trabalho teve como objetivo avaliar a adaptabilidade de ovinos de diferentes raças às condições climáticas do semiárido. O experimento foi realizado no IFCE-Campus Crato, utilizando três animais de cada raça Dorper, Santa Inês, White Dorper, distribuídas em um delineamento inteiramente casualizado. Foram coletados dados semanalmente de temperatura retal, frequência respiratória e temperatura superficial corpórea durante dois turnos manhã e tarde. Os dados obtidos foram submetidos a análises de variância, e as médias comparadas pelo teste de Tukey. As raças apresentaram regularidade para temperatura retal, enquanto as médias de frequência respiratória foram encontradas em baixo nível de desconforto. Para a variável temperatura superficial corpórea, a raça White Dorper obteve médias superiores para todos os turnos sem diferença estatística. As raças avaliadas mostraram-se adaptáveis à região de estudo, utilizando seus mecanismos de homeotermia de forma eficiente.

 

Palavras chave: Estresse térmico, Termorregulação, Variáveis fisiológicas.


Texto completo:

PDF

Referências


Aleena, J., et al. (2016). Significance of metabolic response in livestock for adapting to heat stress challenges. Asian Journal of Applied Science and Engineering, 10 (4/5), 224-234.

Amorim, M. L. C. M., et al. (2019). Coat and skin morphology of hair sheep breeds in an equatorial semi-arid environment. Thermal Biology, 84 (2), 103-110.

Angel, S. P., et al. (2018). Expression patterns of candidate genes reflecting the growth performance of goats subjected to heat stress. Molecular Biology Reports, 45 (6),2847-2856.

Baêta, F. C. & Souza, C. F. (2010). Ambiência em edificações rurais: conforto animal (2 ed., 269p.). Viçosa, Editora UFV.

Bagath, M., et al. (2016). Effect of dietary intake on somatotrophic axis-related gene expression and endocrine profile in Osmanabadi goats. Journal of Veterinary Behavior: Clinical Applications and Research, 13, 72-79.

Borges, J. O., Silva, A. P. V., & Carvalho, R. A. (2018). Conforto térmico de ovinos da raça Santa Inês confinados com dietas contendo três níveis de inclusão de concentrado. Boletim Indústria Animal, 75, 1-7.

Costa, W. P., et al. (2015). Thermoregulatory responses and blood parameters of locally adapted ewes under natural weather conditions of Brazilian semiarid region. Semina: Ciências Agrárias, 36 (6 Suppl. 2), 4589-4600.

Eustáquio Filho, A., et al. (2011). Zona de conforto térmico de ovinos da raça Santa Inês com base nas respostas fisiológicas. Revista Brasileira de Zootecnia, 40 (8), 1807-1814.

Furtado, D. A., et al. (2017). Thermal comfort indexes and physiological parameters of Santa Inês and crossbreed ewes in the semi-arid. Journal Animal Behavior and Biometeorology.5 (1), 72-77.

Garner, J. B., et al. (2017). Responses of dairy cows to short-term heat stress in controlled-climate chambers. Animal Production Science, 57 (7), 1233-1241.

Kapila, N., et al. (2016). Impact of heat stress on cellular and transcriptional adaptation of mammary epithelial cells in riverine buffalo (Bubalus bubalis). PLoS One, 11 (9),137-146.

Kumar, K De, et al. (2017). Effect of thermal exposure on physiological adaptability and seminal attributes of rams under semi-arid environment. Journal of Thermal Biology, 65,113–118.

Mascarenhas, N. M. H. (2018). Variáveis fisiológicas e estruturas de tegumento de ovinos e caprinos criados no semiárido brasileiro (58f). Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Campina Grande, Patos, PB, Brasil.

Medeiros, L. F. D., et al. (2015). Reações fisiológicas de cabras em diferentes ambientes e coeficiente de tolerância ao calor em cabritos. Revista Brasileira de Medicina Veterinária, 37 (2), 286-296.

Mengistu, U. L., et al. (2017). Conditions to evaluate differences among individual sheep and goats in resilience to high heat load index. Small Ruminant Research, 147 (4), 89-95.

Pantoja, M. H. A., et al. (2017). Thermoregulation of male sheep of indigenous or exotic breeds in a tropical environment. Thermal Biology, 69 (2), 302-310.

Pragna, P., et al. (2017). Summer season induced rhythmic alterations in metabolic activities to adapt to heat stress in three indigenous (Osmanabadi, Malabari and Salem Black) goat breeds. Biological Rhythm Research, 49 (5), 551-565.

Ribeiro, M. N., et al. (2018). Physiological and biochemical blood variables of goats subjected to heat stress – a review. Journal of Applied Animal Research, 46 (1), 1036-1041.

Sejian, V., et al. (2018). Review: Adaptation of animals to heat stress. Animal, 12 (2), 431-444.

Silva, E. M. N., et al. (2010). Avaliação da adaptabilidade de caprinos ao semiárido através de parâmetros fisiológicos e estruturas do tegumento. Revista Caatinga, 23 (1), 142-148.

Silanikove, N. (2000). Efeitos do estresse térmico no bem-estar de ruminantes domésticos extensivamente administrados. Ciência da produção pecuária, 67 (1-2), 1-18.

Statistical Analyses System (1986). SAS/STAT® [Software] Cary: SAS Institute Inc.

Thom, E.C. (1959). The discomfort index. Weatherwise, 12 (1), 57-59.

Torres, T. S., et al. (2017). Behavioral and thermoregulatory characteristics of Dorper sheep. Journal Animal Behavior Biometeorology, 5 (3),85-90.

Vieira, M. M. M., et al. (2016). Aspectos fisiológicos e bioclimáticos de caprinos nas regiões semiáridas. PUBVET, 10 (1), 356-369.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Magistra

ISSN 2236-4420 - versão on line